Produto brasileiro à base de cannabis sai da prateleira virtual de rede de farmácias

canabidiol prati donaduzzi sai das prateleiras Produto brasileiro à base de cannabis sai da prateleira virtual de rede de farmácias

Sob as regras da Anvisa que entraram em vigor em março, primeiro canabidiol produzido no Brasil estava disponível, na semana passada, por mais de R$ 2.100 nas prateleiras on-line da Drogasil e Droga Raia — grupo informou que não há previsão de comercialização do produto

O laboratório paranaense Prati Donaduzzi foi o primeiro a receber autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para produzir e disponibilizar, de acordo com o marco regulatório recentemente aprovado pela agência, produtos à base de cannabis no Brasil.

Leia também: Anvisa dá 1º passo para desmistificar uso da cannabis, dizem especialistas

lazy placeholder Produto brasileiro à base de cannabis sai da prateleira virtual de rede de farmácias

Nas lojas on-line das farmácias Drogasil e Droga Raia, o frasco de 30 ml de canabidiol (CBD) com concentração de 200 mg/ml estava disponível, na semana passada, em valor promocional: de R$ 2.500 por R$ 2.143,30 cada.

lazy placeholder Produto brasileiro à base de cannabis sai da prateleira virtual de rede de farmácias

#PraCegoVer: captura de tela do site da Droga Raia, onde constava o produto canabidiol 200 mg/ml, com um rótulo, descrição, valor (integral e promocional) e o aviso de que a retirada do produto é realizada somente na loja, com retenção de receita.

Na manhã de segunda (11), porém, o canabidiol não estava mais no resultado das buscas dos sites, tampouco por televenda: funcionárias da rede confirmaram à redação, por telefone, que tal produto não estaria disponível. A assessoria de imprensa da empresa informou por, e-mail, que “até o momento, a RD – RaiaDrogasil não tem confirmada a data para início da comercialização do produto”.

Em resposta à Smoke Buddies, a Prati Donaduzzi declarou que “a venda para este cliente foi realizada”.

“Porém, a disponibilidade do produto por este, seja em loja física ou virtual, é de total liberdade. Não temos relação com as estratégias de vendas de nossos clientes”, completa a assessoria.

Alto custo gera debate

Em posicionamento nas redes sociais, Viviane Sedola, CEO da Dr. Cannabis, anunciou o início das vendas do produto como “mais um capítulo importante da história da cannabis medicinal no Brasil”. Porém, houve forte reação de quem acredita que o alto custo inviabilizaria o acesso à cannabis medicinal no país.

“Foi uma sacanagem o que fizeram, lançaram uma cura com o preço inalcançável“, conta o paciente e ativista Gilberto Castro, detentor do 24º Habeas Corpus de cultivo caseiro no Brasil, à Smoke Buddies.

“Imagina quem precisa disso, o que vai pensar, o que vai querer fazer? Como alguém que ganha R$ 500 por mês vai descolar R$ 2,5 mil? Vamos continuar na busca, e o negócio é continuar incentivando o cultivo, as associações, todas as outras formas em que é possível conseguir a planta. Uma planta que vale ouro“, completa.

A Associação Brasileira de Apoio Cannabis Esperança – Abrace, única associação autorizada pela Justiça a cultivar cannabis no Brasil e a produzir medicamentos a partir da planta, destaca que o registro de um produto pela indústria nacional é, de fato, um “grande marco no cenário da Cannabis medicinal“, mas aponta que o valor pelo qual estava disponibilizado é impraticável para a maioria da população.

“Dificilmente um paciente terá condições de desembolsar 2.500 reais de uma só vez, isso representa mais de 2 salários mínimos em um produto de uso contínuo”, diz Murilo Chaves Gouvêa, farmacêutico P&D na Abrace.

Não tivemos informação de quando o produto estará, de fato, nas prateleiras das farmácias — mas sabemos, porém, que a cannabis medicinal, tal qual regulamentada, continuará, sim, inacessível à grande parcela da população.

Leia também:

Maconha contraria a lógica financeira tradicional da indústria farmacêutica

#PraCegoVer: a imagem de capa é composta por duas fotos, lado a lado, uma da frente e a outra da parte de trás da caixa do produto à base de cannabis, nas cores branca e roxa e tarja preta; detalhe para as compridas unhas dos dedos que a seguram.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!