Por que açúcar, queijo e fast food são mais viciantes que cocaína

rosquinhas dedos Por que açúcar, queijo e fast food são mais viciantes que cocaína

A comida pode ser ainda mais viciante que álcool, tabaco e drogas como a cocaína, segundo o premiado jornalista norte-americano Michael Moss, em seu livro-reportagem Hooked. Saiba mais com as informações do New York Post

Estudos ao longo dos anos revelaram o poder chocante da doçura. Em um experimento de 1980, seres humanos foram solicitados a apertar um botão assim que sentissem uma dose de açúcar sobre suas línguas. Suas reações foram quase instantâneas — demorou uma fração de segundo para eles perceberem o açúcar colocado em suas línguas.

“A fumaça dos cigarros leva dez segundos para atiçar o cérebro, mas um toque de açúcar na língua fará isso em pouco mais de meio segundo”, escreve o jornalista vencedor do Prêmio Pulitzer Michael Moss em seu novo livro “Hooked: Comida, Livre Arbítrio e Como os Gigantes da Alimentação Exploram Nossos Vícios” (Random House), publicado em fevereiro. “Isso é quase vinte vezes mais rápido do que cigarros”.

site sb Por que açúcar, queijo e fast food são mais viciantes que cocaína

“Não só a comida pode ser tão viciante quanto os cigarros, álcool e algumas drogas”, disse ele. “Mas, de certa forma, ainda mais”.

Leia mais: Dani Noce compara açúcar a drogas e causa revolta na internet

giftrimbim1 Por que açúcar, queijo e fast food são mais viciantes que cocaína

E os fabricantes de alimentos tiram vantagem de nossos instintos básicos e biologia para nos deixar viciados em seus produtos, disse Moss ao The Post.

Enquanto cigarros, drogas e bebidas fortes dependem de substâncias químicas específicas como nicotina, morfina e etanol para afetar o cérebro e nos deixar viciados, os alimentos processados ​​usam substâncias mais simples para nos fazer ansiar por eles: a trindade profana de sal, açúcar e gordura. Essas saborosas tentações induzem nosso cérebro a liberar o hormônio do prazer dopamina, seduzindo-nos a voltar para mais.

“Quando vemos, cheiramos ou simplesmente pensamos em bolo de chocolate, é a dopamina que nos faz querer uma fatia — tanto quanto o açúcar e a manteiga do bolo”, escreve Moss. “Esta é uma ferramenta para a nossa sobrevivência. Precisamos comer para viver, e a dopamina está lá para nos motivar a comer.”

Os fabricantes também usam métodos furtivos para manipular nosso amor por gordura, açúcar e sal. A maltodextrina, um derivado quase indetectável do amido, é usada para engrossar molhos para salada ou tornar o sabor das cervejas mais rico, por exemplo. Essa substância não tem gosto doce para a maioria das pessoas, mas tem a mesma estrutura química, o mesmo número de calorias e o mesmo potencial para nos fazer comer demais como o açúcar.

“Isso”, escreve Moss, “a torna altamente útil para os fabricantes de alimentos”.

Para pacientes com distúrbios alimentares, a maconha pode ser o remédio certo

Os alimentos processados ​​enviam sinais ao cérebro quando atingem nossa língua — e à medida que são digeridos, também entram em nossa corrente sanguínea, assim como as drogas e o álcool.

“A glicose pode começar a chegar ao sangue dez minutos depois que se come algo, o que é tão rápido quanto cocaína inalada”, escreve Moss. “Produtos que são altamente refinados farão nosso açúcar no sangue subir mais rápido, e quanto mais rápido ele sobe, mais rápido atinge o sistema de recompensa no cérebro”.

Além disso, uma nova pesquisa sugere que quanto mais rápido um alimento atinge nossa corrente sanguínea e aumenta o açúcar no sangue, mais o açúcar no sangue cai depois disso. Essa queda, escreve Moss, “estimula o cérebro a produzir mais dopamina, o que nos leva a procurar mais comida”.

Leia mais: O potencial do uso de CBD no combate ao vício em crack e cocaína

O fato de que alimentos processados ​​são muito mais fáceis e menos caros para se obter do que cigarros ou drogas também nos faz desejá-los, mesmo que a sensação seja menos intensa.

“Hot Pockets são baratos, são legais, você pode obtê-los em qualquer lugar”, disse Moss.

Dada a natureza viciante dos alimentos processados, não é surpreendente que a gigante do cigarro Philip Morris tenha comprado a Kraft em 1988 e servido como controladora do conglomerado de alimentos de alguma forma por quase duas décadas.

“Eles instruíram o pessoal da Kraft em algumas de suas estratégias de marketing. A Philip Morris era um gênio no marketing de cigarros e transferiu um pouco desse gênio para seus gerentes de alimentos, ajudando-os a encontrar maneiras de acertar os botões emocionais que nos levam a comer quando não estamos com fome, que nos levam a essas coisas compulsivas”, Moss disse.

Os cigarros e os alimentos processados ​​são semelhantes no “modo como perseguem nossas emoções, nossos instintos e nossas vulnerabilidades”.

Moss se lembra de ter conhecido Steve Parrish, que serviu como conselheiro geral da Philip Morris por anos. Embora Parrish conseguisse controlar seu hábito de fumar, ele se recusou a tocar nos alimentos processados ​​feitos pela empresa, porque eram muito viciantes.

“Ele podia tirar um cigarro durante uma reunião e depois guardar o maço pelo resto do dia e nunca mais fumar”, disse Moss.

“Mas ele me disse que não conseguia abrir um pacote de Oreo por medo de comer o pacote inteiro.”

Leia também:

Professor na Universidade de Columbia e usuário de heroína, Carl Hart desmascara mitos sobre drogas

#PraCegoVer: foto que mostra dedos em movimento de pinça prestes a pegar uma rosquinha com cobertura de açúcar e chocolate que está sobre outra com cobertura rosa e confeitos de estrelinhas, e um fundo em tons de cinza marmorizado. Imagem: Tijana Drndarski / Unsplash.

smokebuddies logo2 Por que açúcar, queijo e fast food são mais viciantes que cocaína

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!