Não tem pandemia nem guerra que pare: “tsunami de cocaína” invade a França

cocaina euro nota Não tem pandemia nem guerra que pare: “tsunami de cocaína” invade a França

A substância já atinge classes sociais muito diversas e se tornou o segundo entorpecente mais consumido no país, depois da cannabis. Informações da RFI

A revista semanal francesa L’Obs dedica sua capa neste fim de semana ao “tsunami de cocaína”, “a segunda droga mais consumida na França, depois da cannabis”, tendo como garoto-propaganda arrependido o escritor francês e ex-dependente Frédéric Beigbeder. Chamada de “la blanche” (“a branca”, em português) nas rodinhas mais animadas, o “pó” se tornou uma droga sem limites de classes sociais e dobrou sua produção no mundo em apenas cinco anos, chegando a 1.784 toneladas.

“Nenhuma pandemia, nenhuma guerra, nenhuma crise política ou econômica parece ter impacto sobre a produção de cocaína”, afirma a revista francesa L’Obs dessa semana. Os grandes portos franceses não passam ilesos “a esse setor em expansão”, sublinha a reportagem.

Leia também: Cocaína apreendida no RS pode ter até 100% de impureza, revela estudo

O uso da cocaína é um fenômeno que atinge todas as classes sociais na França, segundo um relatório da Missão interministerial de luta contra as drogas e comportamentos aditivos (Mildeca) de março de 2022.

Antes reservada às altas classes francesas, “a democratização da cocaína começou nos anos 2000, e se acelerou a partir de 2010”, explica à L’Obs David Weinberger, codiretor do Observatório de Crimes Internacionais do Instituto de Relações Internacionais Estratégicas da França. Segundo ele, “o produto se tornou muito mais acessível com o aumento da produção e o fenômeno de massificação do tráfico”.

“Algumas séries de TV talvez também tenham ajudado a banalizar a cocaína, especialmente entre os mais jovens”, conta o pesquisador, para quem “os circuitos de venda também evoluíram”. “Antes o tráfico de cocaína era dissociado do da maconha. Mas, a partir de 2015, 2016, os traficantes de cannabis na periferia começaram a oferecer cocaína”, explica Weinberger. Corrobora para o “tsunami de cocaína” a chegada de novos traficantes nos meios rurais e nas periferias francesas, publica a revista.

Leia mais: Policiais são presos no RJ acusados de desviarem cocaína apreendida

“Clean” e glamour

Sem fazer barulho, a cocaína acabou se impondo como a segunda droga mais consumida no país, segundo o Observatório Francês de Drogas e Toxicomanias (OFDT).

“O número de pessoas que experimentaram cocaína na França entre 11 e 75 anos era estimado a 2,1 milhões em 2017, um número muito superior aos cerca de 600 mil consumidores autodeclarados. A fatia entre 18 e 64 anos de consumidores da droga multiplicou-se por quatro em 20 anos”, afirma a revista.

 

 

 

L’Obs afirma que “a França se inscreve na tendência de consumo de cocaína da Europa, que se tornou um mercado de primeira importância”. O aumento da oferta do pó branco levou à queda nos preços — 1 grama custa cerca de € 70 (R$ 380) atualmente, em comparação com € 150 (R$ 810) dos anos 1990 — e também ao desenvolvimento de serviços de tráfico por delivery facilitado pelo boom de aplicativos de mensagens como Whatsapp e Telegram.

“Embora menos elitista, a cocaína conserva sua imagem clean e de glamour, especialmente entre os jovens, poucos estão conscientes dos riscos para a saúde que seu consumo implica”, conclui L’Obs.

Veja também:

Uso de maconha entre jovens caiu no Colorado (EUA) em 2021, segundo estudo

#PraTodosVerem: fotografia mostra uma porção de pó branco, uma nota de cinquenta euros enrolada e um lâmina de gilete, sobre uma superfície preta lisa. Foto: Marco Verch.

smokebuddies logo2 Não tem pandemia nem guerra que pare: “tsunami de cocaína” invade a França

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!