Por que comestíveis de maconha proporcionam uma sensação diferente do que fumar?

gomas ursinhos coloridas Por que comestíveis de maconha proporcionam uma sensação diferente do que fumar?

Quando fumamos, absorvemos mais THC do que quando ingerimos. Então, por que a ‘onda’ de um comestível de maconha geralmente é mais potente e duradoura? Saiba a resposta no artigo da VICE, traduzido pela Smoke Buddies

Dois policiais de Toronto, no Canadá, foram suspensos no início de 2018 após supostamente comerem muitos comestíveis de maconha, ficarem completamente fodidos e depois chamarem a polícia. Os policiais se queixaram de “alucinações” e depois foram tratados em um hospital.

É meio que uma história engraçada, mas os comestíveis podem realmente te atrapalhar tanto? Como qualquer droga, a resposta depende da dose e da via de administração, mas há uma diferença fundamental entre a alta que você sente ao fumar maconha e comer um brownie batizado com a erva.

site sb Por que comestíveis de maconha proporcionam uma sensação diferente do que fumar?

Leia mais – Efeito duradouro e consumo excessivo: os riscos dos alimentos com cannabis

Comparado a fumar um baseado, os alimentos comestíveis podem dar a você um efeito corporal couch-lock muito mais forte que dura mais, às vezes de quatro a seis horas, mas leva mais tempo para começar. Sim, você sentirá os efeitos do fumo em poucos minutos, mas os comestíveis atingem o pico em 30 a 60 minutos e diminuem entre duas a quatro horas. Mas quando você fuma, na verdade, absorve mais canabinoides, os ingredientes que induzem a alta na maconha como o tetraidrocanabinol (THC), do que nos comestíveis. Então, por que a alta de um comestível seria mais potente e persistente?

“A questão não é que [a erva] é metabolizada de maneira diferente, é que ela será metabolizada em diferentes graus e em diferentes partes do corpo, dependendo da via de administração”, explica Nick Jikomes, principal pesquisador do Leafly.

Jikomes obteve seu PhD em neurociência na Escola de Medicina de Harvard. Seu trabalho inclui a colaboração com laboratórios de teste de cannabis para criar melhores maneiras de classificar cepas de maconha com base em seus perfis de canabinoides e terpenos. (Os terpenos são os óleos essenciais encontrados nas plantas que emitem aromas distintos.)

“A diferença real entre comestíveis e fumar ou vaporizar é que com os comestíveis uma fração muito maior do Delta-9-THC chega primeiro ao fígado. Lá é convertido em 11-hidroxi-THC”, diz Jikomes. “Então, em outras palavras, se você fuma ou vaporiza a proporção de 11-hidroxi-THC para Delta-9-THC é bastante baixa, e se você usa um comestível é muito maior”.

A maioria das pessoas já ouviu falar em THC, mas o 11-hidroxi-THC é um canabinoide distintamente diferente e não é tão bem estudado. Grande parte da pesquisa sobre o 11-hidroxi-THC é mais antiga e se concentra na capacidade de detectá-lo em amostras de urina e análises de sangue, em vez de na sua psicoatividade.

Mas o 11-hidroxi-THC é realmente potente, talvez até mais do que seu primo. Em um estudo de 1973, nove homens foram injetados com 1 mg de 11-hidroxi-THC e, mais tarde, THC, e depois solicitados a avaliar sua alta em uma escala de zero a dez.

“Após a administração intravenosa de 11-OH-Δ⁹-THC, houve efeitos psicológicos e farmacológicos pronunciados… Uma taquicardia acentuada, uma alta psicológica intensa e sintomas consideráveis ​​foram produzidos”, escreveram pesquisadores do Lilly Laboratory for Clinical Research. “Todos os indivíduos relataram uma alta psicológica máxima dentro de 2-3 minutos após a administração intravenosa de 11-OH-Δ⁹-THC, que foi mais intensa do que a anteriormente experimentada após o consumo fumado de maconha”.

Realmente não é muito — e quase inteiramente subjetivo —, mas é uma das únicas pesquisas que temos.

Coronavírus faz consumidores optarem por comestíveis e extratos de maconha

Jay Denniston, químico analítico e diretor de ciência da produtora de comestíveis Dixie Elixers, com sede no Colorado, diz que existem muitos outros fatores envolvidos no que diferencia um comestível.

“A psicoatividade e os efeitos da cannabis dependem não apenas dos canabinoides”, diz ele, “mas dos níveis de terpenos, do metabolismo individual da pessoa, do que essa pessoa já havia comido naquele dia; depende da configuração”.

Quando você fuma maconha, o THC é sugado para a corrente sanguínea através dos alvéolos nos pulmões. Mas o THC é um composto solúvel em óleo, o que significa que não se decompõe bem no sangue, que é principalmente água. Assim, em segundos, ele parece se ligar aos receptores endocanabinoides do corpo, nunca tendo a chance de ser metabolizado pelo trato gastrointestinal.

Mas quando você ingere cannabis, sua saliva imediatamente começa a quebrar esse THC. Uma vez que atinge o estômago e depois o fígado, torna-se 11-hidroxi-THC.

“Agora, ele está ligado a um composto de glucuronídeo, que torna [o 11-hidroxi-THC] mais solúvel em água”, diz Denniston. “Então é muito mais ‘feliz’. Poderia difundir muito, muito mais fácil através da barreira hematoencefálica. [Uma vez metabolizado], ele pode entrar mais rápido no cérebro e mais rápido em todo o corpo”.

É por isso que, mesmo que demore 30 a 90 minutos para os comestíveis entrarem em ação, a alta vai durar mais e parecer mais forte.

A ‘onda’ em todo o corpo não significa que os comestíveis sejam “perigosos”, mesmo que jornalistas como Maureen Dowd tenham tido experiências difíceis com a amostra deles. Afinal, as doenças relacionadas ao álcool matam cerca de 88.000 pessoas por ano — mais do que morreram de overdoses de drogas em 2016 —, mas ninguém nunca morreu por consumir maconha.

Leia – Food & Wine: a arte de cozinhar com cannabis

“Tecnicamente, você pode ter uma overdose de THC, mas não pode morrer dela, por isso não é como um opioide”, diz Jikomes. “Existe um motivo válido para preocupação, mas já tomamos essas precauções com muitas outras coisas, incluindo medicamentos tradicionais que têm embalagens à prova de crianças. Eu acho que isso não é diferente”.

Jody Hall, fundador da empresa de produtos de cannabis The Goodship, concorda. “Quando você compra produtos que não são seguros para crianças — OxyContin ou produtos farmacêuticos, armas ou álcool — você precisa ter essa conversa com seus filhos e ajudá-los a entender que isso não é para crianças ou mantê-los longe deles”, diz ela .

Mas quando se trata de uso adulto, como você se diverte sem exagerar? Em estados com cannabis legal como Washington, onde fica a The Goodship, 10 mg de THC é o tamanho de dose única de produtos com infusão de maconha. Mas se você é um novato, Hall diz que pode querer começar ainda menor — por exemplo, 5 mg ou 2,5 mg. No entanto, alguns alimentos comestíveis podem ser tão fortes quanto 500 mg ou até 1000 mg em uma única barra de chocolate.

“Somos realmente grandes em microdosagem”, diz Hall. “Nós realmente incentivamos as pessoas a começar devagar. A batalha em andamento contra a ‘Roleta comestível‘ é real e queremos colocar as rodinhas de treinamento nessa experiência, a capacidade das pessoas medirem sua ‘zona’”.

Se você acabar tomando muito e começar a se sentir tonto ou doente, algumas coisas o ajudarão a superar isso. Feche os olhos e beba muita água, sugere Denniston. E se você tiver um canabidiol ou CBD, outro extrato de maconha, ele pode diminuir os efeitos do THC. Atualmente, o CBD vem em tinturas para uso oral e até em garrafas de água. Jikomes diz que isso pode funcionar, mas ele adverte que o CBD também pode afetar o metabolismo do THC, de forma a prolongar o tempo na corrente sanguínea.

“Eu não sei o quão bem isso funcionará na prática… A primeira coisa é estar com antecedência em um ambiente onde você esteja confortável e você possa simplesmente se deitar e seguir em frente”, diz Jikomes. “Se você tem uma caneta vape para CBD ou algo assim, certamente não faria mal tentar aspirar isso para ver se ajuda a melhorar os efeitos”.

Enquanto isso, mais pesquisas sobre o 11-hidroxi-THC precisam ser feitas. E talvez alguém possa educar esses policiais sobre a importância de uma administração adequada de comestíveis.

Leia também:

Kelis Rogers fala sobre o novo reality de culinária canábica da Netflix

#PraCegoVer: em destaque, fotografia em plano fechado que mostra uma porção de ursinhos de goma de diversas cores sobre uma superfície branca. Foto: Pxfuel.

smokebuddies logo2 Por que comestíveis de maconha proporcionam uma sensação diferente do que fumar?

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!