Saiba como potencializar as suas receitas com concentrados cannábicos

 Saiba como potencializar as suas receitas com concentrados cannábicos

Cozinhar com concentrados como kief, haxixe e Rosin abre um novo mundo de receitas que podem ser infusionadas com maconha

Tem gente que pensa que só dá pra cozinhar com flores ou prensado, mas a verdade é que como a maconha é muito versátil, podemos usar também os concentrados. Diversas dessas receitas levam uma quantidade considerável a menos gordura do que aquelas que utilizam infusões feitas com flores ou aparas, uma consideração importante para quem está tentando reduzir calorias ou limitar gorduras. Sabemos que a cannabis metaboliza melhor com um pouco de gordura, mas quando você cozinha com concentrados, você elimina a necessidade de adicionar óleo ou manteiga extra para obter uma dose adequada.

Além disso, é uma excelente maneira de infusionar as receitas com potência sem adicionar o sabor de clorofila, que desagrada a algumas pessoas. Vira e mexe eu recebo mensagens me perguntando como faz pra tirar o sabor “herbal” dos alimentos e isso é, sim, possível, depende muito da técnica escolhida na extração.

site sb Saiba como potencializar as suas receitas com concentrados cannábicos

Mas, antes de seguirmos, vamos falar dos concentrados mais conhecidos pelos maconheiros aqui no Brasil:

Kief é uma substância pulverulenta composta de glândulas resinosas ou tricomas da planta da maconha. O pó pode variar de pouco pegajoso a bem pegajoso, dependendo da planta e da linhagem.

giftrimbim1 Saiba como potencializar as suas receitas com concentrados cannábicos

Hash é o kief que foi aquecido e prensado. Ele pode variar de dourado a verde escuro ou marrom na cor. Já a sua textura pode ser seca e quebradiça ou até pegajosa, semelhante a uma massa.

Rosin é uma extração de maconha feita através de calor e pressão, onde se recolhe a resina das flores sem uso de solventes.

Hash, kief e Rosin são conhecidos como concentrados de cannabis porque levam a parte da planta que contém os canabinoides na forma mais pura, sem a presença da matéria orgânica da cannabis. Em termos práticos, isso significa muito menos sabor de maconha no alimento finalizado.

Os concentrados podem ser usados em qualquer receita, mas lembre-se que são concentrados, hehehehe. Ou seja, a potência é muito maior que a das flores, já que além da resina, elas levam também matéria vegetal. É claro que a potência de cada concentrado varia de acordo com a qualidade da planta.

Como já falei no artigo sobre como colocar maconha na alimentação, se você quiser a potência máxima da erva, deve descarboxilar antes de utilizar os canabinoides em uma infusão culinária. Portanto, não pule essa etapa antes de cozinhar com concentrados cannábicos!

Uma pergunta muito comum que me fazem é: “Como descarboxilar uma quantia pequena?”. É mega possível, nem todo mundo faz preparos com quantidades exorbitantes de erva, então mesmo que tenha pouco aí, não deixe de fazer.

Coloque em um pequeno prato de silicone ou em um pequeno pote de vidro (como um pote de comida para bebê ou geleia) e depois leve ao forno a 120ºC por cerca de 1 hora. Forre a forma com pano de prato ou papel manteiga para proteger o vidro ou pote te silicone da temperatura da forma, e use o vidro ou pote de silicone fechados pra evitar que os terpenos se percam na câmara do forno.

Leia também: Que partes da planta devo utilizar na culinária cannábica?

Pra mim, um dos óleos mais saborosos são aqueles em que uso kief de gelo seco descarboxilado. Acho o sabor mais puro e suave e em geral eu gosto de fazer a ingestão dessa preciosidade de maneira sublingual. Também adiciono em legumes e verduras crus para realçar o sabor o óleo de kief, fica incrível!

O kief de gelo seco é o concentrado mais fácil para os cozinheiros domésticos, rola fazer em casa. É também um dos concentrados mais fáceis para se utilizar nas receitas.

A textura dos concentrados pode variar muito, mas em geral quando queremos fumar um concentrado o melhor é ter uma textura mais pegajosa. Já para fins culinários, o material seco, quebradiço e em pó é muitas vezes melhor de trabalhar, porque é fácil de moer, o que permite misturar o pó fino em todos os tipos de alimentos, algo impossível de fazer com o tipo pegajoso de concentrado.

Se você planeja dissolver o concentrado em um líquido quente, no entanto, qualquer um dos tipos funcionará bem.

Como em qualquer comestível de maconha, para fazer uma infusão com concentrado você precisa de uma base gordurosa ou alcoólica. Se você quiser adicionar o concentrado a um alimento sem gordura, certifique-se de acompanhar a comida com outro prato que contenha alguma gordura, ou regue com um copo de leite, creme de leite ou abacate, por exemplo, para obter um efeito máximo.

A outra consideração ao cozinhar com qualquer tipo de cannabis é a temperatura. Lembre-se de que o THC evapora em temperaturas acima de 170ºC. Você pode cozinhar em temperaturas mais altas do que isso, contanto que a temperatura do alimento em si não fique tão alta.

Nesse vídeo do meu canal do Youtube.com/Lilica420, fiz junto com o Ricardo Petraglia um extrato cannábico com resíduos do Rosin! Sim, resíduos! São as flores já prensadas, mas ali ainda há uma presença considerável de canabinoides e é possível conseguir uma infusão bem potente. Como eu sempre falo: Não vamos desperdiçar nada!

No meu feed do Instagram tem mais informações sobre esse assunto, então se não me segue ainda, já aproveita e clica aqui.

Leia também:

Terpenos: o que são e como usá-los na culinária cannábica?

#PraCegoVer: Detalhe macro mostra uma pequena porção de concentrado de cannabis em uma ferramenta metálica pontiaguda, sobre recipiente de vidro. Imagem: Divulgação | Lilica 420.

lilica420 150x150 Saiba como potencializar as suas receitas com concentrados cannábicos

Sobre Lilica 420

A Lilica cresceu dentro da cozinha do restaurante de sua família. São 40 anos de experiência culinária, aprendendo ao lado de diferentes cozinheiros várias técnicas, receitas e preparos. Quando ela descobriu que conseguia unir todo esse conhecimento à outra paixão de sua vida - a maconha - começou a cultivar, viajou para países legalizados, fez cursos, leu livros e aprendeu, na teoria e na prática, tudo sobre culinária cannabica. Agora, ela compartilha seu conhecimento, conquistado em anos de estudo, para que outras pessoas também passem a colocar maconha na alimentação. Principalmente, de maneira segura e saudável.
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!