Prisão que abrigou condenados por tráfico vai virar espaço para cultivo de maconha nos EUA

prisao mid orange Prisão que abrigou condenados por tráfico vai virar espaço para cultivo de maconha nos EUA

“Essa é a ironia: havia aqui prisioneiros pelo que estamos a fazer”, disse o fundador de umas das empresas selecionadas para o novo centro empresarial de cannabis de Nova York. Saiba mais na reportagem do WSJ traduzida pelo historiador Henrique Oliveira

Até ao encerramento, há uma década, uma prisão estatal situada a noroeste da cidade de Nova York prendeu homens condenados por delitos de droga e outros crimes. Agora, a cidade de Warwick pretende transformar o que era um complexo de segurança média no condado de Orange num movimentado centro regional de cultivo e processamento de maconha. Os seus empreendedores esperam ganhar dinheiro com a mudança no estado que legalizou o uso adulto de maconha.

As autoridades locais recrutaram sete empresas relacionadas à cannabis para as instalações de Hudson Valley, ainda marcadas por edifícios de tijolos avermelhados que, a dada altura, encarceraram quase 1.000 homens. Em março, a cidade proporcionou incentivos fiscais à Green Thumb Industries, baseada em Chicago, para a compra de 38 acres (mais de 150.000 m2) para uma grande instalação de cultivo e manufatura.

site sb Prisão que abrigou condenados por tráfico vai virar espaço para cultivo de maconha nos EUA

Os promotores dizem que os novos empreendimentos trarão receitas fiscais e centenas de bons empregos. Mas alguns pais dizem que tornar a cidade num centro de produção de maconha poderia enviar às crianças uma mensagem de condescendência ao consumo de drogas. Pequenos produtores em todo o estado se preocupam com a possibilidade de as grandes empresas, como a Green Thumb, os espremerem para fora do mercado. E mesmo alguns fãs do projeto veem riscos à frente. “Parece que todos e o seu irmão e irmã querem entrar no comboio da cannabis”, disse Richard Hull, um historiador em Warwick. “Haverá muita competição, mas certamente vale a pena o risco”.

Leia também: Nova York sonha em ser o novo El Dorado da cannabis

 Prisão que abrigou condenados por tráfico vai virar espaço para cultivo de maconha nos EUA

Em março, Nova York tornou-se o 16º estado americano a legalizar o uso adulto de maconha. O governador Andrew Cuomo, um democrata, assinou legislação que permite a posse de até 85 gramas para pessoas com 21 anos ou mais.

Warwick, uma cidade com cerca de 32.000 habitantes, tem ruas pitorescas de aldeias e quintas bucólicas que atraem famílias para a apanha da maçã no outono. Os seus líderes ainda não decidiram se devem permitir lojas de varejo de maconha ou lounges com consumo no local. A nova lei estadual diz que as cidades e vilas podem optar por não permitir tais dispensários até 31 de dezembro.

Laura Ford, uma residente com filhos de 15 e 19 anos, chamou o novo centro de cultivo de maconha de um “saco misto”. Ela vê benefícios para a economia local, mas preocupa-se com o aumento da oferta de uma substância que para alguns utilizadores pode ser uma porta de entrada para mais drogas. Por outro lado, ela observou, a cidade há muito tem lojas de bebidas alcoólicas, o que pode levar ao abuso do álcool. “Não é uma questão de cortar e secar”, disse ela. “Mas eu tenho adolescentes e não gosto de pensar neles fumando maconha”.

Nos anos 1930, o presídio funcionou como um reformatório estatal que tentou reabilitar os rapazes da cidade de Nova York com as tarefas de cuidar de vegetais, vacas e galinhas. No final da década de 1970, o estado transformou-o na Instalação Correcional de Mid-Orange em resposta ao surto de encarceramentos que ocorreu durante a repressão nacional a delitos relacionados com drogas. Foi encerrada em 2011, depois de o número de presos diminuir.

Está faltando maconha em Nova York

Autoridades municipais criaram a Corporação de Desenvolvimento Local de Warwick Valley, uma entidade sem fins lucrativos, e pagaram ao estado US$ 3,75 milhões por cerca de 150 acres de propriedade prisional em 2013. Michael Sweeton, o supervisor da cidade, disse que Warwick comprou o local para evitar que fosse transformado em condomínios ou algo indesejável. “Queremos controlar o nosso próprio destino”, disse ele.

A ideia de criar um centro para o cânhamo surgiu em 2018, disse ele, quando o governo federal retirou a planta da lista de substâncias controladas. A cidade trabalhou com a Agência de Desenvolvimento Industrial do condado de Orange, que ofereceu incentivos para atrair empresas. Agora a antiga prisão tem sete empreendimentos ligados a uma substância que em outros tempos foi proibida, assim como uma cervejaria e um complexo desportivo.

UrbanXtracts faz óleo, tinturas e outros produtos de canabidiol (CBD). Phyto-Farma Labs LLC testa cannabis. Citiva Medical LLC tem uma licença para cultivar maconha medicinal. E três pequenos fabricantes utilizam CBD ou cânhamo: Honey Buz e Farmbody para produtos de cuidado da pele, e Scripted Fragrance para velas.

“Essa é a ironia: havia aqui prisioneiros pelo que estamos a fazer”, disse Eran Sherin, fundador da urbanXtracts. Ele disse que pretende contratar trabalhadores de meios desfavorecidos para promover a justiça social. A grande recém-chegada é a Green Thumb, que se comprometeu a investir 155 milhões de dólares e a criar pelo menos 179 empregos dentro de três anos, com benefícios e salários a partir de cerca de 50.000 dólares. O Sr. Sweeton disse que quando a compra de propriedade da Green Thumb, no valor de cerca de US$ 3 milhões, estiver concluída, a organização sem fins lucrativos de Warwick terá recuperado os seus custos de compra e reparação do local da prisão.

Leia mais – EUA: estados que legalizaram uso adulto da maconha geraram quase US$ 8 bi em impostos

Num acordo aprovado pela agência de desenvolvimento industrial do condado em março, a Green Thumb recebeu incentivos no valor de cerca de 30 milhões de dólares em 15 anos, incluindo uma isenção de impostos sobre as vendas e uma redução de impostos sobre a propriedade. A agência estimou os benefícios para a economia regional em 285 milhões de dólares durante esse período. Uma audiência pública de 20 minutos sobre os benefícios fiscais atraiu comentários de apenas um residente. De acordo com uma transcrição, o homem disse que os cidadãos deveriam ter tido mais oportunidades de contribuir e examinar a análise custo-benefício da agência, e mais provas de que eram necessários incentivos para atrair a Green Thumb. O residente não pôde ser contatado para comentários.

Ben Kovler, chefe executivo da Green Thumb, disse que a atitude acolhedora de Warwick foi um fator-chave na escolha do local. A empresa, que planeja construir uma grande instalação para o cultivo interno, está licenciada para produzir maconha medicinal e pretende adicionar produtos de uso adulto sempre que possível. “Ir para um local onde não o querem é uma receita para o desastre”, disse o Sr. Kovler.

Os pequenos produtores de Nova York preocupam-se que serão injustamente espremidos pela Green Thumb e outras grandes empresas nacionais, disse Allan Gandelman, um produtor de cânhamo do condado de Cortland que dirige a Associação de Produtores e Processadores de Cannabis de Nova York. O Sr. Gandelman disse que os produtores precisam de licenças a tempo de plantar uma colheita para 2022, mas o governador e os legisladores estaduais ainda não nomearam um conselho de controle para definir as regras de licenciamento para a produção de maconha para uso adulto. Os funcionários da administração do governador Cuomo disseram esperar que o conselho seja escolhido até ao final da sessão legislativa em junho, com regulamentos em vigor no início de 2022, seguidos pela concessão de licenças e vendas no varejo.

O Sr. Gandelman disse que, ao contrário das grandes empresas, os seus pequenos produtores não se podem dar ao luxo de aumentar as suas infraestruturas agora na esperança de obterem uma licença. As grandes empresas “terão ter uma super-hyper vantagem inicial”, disse ele. A nova lei de legalização da maconha dá prioridade aos candidatos desproporcionadamente prejudicados pela aplicação das proibições no passado, de acordo com o gabinete do governador. A lei também visa conceder metade das licenças a empresas pertencentes a minorias e mulheres, bem como a agricultores em dificuldades e veteranos deficientes.

“Veremos um campo de jogo aberto onde os operadores menores são realmente capazes não só de competir, mas também de prosperar”, disse Norman Birenbaum, diretor de programas de cannabis de Nova York. “O mercado é suficientemente grande para todos”, disse o Sr. Kovler, da Green Thumb. “Há procura suficiente para que muitos empresários se saiam bem”.

Henrique Oliveira é historiador e militante antirracista contra a proibição das drogas.

Veja também:

Pessoas religiosas são menos propensas a endossar a legalização da maconha nos EUA

#PraCegoVer: fotografia, em P&B, da área externa do presídio de Mid-Orange onde pessoas andam por um passeio, que começa na porta do edifício da prisão, ao fundo, e um alambrado alto com concertina delimita o terreno da propriedade, à esquerda. Imagem: Times Herald-Record.

smokebuddies logo2 Prisão que abrigou condenados por tráfico vai virar espaço para cultivo de maconha nos EUA

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!