Stoner Jesus: grupo de estudo bíblico combina fé e maconha

biblia buds Stoner Jesus: grupo de estudo bíblico combina fé e maconha

Desde que anunciou o grupo, em um subúrbio de Denver, no Colorado (EUA), a fundadora foi inundada com mensagens de cristãos de todo o mundo animados para encontrar outros seguidores da Cannabis e de Cristo. Saiba mais na reportagem da High Times, com tradução pela Smoke Buddies

Nas palavras do falecido grande Bill Hicks: “Tornar a maconha contra a lei é como dizer que Deus cometeu um erro”. Atualmente, a legalização e a internet estão reunindo cristãos e cannabis.

Numa quarta-feira à noite, em um subúrbio tranquilo de Denver, um pequeno grupo de cristãos está começando seu estudo semanal da Bíblia. As orações são faladas com as cabeças inclinadas, os cânticos de louvor são cantados aos céus, seguidos de uma discussão pesada sobre o Livro de Jó.

lazy placeholder Stoner Jesus: grupo de estudo bíblico combina fé e maconha

À primeira vista, parece com qualquer um dos inúmeros estudos bíblicos que acontecem em lares suburbanos em todo os EUA. A única anomalia é que toda alma temente a Deus que apareceu nesta noite está ficando completamente chapada.

Relaxando no pátio dos fundos desta casa luxuosa, os participantes passam baseados e bongs ao redor do círculo, juntamente com Bíblias para pessoas que se esqueceram de trazê-las. Uma brisa de verão sopra através das dúzias de plantas de cannabis meio crescidas que nos cercam, reforçando o esmagador funk de ganja que emana do círculo. O pastor de olhos vermelhos guia a todos pelo Livro de Jó, que desencadeia uma conversa sobre como a maconha pode servir como um canal para experiências espirituais.

“No tempo de Jó, ele podia falar diretamente com Deus, mas não podemos fazer isso hoje”, diz Deb Button, cuja casa serve como ponto de encontro para o Estudo Bíblico Stoner Jesus de hoje à noite. “Acredito que consumir cannabis me aproxime de Jesus. Isso me dá esse sentimento de reverência, a experiência espiritual que eu sempre procurava na igreja”.

Uma mãe de meia-idade de dois filhos que amaldiçoa mais do que qualquer cristão evangélico vivo, Button transformou sua casa em um espaço social para maconheiros cristãos (como um ‘Bud & Breakfast’), apesar de ter experimentado maconha pela primeira vez há menos de cinco anos.

Desde que começou a anunciar o grupo no Craigslist e no MeetUp, Button foi inundada com mensagens diárias de cristãos de todo o mundo e de diversas origens, animados para encontrar outros seguidores de Kush e de Cristo.

“Há muitas pessoas por aí que se sentem isoladas como fumantes de maconha cristãs”, diz Button, que não vê conflito em se identificar como conservador evangélico e fumante de maconha. “Há muitos conservadores por aí que fumam maconha”.

Button acredita que o estereótipo tradicional do ‘chapado 420’ não captura a variedade de pessoas que consomem cannabis, uma noção que se reflete na composição diversificada das pessoas que estudam a Bíblia. Existem tantas idades, raças, classes, culturas e gêneros nesse grupo, parece um anúncio da ACLU para a diversidade. Muitas dessas pessoas consumiram cannabis e leram a Bíblia por toda a vida adulta, mas nunca conheceram outras que fizeram o mesmo.

Uma mulher branca idosa passa sua caneta vape para uma garota negra em idade universitária, enquanto elas discutem o quanto apreciam a criação de Deus das árvores, montanhas e céu. Antes da legalização — e da internet — teria sido difícil imaginar esses dois caminhos cruzados, sem falar em conversas apaixonadas sobre um interesse comum.

“No ano passado, foi difícil para mim, como cristã, sair como fumante de maconha”, diz Button. “Mas acho que está se tornando menos tabu”.

Maconha: pecado ou ferramenta espiritual?

De uma certa perspectiva, pode parecer que os cristãos estão começando a se aquecer com a maconha. Em 2012, o icônico televangelista (e duas vezes candidato à presidência dos EUA) Pat Robertson disse: “Acredito que devemos tratar a maconha da maneira como tratamos as bebidas alcoólicas”. Na mesma época, começaram a surgir as chamadas “igrejas de cannabis” em todo o país. E no ano passado, as Irmãs do Vale tornaram-se queridinhas da mídia por seu ativismo ‘nuns-who-smoke-pot’ (freiras que fumam maconha).

Leia também: Mais uma Igreja da Maconha é fundada nos EUA

Mas olhe um pouco mais de perto, e essa imagem não é o que parece. Robertson continuaria retraindo seu endosso de maconha; a maioria das igrejas de cannabis não tem nada a ver com o cristianismo; e as Irmãs do Vale não são católicas, mas sacerdotisas wiccanianas.

De fato, estudos mostram que, embora a maioria dos estadunidenses (66%) seja cada vez mais a favor da legalização da maconha, a menor parte demográfica desse número é de cristãos evangélicos, dos quais apenas 29%, segundo um estudo do Public Religion Research Institute, apoiam a legalização.

Nem sempre foi o caso, diz o Dr. Carl Raschke, professor de estudos religiosos na Universidade de Denver. Ele não acredita que exista um precedente bíblico para proibir a maconha. Diferentemente da bebida ou de certas práticas sexuais, a Bíblia não menciona maconha, em parte porque não era muito comum naquele tempo e lugar, mas também porque, como Raschke explica: “Na antiga Judeia e no cristianismo, o foco não era sobre a substância em si, mas como foi usada. Essa abordagem legalista de proibir algumas substâncias foi um desenvolvimento tardio. Não é uma questão ética, mas legal. Nos Estados Unidos, decidimos que a maconha deveria ser uma droga da Agenda I por qualquer motivo, mas não tínhamos esses motivos antes dos anos 30”.

No passado, jovens cristãos curiosos que perguntavam a seus pais por que Deus proíbe o uso de maconha eram tipicamente apontados para sua ilegalidade, juntamente com vários versículos da Bíblia que os instruíam a obedecer às leis do homem. Mas quando as leis da maconha começaram a mudar em 2012, foram necessários argumentos adicionais para condenar a maconha.

Desde então, vários jovens pastores entendidos em tecnologia têm escrito posts em blogs com algumas variações do título “Usar maconha é um pecado?” (Presumivelmente porque essa foi uma pesquisa popular no Google entre seus seguidores.) A grande maioria desses blogueiros cristãos é antimaconha, e geralmente citam versículos da Bíblia condenando a intoxicação e contaminação de nossos corpos, basicamente renovando os argumentos antiquados que os cristãos fizeram durante o movimento de temperança antiálcool do início do século XX.

Mas e se você acredita que a maconha não é um intoxicante, mas uma ferramenta espiritual?

Por quase um século, os rastafáris usaram a maconha como sacramento ritualístico. E eles têm seus próprios versículos da Bíblia para citar ao defenderem a cannabis como santa, como Apocalipse 22:2, que se refere às folhas da Árvore da Vida “para a cura de todas as nações”.

Da mesma forma, David Simpson, representante do estado do Texas e republicano evangélico, foi manchete no ano passado quando ofereceu um argumento cristão para a legalização, citando 1 Timóteo 4:4 (“Tudo o que Deus criou é bom”) em uma entrevista ao Daily Beast.

Também existem cristãos que acreditam que o óleo da unção sagrado mencionado na Bíblia foi feito de cannabis, e até mesmo que Jesus usou a erva para realizar seus milagres de cura, embora estes estejam longe das crenças comuns.

Na maioria das vezes, a maconha tem sido tão tabu entre os cristãos modernos que, até recentemente, a usavam em segredo, sozinhos e muitas vezes sem nem um pouco de vergonha. E, como aconteceu com gays e lésbicas, agora estamos descobrindo que tokers (maconheiros) existem em igrejas em todo o país o tempo todo.

Bíblia Beatniks e Intolerância

É um pedaço da história da cultura pop, muitas vezes esquecido, mas durante os anos 1970, muitos hippies queimados na Califórnia estavam se convertendo ao cristianismo no que ficou conhecido como Movimento de Jesus. Kris Kristofferson, Bob Dylan e Barry McGuire foram todos convertidos dedicados. Até John Lennon brincou com a ideia.

Essa cultura mantinha as roupas e a música hippie, mas rejeitava as drogas pesadas em favor da vida limpa. A grama caiu em uma área cinzenta não revelada.

Jesus pode ter usado óleo à base de maconha para curar doentes

As pessoas do Movimento de Jesus fumavam maconha?

“Definitivamente”, diz o professor Raschke, que era aluno da UC Berkeley na época. “Era ilegal, então as pessoas não falavam sobre isso, mas a maioria das pessoas tinha uma atitude benigna sobre isso”.

Esse movimento da Bíblia beatniks logo se espalhou por todo o país, ironicamente preparando as bases para o que se tornaria o direito cristão dos anos 80, uma força política que abraçou de todo o coração a escalada de Ronald Reagan da Guerra às Drogas. Ao longo das décadas de 1980 e 1990, qualquer fiel da “Igreja de Charlie” que solicitasse cannabis por razões medicinais (ou simplesmente gostava de ficar chapado e assistir ao The Cosby Show) era forçado a entrar no armário com uma toalha debaixo da porta. Para quem experimentou um momento de paranoia enquanto estava alto em circunstâncias embaraçosas, a vida era assim o tempo todo para os chapados cristãos no final do século 20 (sem mencionar as dificuldades de encontrar um revendedor confiável quando todo o seu círculo social vem da igreja).

“Eu estava constantemente preocupado em cheirar a maconha ou ter olhos vermelhos”, lembra Greg Giesbrecht, o pastor de olhos vermelhos do Stoner Jesus.

Um cara branco decididamente normal, de cabelos prateados, vestindo uma camisa polo e jeans, Giesbrecht parece que se encaixaria melhor em uma convenção de seguros do que em um comício 420. Mas ele é um ‘bong-ripper’ da velha escola, nascido de novo, que sabe o que é preciso para manter seu medicamento em segredo.

Crescendo em Fountain Valley, Califórnia, Giesbrecht foi exposto à maconha desde tenra idade, fumando um cigarro com seu irmão mais velho pela primeira vez em 1975. Isso não se tornou parte regular de sua vida até que ele se mudou para Denver, em 1980, quando ele caiu da escada do edifício do Capitólio enquanto entregava uma copiadora. A lesão o deixou viciado em opiáceos, antes que os amigos recomendassem que ele tentasse mudar para a cannabis.

Desde então, tornou-se um componente essencial de sua vida, embora antes de conhecer Deb Button e o grupo Stoner Jesus, Giesbrecht raramente deixasse alguém saber sobre seu pequeno segredo — especialmente ninguém que o conhecesse na igreja. “Eu fui honesto com minha família — meus filhos sempre a conheceram como remédio”, diz ele. “Mas eu tinha que ter cuidado com quem deixava entrar nesse círculo. Quase nenhum dos meus amigos sabia”.

Até o início deste ano, Giesbrecht era voluntário e tocava violão em uma grande igreja no Colorado (que ele não deseja nomear). A essa altura, a maconha era legal no estado, e ele estava começando a ser um pouco mais aberto sobre seu medicamento. Isso o levou a participar do Estudo Bíblico Stoner Jesus, onde, pela primeira vez, ele descobriu que não era o único que não via conflito entre Deus e ganja.

Ainda assim, um noticiário local filmou uma história sobre Stoner Jesus, com Giesbrecht e outros compartilhando um grande baseado enquanto louvavam a Deus, e ele foi rapidamente lembrado de que os principais cristãos ainda não estavam prontos para aceitar uma congregação de cannabis. “Depois que a história foi ao ar, recebi uma ligação de um dos pastores e ele disse: ‘Você não é o tipo de pessoa que queremos na liderança aqui’”, lembra Giesbrecht. “E então todo mundo virou as costas para nós”.

Button também sabe algo sobre intolerância por parte dos cristãos. A avalanche de apoio que ela recebeu de maconheiros cristãos on-line depois de formar o Stoner Jesus foi igualada à quantidade de ódio que recebeu de fiéis, que a perseguiram através de blogs, mídias sociais, e-mails e telefonemas.

Leia mais: “Não vou dizer que Deus é maconheiro. Mas ele é cannabista”, diz padre

“Houve alguns comentários perturbadores na minha página do Facebook — pessoas me chamando de herege, dizendo que eu iria para o inferno, muito vitriólico”, lembra ela. “Uma era uma ameaça de morte muito gráfica, colocando uma recompensa de US$ 10.000 na minha cabeça. Depois disso, desativei o site e tentei limpar meu número de telefone e endereço da internet”.

Desde então, Button relançou o site, mas ela é cuidadosa com quem compartilha seu endereço residencial. Enquanto seus inimigos online agora estão confinados a uma tela de computador, ela ainda precisa enfrentar os olhos de desaprovação de seus colegas suburbanos.

“Meus vizinhos me disseram como estão com medo agora que não conseguem mais manter suas portas destrancadas”, diz ela. “E eu fico tipo ‘É um estudo bíblico doido!’ Eu acho que eles não gostam da aparência das pessoas que vêm aqui — é uma multidão muito diversa. Eles tiram fotos de todos que vão e vêm”.

Button é muito protetor com a comunidade que ela criou com Stoner Jesus. Como Giesbrecht, ela foi forçada a abandonar a rede social que havia formado na igreja quando decidiu se tornar pública sobre o uso de maconha — embora, ao contrário dele, nunca tivesse experimentado maconha antes de 2015.

Antes disso, Button se encaixava no perfil da soccer mom de ‘sangue vermelho’, totalmente americana e fortemente conservadora. Apesar de ser uma cristã ao longo da vida que criou seus dois filhos em uma igreja evangélica, Button diz que ela viveu toda a sua vida sem nunca experimentar a agitação emocional da presença de Deus que seus colegas pareciam ter todos os domingos. “Eu estava muito sozinha em minha fé”, ela confidencia.

Sentindo-se cada vez mais desconectada das pessoas em sua igreja, Button ansiava por uma comunidade espiritual com a qual pudesse se relacionar. Na mesma época em que ela começou a se afastar da igreja, Button e seu marido se divorciaram, enviando-a para uma espiral de depressão e enxaqueca. Para ajudar com suas dores de cabeça, a amiga de Button recomendou que ela experimentasse um comestível de cannabis. No passado, Button poderia ter recusado, mas com sua vida virada de cabeça para baixo, ela estava disposta a tentar qualquer coisa.

“Foi como um despertar”, lembra Button de sua primeira experiência com cannabis. “Isso me concentrou no momento e minha preocupação começou a desaparecer. Tudo o que importava era o amor que eu estava sentindo naquele momento. Isso me deu um sentimento de temor e admiração pela criação de Deus — o sentimento que todos disseram que eu deveria sentir na igreja. De repente, me senti traída pela igreja”.

Button ficou impressionada com o poder espiritual da cannabis e ela logo começou a centrar sua vida em torno da experiência. Se ela não estivesse vivendo no estado de bandeira da legalização na era da internet, Deb Button poderia ter sido condenada à vida de isolamento que ocorre com a maioria dos cristãos chapados. Mas bastava algumas postagens no MeetUp e Craigslist e, de repente, ela teve a comunidade de buscadores espirituais que sempre desejara — em sua própria sala de estar!

É importante, para Button, que Stoner Jesus nunca assuma as armadilhas de um culto na igreja. Em vez disso, continua sendo uma hora social informal, onde os cristãos podem discutir a Bíblia enquanto desfrutam da elevação de um bom baseado.

“Não há nada sobre igreja na Bíblia”, diz Button. “Eu acho que, para muitas pessoas, ela sobreviveu a seu propósito. Nunca senti nada orando na igreja. Mas orar com um amigo no quintal — isso é pessoal”.

Os dois círculos que se cruzam e compõem o diagrama de Stoner Jesus Venn — religião e erva — podem se dividir em muitas visões opostas. Católicos, mórmons, batistas e pessoas de várias outras denominações estão frequentemente presentes, e nem todos eles consomem maconha com a mesma intenção. Muitos são usuários recreativos, mas Geisbrecht usa maconha apenas medicinalmente. Ele diz que não experimenta o mesmo nível sobrenatural que Button experimenta. Mas Button explica que seus momentos de lazer e espirituais são experiências muito diferentes, como a diferença entre vinho sacramental e uma dose de tequila.

Se o uso de cannabis é ou não parte integrante de sua espiritualidade, o fato de os membros de Stoner Jesus poderem discutir essas diferentes abordagens e experiências em público, com pessoas que podem ser estranhas, em um lugar de escritura e oração, representa uma oportunidade de desenterrar o que muitos chapados cristãos fazem em particular há décadas. E isso só pode levar outros como eles, vivendo em comunidades cristãs mais repressivas e não legalizadas, a rejeitar a vergonha e o isolamento que lhes são entregues pelos líderes da igreja e a começar a se identificar com orgulho como marcadores de Cristo.

Leia também:

Freiras ganham milhões com produtos de maconha e exportam até ao Brasil

#PraCegoVer: em destaque, fotografia que mostra uma pequena bíblia entreaberta, com texto em inglês, junto a uma porção de buds de maconha. Imagem: High Times.

lazy placeholder Stoner Jesus: grupo de estudo bíblico combina fé e maconha

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!