Justiça arquiva inquérito por apologia contra candidato que gravou vídeo em cultivo de maconha

andre barros cultivo plantas Justiça arquiva inquérito por apologia contra candidato que gravou vídeo em cultivo de maconha

Vídeo gravado pelo advogado e ativista André Barros junto a uma plantação de maconha em 2018, para divulgar sua candidatura ao cargo de deputado estadual pelo Rio de Janeiro, foi alvo de inquérito policial que investigou o então candidato para apurar o crime de apologia ao uso de drogas. Justiça acolheu argumentos do Ministério Público e determinou o arquivamento do inquérito

“A garantia da liberdade de consciência, da qual é consectária lógica e necessária a de liberdade de manifestação do pensamento, é notoriamente um dos pilares da democracia tal como concebida no atual estágio de nossa civilização”, esclarece o promotor de justiça Alexandre Murilo Graça, do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, em requerimento onde pede o arquivamento de inquérito policial instaurado pela Polícia Federal para apurar o crime de apologia ao uso de drogas, em razão de um vídeo eleitoral gravado em um cultivo de maconha.

O investigado em questão é o Dr. André Barros, que na época da abertura do inquérito, em 2018, era candidato a deputado estadual pelo estado do Rio de Janeiro e, para sua propaganda eleitoral, gravou um vídeo junto a um cultivo de cannabis autorizado pela Justiça para fins medicinais. O vídeo consistia numa apresentação onde, com termos jurídicos, André Barros apresentava seu currículo acadêmico e de lutas. O número da candidatura era simbólico: 50 do partido e 420 da planta, uma vez que o número é um dos símbolos da cultura canábica.

gravital sb Justiça arquiva inquérito por apologia contra candidato que gravou vídeo em cultivo de maconha

No requerimento pelo arquivamento do inquérito, o promotor expõe que não se verifica adequação da prática a qualquer tipo penal, “eis que não é pregada a prática concreta de crime contra com quer que seja”, havendo a opinião de um candidato a cargo eletivo. “Ainda que houvesse tentativa de criminalizar tal expressão de opinião, entende o Ministério Público que esta esbarraria na constitucionalmente assegurada liberdade de expressão”.

Leia também: Justiça Eleitoral censura vídeo com plantas de maconha de candidato a vereador

Advogado e ativista pela legalização da maconha, André Barros é um dos autores e signatários da representação encaminhada à Procuradoria-Geral da República em 2009 contra 10 decisões judiciais que proibiram a realização da Marcha da Maconha em 10 cidades do Brasil. Essa representação gerou a Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 187, julgada em 15 de junho de 2011, e garantiu a realização da Marcha da Maconha em todo o Brasil pelo Supremo Tribunal Federal. A decisão do STF garantiu que nenhuma autoridade brasileira pode interpretar que a Marcha da Maconha está praticando o crime de apologia e que o evento está garantido pelo direito de reunião e manifestação, exercício direto da democracia.

O inquérito policial não foi a única tentativa de coartar o vídeo com plantas de maconha. O Facebook não permitiu o impulsionamento pago do vídeo — que em uma semana foi visualizado de forma orgânica por 1 milhão de pessoas. A proibição da plataforma implicou em desvantagem do candidato em relação a outros que utilizaram o mesmo recurso sem restrição.

No dia 8 deste mês, a juíza titular da 5ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, Paula Fernandes Machado, acolheu os argumentos do Ministério Público e determinou o arquivamento do inquérito.

Assista ao vídeo:

Leia também:

DROGA DE LEI

#PraTodosVerem: imagem é uma captura de tela do vídeo que mostra André Barros, em primeiro plano, à frente de várias plantas de cannabis em um cultivo interno.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!