Departamento de Agricultura dos EUA lança pesquisa nacional com produtores de cânhamo

canhamo senhor Departamento de Agricultura dos EUA lança pesquisa nacional com produtores de cânhamo

A pesquisa com 20.000 agricultores lista preparações como cânhamo para fumar, extratos como CBD, grãos para consumo humano, fibras e sementes como áreas que o departamento tem interesse em conhecer. As informações são do Marijuana Moment

O Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) está avançando com uma pesquisa em grande escala para obter informações sobre o mercado de cânhamo que surgiu desde que a safra foi legalizada federalmente sob a Farm Bill (lei agrícola) de 2018.

Depois de solicitar permissão da Casa Branca no início deste ano para conduzir a pesquisa com cerca de 20.000 agricultores de cânhamo, o Serviço Nacional de Estatísticas Agrícolas da agência anunciou na quinta-feira que os formulários estão sendo finalizados para serem enviados por correio ou on-line.

site sb Departamento de Agricultura dos EUA lança pesquisa nacional com produtores de cânhamo

O USDA está fazendo perguntas sobre os planos para a produção de cânhamo ao ar livre, área para operações, usos primários e secundários para a safra e que tipos de preços os produtores podem obter. O questionário lista preparações como cânhamo para fumar, extratos como CBD, grãos para consumo humano, fibras e sementes como áreas que o departamento tem interesse em conhecer.

pesquisa também analisa se os agricultores estão cortando manualmente o cânhamo que produzem, se planejam extrair canabinoides ou terpenos da plantação, que tipo de safra eles colheram e como obtêm as sementes e clones que usam.

“O objetivo da pesquisa inicial proposta é desenvolver estimativas nacionais e estaduais do cânhamo plantado e produzido em 2020”, diz um documento explicativo do USDA. “A pesquisa será realizada anualmente. Os questionários usados ​​para esta pesquisa irão coletar dados para o cânhamo produzido ao ar livre, bem como sob cobertura (estufas, túneis baixos ou altos, casas de aros etc.)”.

Leia também: Conflito cânhamo vs maconha se intensifica na Califórnia (EUA)

“O cânhamo produzido a céu aberto terá dados coletados para cinco categorias de cânhamo (inflorescência, grão, fibra, semente e outros). O cânhamo produzido em espaço coberto terá dados coletados para quatro categorias de cânhamo (inflorescência, clones ou transplantes, semente ou outros)”, continua. “Perguntas semelhantes serão feitas para essas diferentes categorias em relação à quantidade colhida e aos preços recebidos por cada uma das safras. Além disso, haverá algumas questões demográficas sobre a operadora”.

Um vídeo postado pelo USDA diz que os resultados da pesquisa ajudarão a “definir o padrão de referência para a área plantada e a produção de cânhamo para auxiliar as agências reguladoras, produtores, governos estaduais, processadores e outras entidades importantes da indústria”.

Outro documento parece delinear os tipos de relatórios que o USDA planeja emitir assim que os dados forem coletados. Eles descreverão as quantidades de inflorescência, fibra, grão e semente de cânhamo produzidas em 2021, bem como o valor desses produtos e a área necessária para cultivá-los.

A partir de 1º de outubro, a agência enviará uma série de avisos e lembretes às operadoras do setor para incentivá-las a participar da pesquisa. “Informações precisas são essenciais para tomar decisões informadas sobre este setor emergente”, disse uma mensagem.

O USDA publicou inicialmente um aviso sobre sua intenção de garantir a permissão da Casa Branca para conduzir a pesquisa em fevereiro.

Empresas de cânhamo, incluindo fazendas, estarão envolvidas na pesquisa. O USDA estimou que o tempo coletivo para a realização das pesquisas será de 7.531 horas.

Leia mais: EUA: Câmara aprova medidas favoráveis à legalização da maconha

No ano passado, o USDA anunciou planos de distribuir uma pesquisa nacional separada para obter insights de milhares de empresas de cânhamo que poderiam informar sua abordagem para regulamentar a indústria.

Essa pesquisa está sendo realizada em parceria com a Associação Nacional de Departamentos Estaduais de Agricultura e a Universidade de Kentucky. O departamento disse que deseja aprender sobre os “custos de produção atuais, práticas de produção e práticas de marketing” para o cânhamo.

Ainda há muito a aprender sobre o mercado em expansão, embora o USDA continue a aprovar planos regulatórios estaduais para a safra. Mais recentemente, a agência aprovou um plano para o cânhamo apresentado pelo Colorado, onde as autoridades têm insistido consistentemente que o estado pretende ser um líder na área.

Embora a regra final do USDA para o cânhamo tenha entrado em vigor em 22 de março, a agência evidentemente ainda está interessada em coletar informações para informar melhor sua abordagem regulatória no futuro. As partes interessadas da indústria dizem que o lançamento da regra final é um passo positivo que fornecerá às empresas a orientação necessária, mas também apontaram uma série de políticas que esperam revisar à medida que o mercado amadurece, como os requisitos de teste de cânhamo do USDA.

O Escritório de Advocacia da Administração de Pequenos Negócios federal expressou um sentimento semelhante em uma postagem de blog em fevereiro, escrevendo que está “satisfeito com algumas das mudanças que [o USDA] fez na regra, pois oferecem mais certeza e são menos onerosas para pequenos agricultores”, mas “algumas preocupações permaneceram sem solução na regra final”.

Enquanto isso, representantes do USDA sob a administração do presidente Joe Biden realizaram sua primeira reunião com as partes interessadas da indústria do cânhamo em janeiro para aprender sobre as necessidades do mercado.

A conversa “foi extremamente satisfatória”, disse o presidente do conselho de diretores do Conselho Nacional de Cânhamo Industrial, Patrick Atagi, que foi nomeado pelo USDA e pelo U.S. Trade Representative (USTR — agência responsável pela política comercial dos EUA) em fevereiro para servir em um comitê consultivo de comércio federal, na época.

O USDA anunciou em abril que está se associando a uma empresa de fabricação de produtos químicos em um projeto de dois anos que pode expandir significativamente o mercado de cosméticos à base de cânhamo.

Leia também:

Qual a regulação dos alimentos de cânhamo no Brasil?

#PraTodosVerem: foto mostra parte de uma plantação de cannabis e do corpo de uma pessoa, que toca o ramo de uma das plantas com as mãos abertas. Crédito: aleksandarlittlewolf | Freepik.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!