Não houve aumento dos acidentes de trânsito após legalização da cannabis no Canadá, diz estudo

baseados buds Não houve aumento dos acidentes de trânsito após legalização da cannabis no Canadá, diz estudo

Cinco anos de dados pré e pós-legalização, nas províncias canadenses de Alberta e Ontário, mostram “nenhuma evidência de mudanças significativas”, após a regulamentação da maconha para uso adulto no país. Com informações do The Growthop

Nem Ontário nem Alberta — de longe, províncias líderes em número de lojas de cannabis no país — testemunharam um aumento significativo nas visitas a serviços de emergência por ferimentos relacionados ao trânsito desde a legalização da cannabis, três anos atrás.

A implementação do Ato da Cannabis não foi associada a evidências de mudanças pós-legalização significativas nas visitas ao departamento de emergência em decorrência de acidentes de trânsito em Ontário ou Alberta entre todos os motoristas ou motoristas jovens, em particular”, observa o novo estudo canadense na Drug and Alcohol Dependece.

site sb Não houve aumento dos acidentes de trânsito após legalização da cannabis no Canadá, diz estudo

 

 

 

 

Publicado na semana passada, os pesquisadores procuraram obter números consistentes depois que alguns expressaram preocupação sobre como a legalização da cannabis para uso adulto poderia influenciar nos acidentes em estradas, particularmente no que diz respeito a jovens condutores.

Leia também: Nível de THC no organismo não é indicador confiável de comprometimento por maconha

Para chegar a números concretos, os pesquisadores consideraram os acidentes de trânsito semanais em todos os departamentos de emergência em Ontário e Alberta desde o início de abril de 2015 (três anos antes da legalização) até o final de 2019. Os participantes foram divididos por província em dois grupos: todos os motoristas e os de 14 a 17 anos em Alberta e de 16 a 18 em Ontário.

“Não houve evidência de mudanças significativas associadas à legalização da cannabis nas contagens semanais pós-legalização de visitas ao departamento de emergência relacionadas a acidentes de trânsito”, apontaram os pesquisadores.

Comparando os períodos pré e pós-legalização, eles descobriram especificamente que o número de visitas semanais ao departamento de emergência por acidentes de trânsito em Alberta aumentou apenas 9,17 entre todos os motoristas e diminuiu 0,66 visita entre o grupo de jovens motoristas.

A contagem de visitas semanais ao departamento de emergência em Ontário foi um pouco mais pronunciada, com o total aumentando em 28,93 entre todos os motoristas e apenas 0,09 entre motoristas jovens.

Pesquisas envolvendo direção e cannabis estão recebendo cada vez mais atenção nos últimos tempos. Pesquisadores australianos concluíram recentemente que “os riscos para a segurança no trânsito associados à cannabis medicinal parecem semelhantes ou menores do que os de vários outros medicamentos de prescrição potencialmente prejudiciais”.

Dirigir sob efeito de maconha é mais seguro do que dirigir sob a influência de drogas prescritas

E outro estudo australiano sugeriu que o uso de CBD não prejudica o desempenho ao dirigir e o consumo de quantidades moderadas de THC produz apenas um comprometimento leve que dura até quatro horas.

Ainda assim, os estudantes canadenses com uma visão mais tranquila da maconha parecem ter mais probabilidade de consumir e dirigir do que outros em sua faixa etária. Na verdade, um pouco mais de 10% dos motoristas em idade escolar em Ontário admitiram ter dirigido uma hora depois de usar maconha no ano passado.

Outro estudo canadense publicado recentemente explorando as visitas ao departamento de emergência — embora relacionado à intoxicação por maconha em um único serviço de emergência em Hamilton, Ontário — descobriu que o tratamento para a intoxicação aguda por cannabis aumentou entre os jovens de 18 a 29 anos, mas não no geral.

Esses números diferem consideravelmente de um estudo realizado no Colorado (EUA), onde a cannabis para adultos é legal desde 2014.

A Associated Press relatou em março de 2019 que as visitas ao departamento de emergência relacionadas à maconha em um hospital de Denver testemunharam um aumento de três vezes antes e depois da legalização. Os investigadores dessa pesquisa apontaram a cannabis inalada e os comestíveis infundidos com maconha como os dois principais culpados por sintomas que vão de vômitos a corações acelerados.

Leia mais:

Amazon incentiva parceiros de entrega a não fazerem testes para maconha

#PraTodosVerem: fotografia de dois baseados apertados e, ao lado, um recipiente de vidro contendo buds secos de cannabis, sobre uma superfície preta, em fundo branco. Imagem: 2H Media / Unsplash.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!