Fazendas de cannabis suportam as temporadas de incêndios florestais?

brasa Fazendas de cannabis suportam as temporadas de incêndios florestais?

Enquanto a maioria das fazendas agrícolas são cobertas por seguro em caso de destruição ambiental, as seguradoras (incluindo os grandes bancos) continuam cautelosas com as fazendas de cannabis. Entenda na reportagem do The New York Times, traduzida pela Smoke Buddies

Em 2013, Joy Hollingsworth mudou-se com sua família de Seattle para o interior com um plano de construir um negócio de maconha.

O estado de Washington havia legalizado a maconha recreativa recentemente e Barack Obama acabara de ser reeleito. Para Hollingsworth, uma ex-jogadora de basquete, e seu irmão, Raft Hollingsworth III, um ex-aluno da Universidade de Washington que cultivava maconha medicinal, parecia um momento tão bom quanto qualquer outro para comprar uma fazenda e obter lucro.

site sb Fazendas de cannabis suportam as temporadas de incêndios florestais?

Assim começou a Hollingsworth Cannabis Company, uma empresa familiar de propriedade de negros no que se tornou uma indústria muito branca e cada vez mais dominada por empresas.

“Aqui estão alguns negros da cidade se mudando para o meio do nada, uma área predominantemente branca”, disse Hollingsworth, 36, relembrando os primeiros dias em Shelton, uma pequena cidade perto do Parque Nacional Olímpico onde a família construiu sua fazenda. “Achei que eles teriam um problema conosco cultivando cannabis. A realidade é que a maioria dos nossos vizinhos adora a erva”.

O que os preocupava era a água.

A área é propensa a secas e tem enfrentado padrões climáticos cada vez mais imprevisíveis nos últimos anos. “Estamos recebendo mais chuva em agosto e mais neve no inverno”, disse Hollingsworth — tanta neve, na verdade, que no ano passado uma de suas estufas desabou com o peso.

O excesso de precipitação significa muita água e umidade para as colheitas florescerem. E nos últimos meses, disse Hollingsworth, eles tiveram que se preocupar com incêndios.

A temporada de incêndios florestais mais destrutivos registrados na Costa Oeste ocorreu neste outono, em meio à seca mais generalizada do país desde 2013. Mais de cinco milhões de hectares de terra foram queimados e muitas fazendas, de cannabis ou não, tiveram que evacuar.

Enquanto a maioria das fazendas agrícolas são cobertas por seguro em caso de destruição ambiental, as seguradoras (incluindo os grandes bancos) continuam cautelosas com as fazendas de cannabis. Em maio de 2020, apenas seis empresas em todo o país ofereciam seguro para fazendas que cultivam cannabis que contém mais de 0,3% de THC, o principal composto psicoativo da planta.

O cânhamo, definido como cannabis que contém 0,3 por cento de THC ou menos, qualificou-se para seguro agrícola federal apenas a partir deste ano de plantio. Muitas plantações de maconha não têm seguro, o que significa que, na esteira de um incêndio, os agricultores podem enfrentar a ruína financeira.

Leia também: Conheça os empreendedores negros que estão balançando o mercado da maconha

Jeff Nordahl, 47, dirige a Jade Nectar, uma pequena empresa familiar de cannabis nas montanhas de Santa Cruz. Incêndios florestais chegaram a cerca de 1,6 km de sua fazenda neste outono, e Nordahl e seus funcionários tiveram que evacuar por quase um mês. “Três semanas sem ser capaz de regar a maconha durante os dias de 32 ºC a 37 ºC matará a cannabis dentro de três a quatro dias”, disse ele.

Portanto, Nordahl encontrou algumas soluções alternativas para que suas safras tivessem o mínimo de água de que precisavam. “Às vezes, isso exigia caminhar 19 quilômetros com a permissão dos vizinhos para cruzar sua propriedade, obtendo acesso por meio de alguns trabalhadores de emergência que me conheciam”, disse ele. “Eu ajudei a família deles há muitos anos, fornecendo óleo de cannabis gratuito para um membro da família que venceu o câncer, então eles me ajudaram a acessar nossa fazenda”.

Embora nenhuma de suas plantações tenha queimado, ele ainda sentia os efeitos dos incêndios intensamente. “Mesmo quando sua fazenda não está pegando fogo, apenas com o impacto da fumaça e os potenciais danos, como o sol sendo bloqueado e tal, a planta sofre inquestionavelmente”, disse ele.

Keala Peterson, 31, e sua mãe, Kila Peterson, 60, conhecida como Mama Ki, fundaram a Sweet Creek Farm em Guerneville, Califórnia, em 2014, após três anos cultivando maconha para uso pessoal em sua propriedade de 464 metros quadrados. A jovem Peterson chamou os incêndios florestais de “apenas mais uma camada” nas dificuldades de ser uma pequena fazenda familiar de maconha.

“É realmente lamentável porque a maioria das pessoas afetadas por esses incêndios são pequenas porque, pela natureza de onde estamos localizados, você não pode ser uma grande fazenda”, disse ela. “Não há terras planas expansivas para fazer acres. É muito íngreme. E, principalmente, são apenas pessoas que vivem em suas propriedades”. Em agosto, um incêndio destruiu 80% das plantações de maconha da Sra. Peterson, bem como a casa de seus pais.

Os incêndios florestais costumam acontecer em uma época do ano em que a cannabis pode ser vulnerável. A cannabis plantada pode sobreviver ao fogo se o solo não estiver contaminado, mas durante a floração, a viscosidade das plantas pode torná-las suscetíveis a serem revestidas por cinzas, fuligem ou retardadores de fogo.

Frequentemente, a maconha é colhida em setembro antes da primeira geada, mas as fazendas de maconha na Costa Oeste podem ter uma estação de cultivo mais longa por causa do clima tipicamente temperado.

“Colher bem no meio de setembro é provavelmente muito arriscado, com o pico da temporada de incêndios hoje em dia”, disse Nordahl. Este ano, Jade Nectar plantou uma cepa para colher no início de agosto e outra para o Dia de Ação de Graças. “Queremos evitar variedades de cannabis com colheita para agosto e setembro, pois são os tempos de maior risco de incêndio”, disse Nordahl.

A Sweet Creek Farm conseguiu fazer um “replantio tardio”, graças a novas safras doadas a eles por um viveiro local. Membros da comunidade vieram ajudar os Petersons a replantar suas plantações.

“Nós fomos mais ou menos como baratas”, disse Peterson. “Assim que foi seguro entrar, pudemos regar os 20% das plantas que sobreviveram. Nós podamos um terço da parte de cima porque os galhos de baixo queimaram, mas eles sobreviveram e nós os colhemos. Fomos capazes de salvar um pouco da temporada”.

Alguns produtores de cannabis optaram por permanecer em suas fazendas, em alguns casos desafiando as ordens de evacuação, para tentar salvar as plantações do fogo usando métodos como molhar as plantas. Um desses fazendeiros era o pai da Sra. Peterson, um bombeiro aposentado.

Depois de sobreviver a temporadas anteriores de incêndios florestais, outras fazendas de maconha diversificaram em plantações adicionais ou se concentraram no cultivo interno (como faz a maioria das fazendas de maconha do Colorado). Mas mesmo os cultivos internos não são imunes aos danos causados ​​por incêndios florestais.

A Sra. Hollingsworth ainda não sabe o impacto da fumaça em suas plantações, que são cultivadas em estufas climatizadas, mas “elas não estão se animando tanto quanto costumam”, disse ela. No momento, ela está mais preocupada com o céu. “Raios de sol, eles não podem passar através da fumaça”, disse ela. “E realmente contamos com o maior recurso que o planeta já conheceu, que é o sol, para produzirmos”.

Ainda assim, Hollingsworth não tem planos de desistir dos negócios de sua família. No ano passado, ela e seu irmão foram capa do Cannabis Business Times e apareceram em um episódio de “Parts Unknown” de Anthony Bourdain. “Espero que possamos continuar neste caminho de cultivo de cannabis sustentável e mostrar às pessoas que isso pode ser feito”, disse ela.

A família da Sra. Peterson planeja reconstruir sua casa com considerações sobre incêndios florestais, incluindo aço, painéis solares e sem janelas voltadas para a floresta. “Vamos continuar”, disse ela. “Quero criar meus filhos na propriedade da minha família. Esse seria o sonho, continuar a fazenda para a próxima geração”.

Leia também:

Incêndios florestais devastaram a indústria de cannabis da costa oeste dos EUA

#PraCegoVer: a imagem em destaque mostra o close de um cigarro de cannabis aceso, cuja brasa queimando traz tons intensos de laranja e vermelho para a porção direita do quadro. Foto: THCamera Cannabis Art.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!