Produtora de maconha da Califórnia ultrapassa 46 mil metros quadrados de cultivo em estufa

glass house plantacao Produtora de maconha da Califórnia ultrapassa 46 mil metros quadrados de cultivo em estufa

Seguindo uma abordagem conservadora de crescimento sustentável, a empresa se tornou a maior produtora de maconha em estufa da Califórnia (EUA). Saiba mais na reportagem da Forbes, com tradução pela Smoke Buddies

A Glass House Group, a empresa de cannabis por trás de várias marcas de maconha, incluindo a “Forbidden Flowers” da Bella Thorne — com quem eu discuti neste artigo —, além de três dispensários e alguns locais de cultivo, pode ter acabado de se tornar a maior produtora de cannabis em estufa da Califórnia.

De acordo com informações obtidas exclusivamente, a empresa, que anteriormente operava uma área de 14.000 metros quadrados em Santa Barbara, concluiu recentemente suas primeiras colheitas em uma nova estufa localizada na Carpinteria Valley. Com quase 33.000 metros quadrados, a nova instalação leva o espaço total de estufa em operação da Glass House a mais de 46.000 metros quadrados — ou quase dez campos de futebol.

lazy placeholder Produtora de maconha da Califórnia ultrapassa 46 mil metros quadrados de cultivo em estufa

Abaixo, um olhar exclusivo sobre a enorme estufa.

Sem Dívida, Sem Estresse

Durante uma conversa recente, o CEO Kyle Kazan explicou que as estufas da Glass House foram deliberadamente construídas sem adquirir dívidas.

Ele disse que a equipe não queria “apenas ser grande por grandes intentos”, e esse é o princípio que norteou sua abordagem conservadora ao crescimento sustentável sem dívidas.

Em uma extensa partilha, o CEO revisou a longa lista de ativos da empresa e sua posição única como produtor de baixo custo, com capacidade de distribuir seu próprio produto na Califórnia. Não vou aborrecê-lo com detalhes e ostentações corporativas, mas aqui está a essência:

“[Nós] não temos aluguel, não temos dívidas e podemos vendê-la [cannabis] integralmente, da fazenda, da semente, totalmente… e colocá-la nas mãos dos consumidores, incluindo entrega“, disse ele. “Não estou vendo ninguém em posição tão forte quanto nós neste maravilhoso estado, o estado da maconha: a Califórnia.”

Leia: Califórnia (EUA) vai anular 85 mil condenações por maconha

O presidente da Glass House Group, Graham Farrar, gosta de pensar dessa maneira:

“Nós possuímos nossas estufas; nós cultivamos nossa própria flor; nós temos nossa própria equipe que faz o cultivo… Isso alimenta nossas instalações de fabricação e processamento; essas alimentam nossas marcas e essas marcas alimentam nossos dispensários e todos os outros dispensários em todo o estado.”

Portanto, ele observou, toda a cadeia de suprimentos está conectada à Glass House Group. “Não há nenhum componente da cadeia de fornecimento de cannabis que não seja contabilizado”, garantiu. “Nós não assumimos nenhuma dívida. Nós possuímos todos os nossos imóveis. Nós não temos senhorios”.

“Em um mundo em que é uma tendência comum vender todos os seus ativos, para um REIT ou algo assim, e depois alugá-los com taxas de juros loucas, essencialmente fazendo uma hipoteca reversa no seu futuro, adotamos a abordagem oposta, na qual você precisa criar os fundamentos e possuir os ativos para não ter a pressão do tempo que faz com que você aja no curto prazo. Mas, em vez disso, você pode pensar em tudo a longo prazo.”

‘Queimando panquecas’

Operar mais de 45 mil metros quadrados de estufas de cannabis pode não ser fácil. Então, como foi esse processo de rápido escalonamento?

Bem, de acordo com Kazan, as primeiras instalações de 14.000 metros quadrados da Glass House forneceram alguma experiência. A equipe gosta de chamar os estágios iniciais do crescimento da fase da “queima de panquecas”.

“Queimamos muitas panquecas ao aprender a crescer nessa escala”, disse ele. “E lembre-se, enquanto uma fazenda de nozes-pecãs leva nove anos (desde o plantio da árvore de pecã até sua primeira colheita), a maconha pode ser colhida cinco ou seis vezes por ano… Então, você está aprendendo rapidamente… Esse processo levou algum tempo, mas obtivemos muitos dados e muita experiência… Então, tudo o que aprendemos na primeira fazenda, agora estamos colocando em uso nas novas fazendas. E é bastante emocionante, porque acreditamos que vamos operar esse crescimento pelo menos 25% mais eficiente do que a primeira fazenda.”

Mas aplicar esse conhecimento a uma instalação mais do que o dobro do tamanho da primeira da empresa também será um desafio. É um processo de reaprendizado, reconhece Kazan. “Temos que entender esse microclima e essas condições…”.

Leia também:

A maconha dos EUA é padrão ouro, mas a lei federal a mantém fora do mercado global

#PraCegoVer: fotografia (de capa) em vista superior que mostra uma vasta plantação de maconha sob uma estrutura de cor branca, que sustenta o teto em forma de arcos da estufa. Foto: divulgação.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!