Programa de maconha do Texas (EUA) expande para incluir pacientes oncológicos e com TEPT

buds branco Programa de maconha do Texas (EUA) expande para incluir pacientes oncológicos e com TEPT

Nova lei entrará em vigor em 1º de setembro permitindo que pessoas com transtorno do estresse pós-traumático e portadores de câncer em todos os estágios também tenham acesso à cannabis prescrita. As informações são do Texas Tribune

David Bass voltou para Fort Worth, no interior do estado do Texas, em 2006 depois de servir no Exército, mas às vezes ele sente que ainda está no Iraque.

Após seus 25 anos no exército, o veterano da “tempestade no deserto” de 64 anos teve pesadelos quase todas as noites durante seis anos sobre estar de volta ao campo de guerra.

site sb Programa de maconha do Texas (EUA) expande para incluir pacientes oncológicos e com TEPT

“Ainda tenho a sensação de estar no Iraque”, disse Bass, que agora mora em Killeen. “Posso ouvir o Iraque, posso sentir o cheiro do Iraque. Eu posso ouvir os foguetes explodindo”.

David%20Bass%20CE%20TT%203723 Programa de maconha do Texas (EUA) expande para incluir pacientes oncológicos e com TEPT

#PraTodosVerem: fotografia de David Bass usando chapéu e roupa pretos, uma grande barba branca e, logo abaixo desta, um pingente prateado em forma da folha da maconha, próximo a uma parede de madeira azul-clara. Foto: Cindy Elizabeth / Texas Tribune.

Bass recebeu vários tipos de medicamentos para aliviar sua hipervigilância após ser diagnosticado com transtorno de estresse pós-traumático. Mas esses medicamentos não o ajudaram a dormir. Em vez disso, fizeram com que ele tivesse “emoções planas” — e, eventualmente, pensamentos suicidas.

Só depois de experimentar a maconha é que conseguiu acalmar a cabeça e ter uma boa noite de sono. Mas, uma vez que o programa de cannabis medicinal do Texas é restrito a pessoas com distúrbios neurológicos ou câncer terminal, Bass teve que obter maconha ilegalmente durante anos.

Leia mais: Além da Covid-19: para veteranos de guerra com TEPT a maconha é essencial

A partir de 1º de setembro, no entanto, o Programa de Uso Compassivo do Texas se expandirá para incluir pessoas com TEPT e câncer em todos os estágios, permitindo que os pacientes com essas condições usem “cannabis com baixo teor de THC”.

O tetraidrocanabinol, ou THC, é o componente das plantas de maconha que causa efeitos psicológicos, incluindo uma sensação de êxtase. Pode ser consumido de várias maneiras, como fumar, ingerir cápsulas e consumir comestíveis e óleos. Tudo, exceto fumar, será permitido para as pessoas às quais o programa se aplica.

O THC afeta a amígdala cerebelar, o “centro do medo no cérebro”, de acordo com o Dr. Muhammad Assad, um bolsista de psiquiatria do Centro de Ciências da Saúde da Universidade de Tecnologia do Texas.

A maconha “diminui a hiperexcitação e a hipervigilância dos veteranos”, disse Assad. “Por virem de uma situação traumática, ficam muito vigilantes, ficam muito excitados, estão sempre prontos para os desafios. Então a maconha medicinal os acalma. Também diminui os pesadelos”.

Quanto aos pacientes com câncer, o THC alivia principalmente os efeitos colaterais da quimioterapia, como náuseas, perda de apetite e dores no corpo.

Saiba mais: Como a cannabis pode ajudar no tratamento do câncer?

Bass geralmente fuma cerca de meio grama de inflorescência de cannabis duas vezes por dia — de manhã para relaxar sua ansiedade e novamente à noite, pouco antes de cair no sono. Mas a lei do Texas proíbe o uso fumado de maconha. A vaporização e outros meios são permitidos.

Então, a partir de setembro, Bass disse que ele e outros veteranos vão testar os óleos e comestíveis por meio do programa por cerca de três meses para ver se eles funcionam da mesma maneira que fumar.

“Estamos ansiosos para experimentar este medicamento e ver se funciona”, disse ele.

Bass era oficial de comunicações no Iraque e disse que o prédio em que trabalhava era o alvo dos rebeldes do país na época. Explosivos foram lançados de forma imprevisível acima e ao redor dele por um ano, fazendo com que tenha “sonhos em que eu estava sob ataque bem aqui em minha casa”, disse ele.

A maconha “me ajudaria a organizar meus pensamentos e a perceber que não preciso ser tão hipervigilante e paranoico”, disse Bass. “Isso me traria de volta à terra.”

EUA: importante comitê do Senado aprova expansão do acesso à maconha para veteranos

O programa de cannabis do estado atendeu a menos de 6.000 pessoas até maio, e a nova lei se expandirá para incluir veteranos com TEPT como Bass e os cerca de 114.000 texanos com câncer, de acordo com o Departamento de Serviços de Saúde do Estado do Texas.

A taxa de TEPT entre os veteranos que serviram durante as guerras do Iraque e Afeganistão foi de cerca de 13,5%, embora alguns estudos sugiram que a taxa chegue a 30%. Cerca de 500.000 soldados estadunidenses que serviram nas guerras foram diagnosticados com o transtorno de saúde mental.

A nova lei do Texas não apenas expandirá o programa de cannabis do estado, mas dobrará a porcentagem de THC permitida nos produtos para 1%. A lei é uma versão muito mais restrita do que a versão escrita pela representante estadual Stephanie Klick (R), que inicialmente foi aprovada pela Câmara do Texas. Essa versão do projeto buscava elevar o limite de THC para 5%, ainda muito inferior ao autorizado para uso medicinal em outros estados, e permitir a participação de quem sofre de dores crônicas.

Jax Finkel, o diretor executivo da seção do Texas da Organização Nacional para a Reforma das Leis da Maconha, ou NORML, disse que a aprovação da nova lei é uma vitória para os defensores da maconha. Mas, disse ele, ainda há muito pelo que lutar.

Os defensores estão pressionando para aumentar o limite de THC do programa estadual porque isso reduzirá a quantidade de óleo veicular que compõe o medicamento à base de maconha.

“As pessoas continuarão consumindo a mesma quantidade de THC — será apenas uma pequena quantidade de óleo veicular”, disse Finkel.

Leia também: Óleo vs. tintura de cannabis: qual é a diferença?

Consumir muito óleo veicular pode causar uma variedade de efeitos colaterais, como problemas gastrointestinais. Esse é o caso de Blake, filho do ex-jogador de futebol americano do Dallas Cowboy, Jay Novacek.

Jay e Amy Novacek têm sido partidários fervorosos de elevar o limite de THC do estado desde que seu filho Blake recebeu cannabis há anos para controlar suas convulsões e enxaquecas. Mas como a cannabis medicinal de Blake tinha mais de 90% de óleo veicular, ele sofria de problemas gastrointestinais.

Em um vídeo do Facebook, os Novaceks disseram que seu filho essencialmente tem que escolher entre ter convulsões ou problemas de estômago todos os dias.

“Não se trata de pessoas ficando chapadas, mas de pessoas que precisam de remédios”, disse Amy Novacek.

Finkel disse que há muitos outros como Blake que viram os graves efeitos colaterais de tomar grandes quantidades de óleo veicular.

A última vez que o programa de uso compassivo foi expandido, para incluir doenças neurodegenerativas como Alzheimer e Parkinson, foi em 2019, e atualmente existem três empresas licenciadas para produzir e vender cannabis prescrita medicamente no Texas: Fluent, Compassionate Cultivation e Surterra Texas.

Leia mais: Lojas do Texas distribuem CBD gratuito para ajudar a reduzir o estresse na Covid-19

O Texas é um dos 36 estados que permitem o uso de maconha para fins medicinais, de acordo com a Conferência Nacional de Legislaturas Estaduais dos EUA.

“Como [o programa] foi tão restrito por tanto tempo, muitos pacientes foram forçados a ir para os estados vizinhos ao redor do Texas, que têm programas médicos robustos, para obter acesso à planta”, disse Finkel. “E, de fato, muitos pacientes tiveram que deixar o estado permanentemente para ter acesso — refugiados médicos.”

Uma pesquisa conduzida pelo Instituto Baker de Políticas Públicas da Universidade Rice descobriu que 84% dos quase 3.000 entrevistados que estavam usando maconha medicinal disseram que consideraram deixar o Texas por um estado com um programa de cannabis mais inclusivo.

Finkel disse que a expansão do programa de maconha medicinal do estado não apenas manterá os pacientes no Texas, mas os ajudará a ter acesso à maconha segura e regulamentada.

“Quando você compra por meio do mercado ilícito, você não sabe necessariamente o que está comprando”, disse Finkel.

Barbara Bevill, de Wylie, foi diagnosticada com câncer de mama em 2014, quando 11 tumores foram encontrados em sua mama esquerda. Ela suportou 18 meses de quimioterapia, 33 rodadas de radiação e uma grande cirurgia invasiva.

Bevill consumiu maconha durante sua luta contra o câncer e disse que a planta não só a ajudou a manter o apetite, como também é a razão pela qual ela conseguiu manter a esperança. Mas como era ilegal, ela quase sempre conseguia maconha por meio de amigos. Ela queria saber os detalhes do que estava consumindo, mas disse que nunca o fazia por que tomava o que podia.

“Era algo ilegal, algo que eu não consegui acessar”, disse Bevill. “Eu adoraria saber as porcentagens e tudo o que havia nela… mas não era como se eu pudesse ir a um dispensário ou loja para perguntar. Eu peguei o que as pessoas me deram.”

Bevill foi declarada livre do câncer em outubro de 2015, e ela disse que agora há apenas alguns indícios de que ela lutou contra a doença. Ela tem energia para acompanhar seus quatro filhos pequenos e se casou com sua “alma gêmea” em junho.

Ela espera que o limite de THC seja aumentado no futuro, mas está feliz que outras pessoas na mesma posição que ela agora terão acesso à maconha medicinal.

“Consegui me manter ativa mesmo durante a quimioterapia, quando isso drena muitos outros”, disse Bevill. “A quimioterapia tira a vida de você. Eu sinto que a cannabis me permitiu passar por um momento da minha vida em que eu estava perto de morrer”.

Veja também:

Estudo com medicamento de cannabis contra tumores cerebrais avança para fase 2

#PraTodosVerem: fotografia, em plano fechado, de uma porção de buds de maconha secos, em tons de verde e marrom, sobre uma superfície branca lisa, com a luz incidindo da direita. Crédito: Ndispensable | Unsplash.

smokebuddies logo2 Programa de maconha do Texas (EUA) expande para incluir pacientes oncológicos e com TEPT

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!