Uso abusivo de maconha pode aumentar o risco de arritmia, diz estudo

baseado enorme weed Uso abusivo de maconha pode aumentar o risco de arritmia, diz estudo

O uso frequente de maconha está associado a um risco maior de derrame e pessoas diagnosticadas com transtorno de uso de cannabis apresentaram maior chance de serem hospitalizadas por arritmia, de acordo com dois novos estudos realizados por pesquisadores dos EUA. Com informações da Fox 5 DC, e tradução pela Smoke Buddies

No primeiro estudo, pesquisadores da Universidade George Mason, em Fairfax, Virgínia (EUA), estudaram mais de 43.000 participantes adultos entre 18 e 24 anos. Aproximadamente 14% do total de participantes relataram ter usado cannabis nos 30 dias anteriores.

Os usuários frequentes de cannabis que também fumavam cigarros ou cigarros eletrônicos tinham três vezes mais chances de sofrer um derrame do que os não usuários. Aqueles que não usaram tabaco, mas relataram consumir cannabis pelo menos 10 dias por mês, tiveram quase duas vezes e meia mais chances de sofrer um acidente vascular cerebral do que os não usuários.

Verificou-se também que os usuários de cannabis são mais propensos a beber muito, assim como os usuários de cigarro ou cigarro eletrônico. É possível que isso possa ter influenciado seu risco, embora os pesquisadores tenham ajustado esses fatores em suas análises.

“Os jovens usuários de cannabis, especialmente aqueles que usam tabaco e têm outros fatores de risco para derrames, como pressão alta, devem entender que podem aumentar o risco de sofrer um derrame em idade jovem”, disse Tarang Parekh, principal autor do estudo, bacharel em medicina e cirurgia, mestre em ciências, pesquisador de políticas de saúde na Universidade George Mason, em Fairfax, Virgínia.

“Os médicos devem perguntar aos pacientes se eles usam cannabis e aconselhá-los sobre o risco potencial de derrame como parte de consultas médicas regulares”, acrescentou.

Leia mais: Qual a relação entre uso de maconha e doenças cardíacas?

Um segundo estudo analisou pacientes que foram diagnosticados com transtorno de uso de cannabis — caracterizado pelo uso frequente e compulsivo de maconha, semelhante ao alcoolismo — e descobriu que as pessoas com o transtorno têm um risco 50% maior de serem hospitalizadas devido a uma arritmia em comparação com os não usuários.

Em particular, o estudo constatou que jovens afro-americanos com idades entre 15 e 24 anos que sofrem de transtorno por uso de cannabis tiveram o maior risco de serem hospitalizados devido a arritmia.

No entanto, o grupo demográfico com maior probabilidade de ser diagnosticado com esse distúrbio são homens brancos com idade entre 45 e 54 anos. Algumas arritmias podem ser benignas, mas outras podem ser fatais.

“Os efeitos do uso de cannabis são vistos em 15 minutos e duram cerca de três horas. Em doses mais baixas, está associado a um batimento cardíaco acelerado. Em doses mais altas, ele está associado a um batimento cardíaco muito lento”, disse Rikinkumar S. Patel, doutor em medicina, mestre em saúde pública, médico residente no departamento de psiquiatria do Griffin Memorial Hospital em Norman, Oklahoma (EUA).

“O risco do uso de cannabis associado à arritmia em jovens é uma grande preocupação, e os médicos devem perguntar aos pacientes hospitalizados com arritmias sobre o uso de cannabis e outras substâncias, porque elas podem estar desencadeando suas arritmias”, disse Patel.

“Como a cannabis medicinal e recreativa é legalizada em muitos estados, é importante saber a diferença entre a dosagem terapêutica da cannabis para fins médicos e as consequências do abuso de cannabis. Precisamos urgentemente de pesquisas adicionais para entender esses problemas”, disse Patel.

Nos dois estudos, as descobertas foram meramente observacionais e ainda não estabelecem nenhum tipo de relação causal, mas os autores dos dois estudos dizem que as tendências observadas são suficientes para justificar mais pesquisas sobre os efeitos do uso excessivo e abusivo de cannabis.

“À medida que esses produtos se tornam cada vez mais usados ​​em todo o país, a obtenção de dados mais claros e cientificamente rigorosos será importante à medida que tentarmos entender os efeitos gerais da cannabis na saúde”, disse Robert Harrington, doutor em medicina, presidente da Associação Americana do Coração e do Arthur. L. Bloomfield, professor de medicina e presidente do departamento de medicina da Universidade de Stanford, em Stanford, Califórnia (EUA).

A Associação Americana do Coração não tem uma opinião sobre a legalização da maconha, mas, em locais onde a maconha foi legalizada, a Associação pede uma infraestrutura de saúde pública que coloque o uso da maconha no mesmo espaço regulamentado do tabaco, através de esforços como a restrições de idade à compra e leis abrangentes sobre áreas livres de fumo, entre outras medidas.

Leia também:

Cientistas do AP, SP, Suíça e Canadá testam medicamento para o coração à base de maconha

#PraCegoVer: fotografia (de capa) em close-up que mostra uma pessoa, com óculos escuros de armação verde, fumando um baseado gigante, com sua ponta no primeiro plano em foco e de onde sai uma fumaça branca densa que se mistura à expelida pela boca. Foto: Weed Streetwear | Flickr.

Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!

Deixe seu comentário