O último guerreiro antidrogas: Sheldon Adelson foi o último bilionário na luta contra a legalização da maconha nos EUA

sheldon adelson O último guerreiro antidrogas: Sheldon Adelson foi o último bilionário na luta contra a legalização da maconha nos EUA

O magnata se tornou um fervoroso proibicionista das drogas, e viveu o suficiente para saber que a guerra contra a cannabis foi vencida. Saiba mais sobre esse capítulo de fracasso da guerra às drogas no artigo de Chris Roberts para a Forbes

Sheldon Adelson, o bilionário magnata dos cassinos e megadonor republicano que morreu na noite de segunda-feira (11) aos 87 anos, deixou uma marca indelével na política estadunidense.

Adelson foi um dos primeiros americanos ultrarricos a canalizar oceanos de dinheiro por meio de “superPACs” (comitês de ação política) para influenciar políticas e eleições, e um dos mais eficazes. Mais tarde na vida, Adelson se tornou um fervoroso proibicionista das drogas — uma opinião que ele sustentava pelo menos em parte por causa da tragédia pessoal — e, quando a opinião pública se voltou contra a guerra às drogas, a última tranche confiável de dinheiro para os oponentes da legalização da maconha aproveitarem.

gravital O último guerreiro antidrogas: Sheldon Adelson foi o último bilionário na luta contra a legalização da maconha nos EUA

Mas depois de queimar milhões em esforços fracassados ​​para derrotar as iniciativas eleitorais de cannabis em 2016, Adelson e sua esposa, Miriam, uma médica, desistiram.

Para qualquer um que tentasse encontrar dinheiro para vencer a maré da reforma das políticas de drogas, aquele foi o fim de uma era. Para qualquer um que se oponha à guerra às drogas, foi o fim do começo.

Desde que os Adelsons deixaram o campo, até o momento, ninguém mais — nem um magnata com renda disponível, nem um lobby político ou um interesse corporativo em produtos farmacêuticos — tentou preencher a lacuna. Desde então, as campanhas políticas para legalizar a cannabis não encontraram oposição bem financiada.

Leia também: Por que a legalização da maconha não acabou com o fanatismo antidrogas

Acesse Pufflife.com.br

Se algum financiador político ainda tiver a pretensão de se opor à legalização da psilocibina ou à expansão da indústria da maconha nos EUA, o mesmo precisará ir para a base ou tentar iniciar seu esforço sozinho. E, como o último ciclo eleitoral demonstrou, não há como vencer dessa maneira.

No dia da eleição — na mesma noite em que a presidência dos EUA foi conquistada por Joe Biden, contra quem os Adelsons gastaram US$ 75 milhões em 2020 tentando derrotar, de acordo com os arquivos da Comissão Eleitoral Federal — os eleitores de cinco estados aprovaram medidas de legalização da maconha. A erva venceu no Mississippi e em Dakota do Sul, onde os eleitores foram os primeiros a pular completamente a cannabis medicinal e ir direto para a legalização do uso adulto.

A legalização da cannabis varreu o campo, em parte por que os oponentes só podiam reunir uma oposição simbólica. Em todo os EUA, os defensores da política antidrogas só arrecadaram um fio de cabelo acima de US$ 1 milhão.

Os Adelsons, que financiam dois centros de tratamento para transtorno por uso de opioides por meio de sua fundação de caridade, um em Las Vegas e outro em Israel, entraram no mundo da reforma das políticas de drogas relativamente tarde. Apesar de seus gastos — enormes para o americano médio, uns trocados para um casal que mora em uma casa de 4.000 metros quadrados com 20 banheiros —, não conseguiram realizar muito.

Em 2014, um advogado de defesa da Flórida aplicou US$ 4 milhões para colocar a maconha medicinal como iniciativa eleitoral nas eleições. Adelson entrou no jogo e investiu US$ 5 milhões para derrotá-lo — 85% do dinheiro que o PAC Flórida Livre de Drogas arrecadou para tentar barrar o acesso à cannabis medicinal.

Marijuana: como o racismo e a xenofobia moldaram a história da guerra às drogas nos EUA

Em 2016, os Adelsons doaram um total de US$ 9 milhões para organizações que se opõem à maconha para uso adulto ou medicinal em quatro estados, de acordo com a Ballotpedia. Tudo isso acabou sendo uma perda de apostas.

Califórnia e Massachusetts legalizaram a cannabis para uso adulto. A Flórida (finalmente) legalizou a maconha medicinal. Apenas no Arizona um esforço apoiado por Adelson para derrotar a legalização teve sucesso. Como na Flórida, Adelson ganhou apenas um breve atraso.

Sem Adelson ou qualquer outro patrocinador com grandes bolsos, no ano passado, um “quem é quem” dos conservadores do Arizona poderia arrecadar apenas uma fração do que uma única empresa de cannabis pagou para legalizar, e perder facilmente. E esse foi o esforço mais bem financiado. Em Nova Jersey, provavelmente o maior prêmio de todos, a campanha pró-legalização não teve nenhuma oposição organizada.

Lutar contra a legalização da cannabis é uma aparência estranha para um jogador poderoso do século 21 em Las Vegas, onde a indústria legal de maconha está prosperando e a cannabis está se tornando parte do tecido da Sin City tanto quanto chefs famosos, Celine Dion e caça-níqueis.

O maior investimento de Adelson na guerra às drogas foi na mídia. Depois que Adelson comprou o Las Vegas Review-Journal por US$ 140 milhões em 2015, o jornal cancelou seu endosso da medida de legalização de 2016 em Nevada.

Leia também: Guerra às drogas perde nos EUA

Por que Adelson, que ganhou bilhões construindo os cassinos com a marca veneziana em Vegas e também em Macau, odiava tanto a maconha? Por que ele passaria anos acreditando na teoria obsoleta e explodida de que a cannabis era uma porta de entrada para as drogas?

Nem Sheldon nem Miriam Adelson jamais explicaram exatamente por que se contentaram em queimar milhões tentando derrotar a legalização. “É uma paixão pessoal deles”, disse Andy Abboud, vice-presidente da Adelson’s Las Vegas Sands Corporation, à Associated Press em 2014.

O casal poderoso era um “gigante adormecido” que a “disseminação” da maconha “despertou”, acrescentou Abboud.

A razão mais provável para a oposição de Adelson é que o pessoal era político. Adelson perdeu um filho por overdose de drogas em 2005. Um segundo filho supostamente sofria de vício e se afastou, segundo o Washington Post.

A ideologia decorrente da tragédia pessoal foi a teoria oferecida pela NORML sobre o motivo pelo qual Sheldon Adelson emitiu cheques para manter a cannabis ilegal — e por que Miriam Adelson, ainda no ano passado, chamou a cannabis de “porta de entrada” para os opiáceos e pediu uma “repressão” à erva legal.

Os investimentos de Adelson geralmente geravam retornos. A política dos Estados Unidos para o Oriente Médio sob o presidente Donald Trump refletia a sua própria — e eles doaram generosamente a Trump. Mas se eles pediram ao presidente para fazer algo sobre a indústria de cannabis nos EUA, cujo valor eclipsou a fortuna de Adelson, Trump não deu atenção.

Adelson será sepultado hoje em Israel, onde ele e sua esposa mantiveram residência e cidadania (e onde também há uma próspera indústria de cannabis, um fato da vida israelense moderna com o qual Adelson parecia satisfeito em conviver). E Miriam Adelson, que um perfil da revista New York de 2015 sugeriu ter ambições políticas mais amplas do que seu marido, continua viva e ativa na política conservadora tanto nos Estados Unidos quanto em Israel, onde ela é dona do segundo maior jornal do país.

O dinheiro de Adelson quase certamente financiará causas conservadoras nos próximos anos. Lutar contra a legalização da maconha não parece ser uma delas. A guerra cultural contra a erva foi vencida. E Sheldon Adelson viveu o suficiente para saber disso.

Leia também:

Fim da guerra às drogas: EUA e México têm a oportunidade de encontrar um novo caminho

#PraCegoVer: em destaque, fotografia em primeiro plano de Sheldon Adelson. Imagem: Yahoo Finance.

smokebuddies logo2 O último guerreiro antidrogas: Sheldon Adelson foi o último bilionário na luta contra a legalização da maconha nos EUA

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!