Anúncio do Talibã sobre produção de haxixe no Afeganistão não tem ligação com empresa australiana, entenda

plantacao afeganistao Anúncio do Talibã sobre produção de haxixe no Afeganistão não tem ligação com empresa australiana, entenda

O Ministério de Assuntos Internos do Afeganistão publicou em sua conta no Twitter sobre a criação de uma fábrica de haxixe no país e, após um veículo afegão vincular erroneamente o fato a uma firma de consultoria médica australiana, a “notícia” percorreu o mundo. Entenda o caso com as informações da Reuters, verificadas e traduzidas pela Smoke Buddies

Uma pequena empresa de consultoria médica australiana foi pega em uma tempestade de publicidade inesperada na quinta-feira depois de ser erroneamente nomeada como concordante com o governo do Talibã no Afeganistão para financiar uma fábrica de processamento de haxixe de $ 450 milhões no país da Ásia Central.

Uma reportagem do Pajhwok Afghan News do Afeganistão disse que representantes da Cpharm com sede na Austrália se reuniram com oficiais antinarcóticos no Ministério do Interior para discutir a produção de remédios e cremes na fábrica, oferecendo o uso legal de cannabis, que é amplamente difundida lá.

gravital sb Anúncio do Talibã sobre produção de haxixe no Afeganistão não tem ligação com empresa australiana, entenda

A reportagem foi divulgada por uma série de veículos globais, incluindo o Times of London, que publicou sua própria história nomeando a empresa australiana. Contas verificadas no Twitter vinculadas à BBC e ao meio de comunicação do Oriente Médio Al Arabybia repetiram a afirmação sobre os australianos.

Mas a Cpharm Australia, uma empresa familiar com 17 funcionários do centro regional de Maitland, nunca falou com o Talibã e não tem negócios no exterior ou envolvendo cannabis, disse a agência à Reuters.

“Estamos apenas tentando descobrir o que faremos para impedir isso”, disse o diretor financeiro da Cpharm Australia, Tony Gabites, por telefone da sede da empresa, localizada a 166 km de Sydney.

“Provavelmente recebemos 40 ou 50 ligações hoje. Está simplesmente fora de controle e é tudo mentira, pessoal da mídia… não fazendo a devida diligência sobre o que eles querem publicar”, disse ele.

 

 

 

Leia também: “Geleia de maconha” e a ignorância do proibicionismo

Gabites suspeita que as reportagens provieram de um tweet de uma conta vinculada ao Talibã que mencionava uma empresa chamada Cpharm, referindo-se a outra organização em outro lugar do mundo com um nome semelhante.

A Cpharm Australia fornece aconselhamento médico sobre produtos farmacêuticos e não é uma fabricante, portanto, não assumiria um contrato de fabricação em nenhum caso. Também não seria capaz de arrecadar $ 450 milhões, acrescentou Gabites.

A empresa pode recorrer a recursos legais se perder negócios devido a negociações do Talibã noticiadas erroneamente, mas não espera ser afetada a longo prazo.

“A maioria das empresas com as quais lidamos iria olhar para aquele artigo e rir”, disse Gabites.

Leia mais:

Produtores de cannabis prosperam no Afeganistão

#PraTodosVerem: fotografia mostra dois agricultores entre os ramos floridos de uma plantação de maconha e uma serra esmaecida pela neblina, no canto superior esquerdo. O registro foi feito na província de Balkh, Afeganistão, em 2007. Imagem: AP.

smokebuddies logo2 Anúncio do Talibã sobre produção de haxixe no Afeganistão não tem ligação com empresa australiana, entenda

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!