Coronavírus faz consumidores optarem por comestíveis e extratos de maconha

doces buds Coronavírus faz consumidores optarem por comestíveis e extratos de maconha

Os varejistas relataram uma mudança significativa dos consumidores, de fumar e vaporizar maconha para consumir comestíveis durante a pandemia de coronavírus. As informações são do Grizzle, com tradução pela Smoke Buddies

O serviço de entrega californiano Eaze disse que os produtos comestíveis agora representam 30% de todas as vendas, acima dos 15% de algumas semanas atrás. As vendas de buds e vapes diminuíram consequentemente. Sites como o Weedmaps contam uma história semelhante, pois os consumidores buscam opções de consumo que exercem menos pressão sobre os pulmões.

Leia também – Na seca: Como lidar com a abstinência de maconha na quarentena

lazy placeholder Coronavírus faz consumidores optarem por comestíveis e extratos de maconha

O coronavírus causa uma doença respiratória chamada Covid-19, que dificulta a respiração das pessoas infectadas. Uma revista médica chinesa relatou que os fumantes apresentaram sintomas mais graves do que os não fumantes após contrair o vírus.

Isso inspirou muitos usuários de maconha a mudar para comestíveis ou extratos, a fim de eliminar qualquer estresse nos pulmões. A Organização Nacional para a Reforma das Leis da Maconha (NORML), dos Estados Unidos, está entre os grupos que pedem que as pessoas evitem fumar e explorem métodos alternativos de ingestão.

O conselho tem sido semelhante em todo o mundo. “O tabagismo apresenta riscos únicos no contexto do Covid-19 devido aos impactos na função pulmonar“, disse Marta Rychert, pesquisadora sênior da Universidade Massey, na Nova Zelândia.

Saiba mais: Associação de João Pessoa oferece óleo de cannabis a médicos expostos ao Covid-19

Ela pediu que os pacientes de maconha medicinal mudassem para óleos ou extratos durante a pandemia de coronavírus, a fim de reduzir o risco de agravar seus pulmões. Os especialistas também desaconselharam o compartilhamento de bongs, vapes ou baseados, e evitar traficantes de drogas que tenham contato direto com muitos consumidores e manejam dinheiro regularmente, pois possuem alto potencial de transmissão do vírus.

A Nova Zelândia deve começar seu programa de maconha medicinal no próximo mês. A empresa acaba de confirmar os planos de reverter uma lei que proíbe os vaporizadores de cannabis, permitindo que os distribuidores importem vapes e cartuchos e os vendam aos pacientes.

No entanto, os pacientes são incentivados a optar por vaping no futuro, não enquanto as autoridades lutam para conter o surto de coronavírus.

Os varejistas de cannabis foram considerados serviços essenciais na maioria dos estados dos EUA e nas províncias do Canadá, o que lhes permite continuar comercializando e eles podem esperar uma demanda crescente por produtos comestíveis.

Leia também:

Coronavírus e a maconha: saiba como se prevenir e evitar o contágio

#PraCegoLer: em destaque, foto que mostra macarons, rosas e verdes, juntos a dois buds secos de maconha, de pistilos marrons, sobre uma superfície de cor cinza, e um fundo azul-escuro. Foto: Thomas George | Flickr.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!