Quem são os pacientes de cannabis medicinal na Europa?

torre do relogio Quem são os pacientes de cannabis medicinal na Europa?

O mercado europeu de cannabis para fins medicinais ainda está em sua infância, com muito trabalho a ser feito antes que o acesso do paciente alcance os níveis observados na América do Norte. Saiba mais com as informações da Prohibition Partners

Para melhor servir à população de pacientes de cannabis medicinal na Europa, os operadores precisam compreender quem são os pacientes e por que confiam nesses medicamentos.

Além das análises fornecidas em seu recente relatório European Cannabis Report, a Prohibition Partners reuniu dados de pacientes europeus de cannabis medicinal de agências governamentais nacionais e grupos de pesquisa independentes para investigar estatísticas de alto nível sobre pacientes que recebem prescrição de cannabis medicinal. Uma das principais fontes de dados na Europa é o Project Twenty21, administrado pela Drug Science no Reino Unido, que é um registro de pacientes que “visa criar o maior corpo de evidências do Reino Unido para a eficácia e tolerabilidade da cannabis medicinal”, para facilitar o acesso do paciente e posteriormente publicar dados anônimos.

site sb Quem são os pacientes de cannabis medicinal na Europa?

Leia mais: Mais de 30 milhões de pessoas consumiram cannabis na Europa no último ano

A Prohibition Partners conversou antecipadamente com a Dra. Anne Katrin Schlag, chefe de pesquisa da Drug Science, sobre os dados de uma próxima publicação sobre pacientes do Reino Unido no Journal of Psychopharmacology. Ela explicou que:

“Nossa população de pacientes compreende uma grande faixa etária (mais ou menos de 18 a 80 anos). Suas taxas consistentemente altas de comorbidade e baixa qualidade de vida demonstram como muitos deles estão indispostos. Portanto, quaisquer estereótipos de usuários de cannabis medicinal como sendo usuários recreativos saudáveis ​​na casa dos 20 e que procuram uma fonte legal não poderiam estar mais longe da verdade.”

A Drug Science também forneceu algumas informações atualizadas sobre o Reino Unido para a análise a seguir.

Indicações

A cannabis medicinal mostra-se promissora no tratamento de uma ampla gama de condições, sendo um modulador do sistema endocanabinoide e tendo um perfil anti-inflamatório seguro e eficaz. Embora os medicamentos canabinoides sejam aprovados para um conjunto limitado de condições, por exemplo, Epidiolex para epilepsias raras, médicos e pacientes usam esses medicamentos para cobrir muitas outras condições.

Os produtores de cannabis medicinal para o mercado europeu devem tomar nota das condições para as quais a cannabis é prescrita no continente. As necessidades dos pacientes variam amplamente de acordo com a condição, por exemplo, onde CBD/Epidiolex® é útil para pacientes epiléticos, o THC é mais útil para a redução de náuseas. Abaixo estão as indicações para as quais os produtos de cannabis medicinal são prescritos por país.

Mercado legal de cannabis na Europa deve valer 3,2 bilhões de euros até 2025

A dor é, de longe, a razão mais comumente citada para os médicos prescreverem cannabis medicinal. A dor crônica afeta até 1 em cada 3 pessoas nos países desenvolvidos, geralmente definida como dor que ocorre na maioria dos dias ou todos os dias durante seis meses. As tendências europeias são comparáveis ​​às da América do Norte, pois a cannabis medicinal é mais frequentemente prescrita para a dor. Isso também é verdade no Reino Unido, de acordo com dados fornecidos pela Dra. Anne Katrin Schlag:

“Os distúrbios de dor e ansiedade são os dois distúrbios mais comuns em mulheres e homens; as mulheres são mais propensas a relatar uma condição primária de dor crônica (61,5% vs 51%), enquanto os homens são mais propensos a relatar transtornos de ansiedade (38% vs 23,8%)”.

Os pacientes de cannabis medicinal que buscam tratar a dor diferem em suas necessidades, dependendo da intensidade da dor e da frequência de uso. De modo geral, os pacientes com dor preferem medicamentos canabinoides com quantidades altas e balanceadas de THC e CBD, com consumidores de alta frequência preferindo THC alto e CBD mais baixo. Isso se reflete nos tipos de cannabis medicinal atualmente disponíveis na Europa, com a maioria dos países tendo uma gama mais ampla de medicamentos com alto teor de THC e THC:CBD balanceado do que apenas com alto teor de CBD.

Demografia

A idade média dos pacientes de cannabis medicinal na Europa é semelhante à da população de pacientes norte-americanos, embora um pouco mais velha. No maior mercado da Europa, Alemanha, a idade média dos usuários de cannabis medicinal no país é 54. A Dinamarca e a Itália são notáveis ​​por terem uma população de pacientes maduros de cannabis medicinal com uma média de 57 e 58 anos, respectivamente. Os primeiros dados do Project Twenty21 indicam que os grupos de pacientes no Reino Unido são um pouco mais jovens do que em outros países europeus, com uma idade média de cerca de 39 anos.

Leia mais: Governo suíço divulga detalhes sobre esquemas-piloto de cannabis para uso adulto

Sabe-se que pessoas de diferentes grupos etários preferem diferentes produtos de cannabis medicinal. Por exemplo, os dados da pesquisa oficial com pacientes alemães indicam que a idade média dos pacientes de cannabis medicinal que usam maconha in natura (buds) é 46, enquanto no uso do extrato a média é de 57. O Instituto Federal de Drogas e Dispositivos Médicos (BfArM) na Alemanha observou que muitas prescrições de flor de cannabis não são relatadas, o que pode distorcer os dados, já que esses pacientes costumam ser em sua maioria homens e um pouco mais jovens do que pacientes que usam outros produtos.

Gênero

Os dados sobre o gênero dos pacientes de cannabis medicinal na Europa sugerem que o equilíbrio é mais uniforme entre homens e mulheres do que na América do Norte, onde a população de pacientes é majoritariamente masculina. Nos Países Baixos e na Alemanha, a divisão de gênero não é grande. A Dinamarca e a Itália são notáveis ​​por suas populações de pacientes, com uma grande maioria feminina de 62% e 63%, respectivamente. De acordo com os dados do Project Twenty21, a população de pacientes do Reino Unido é mais comparável à da América do Norte em termos de equilíbrio de gênero, com uma maioria de 66% do sexo masculino em abril deste ano. A Alemanha e o Reino Unido são os únicos países para os quais estão disponíveis dados sobre pacientes não binários e, até o momento, cerca de 0,1% e 0,6% dos pacientes se identifica como tal em cada país.

Tal como acontece com a demografia, o gênero desempenha um papel na escolha do produto pelo paciente. Na Alemanha, por exemplo, 68% dos pacientes que recebem buds são do sexo masculino, enquanto as mulheres dominam o uso de dronabinol (58%), Sativex® (54%) e extratos (54%), conforme relatado nas pesquisas do BfArM.

Conclusão

Os dados apresentados aqui representam muitos dos dados disponíveis sobre pacientes na Europa. Deve-se notar que os dados representam uma pequena porção da população total de pacientes no continente, com milhões de pessoas ainda se autoprescrevendo cannabis medicinal e grandes faixas de pacientes não sendo incluídas nos dados publicados, como a população da Suíça.

Leia também:

Como as dependências da coroa britânica planejam lucrar com a cannabis

#PraCegoVer: fotografia que mostra o Palácio de Westminster, a Torre do Relógio e outras construções da cidade de Londres, ao fundo, dividindo a linha do horizonte com um céu nublado, bem como parte da ponte Lambeth Bridge e do rio Tâmisa, no primeiro plano. Imagem: Skitterphoto / Pexels.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!