Por que a Ásia está perdendo sua guerra contra as drogas

papoula Por que a Ásia está perdendo sua guerra contra as drogas

Em Mianmar, uma nação do sudeste asiático, o estado de Xã emergiu como uma zona econômica especial para a produção em escala industrial de drogas ilícitas. As informações são do Asia Times

Os dias das pequenas apreensões de drogas na Tailândia acabaram há muito tempo.

Desde pelo menos 2017, as apreensões de narcóticos ilícitos envolvem remessas de vários milhões de comprimidos de ação rápida de “yaba” e caminhões de metanfetamina cristal de alta pureza pesando centenas de quilos e muitas vezes mais de uma tonelada.

site sb Por que a Ásia está perdendo sua guerra contra as drogas

Mas mesmo para os padrões do novo normal do reino, o tamanho da última apreensão foi de cair o queixo e surpreendeu até policiais experientes e oficiais antinarcóticos.

Em 12 de novembro, uma denúncia da inteligência levou a polícia a um depósito na província de Chachoengsao, perto do aeroporto Suvarnabhumi, em Bangkok, onde encontraram um grande estoque de cetamina, ou “Super K”, uma droga alucinógena cada vez mais popular no Leste Asiático.

Pesando mais de 11,5 toneladas e um valor de mercado próximo a US$ 1 bilhão, o acontecimento marcou a maior interdição de drogas ilícitas na história de um país que tem sido a principal rota de trânsito para o escoamento de narcóticos ilícitos de Mianmar desde os anos 1950.

A apreensão sem precedentes trouxe à tona duas realidades abrangentes de uma crise de narcóticos da qual os governos da região já estão bem cientes, mas nunca podem se dar ao luxo de admitir publicamente.

A primeira é que o estado de Xã, a maior divisão administrativa de Mianmar, emergiu como uma zona econômica especial de fato para a produção em escala industrial de uma miscelânea de narcóticos ilícitos. A indústria de drogas em espiral do estado de Xã opera com segurança, fora do alcance das autoridades locais ou internacionais.

A outra é que, por trás de uma fachada impressionante de burocracias nacionais antidrogas bem financiadas, conferências internacionais que passam a sensação de confiança ​​e compromissos pró-forma para intensificar a cooperação, a guerra contra as drogas da Ásia está sendo completamente perdida.

Os vencedores são cartéis do crime profissional bem organizados com alcance global que continuam a diversificar e expandir suas operações enquanto corrompem e minam qualquer capacidade oficial de resposta séria.

Leia – Fracasso da guerra às drogas: lucro do PCC cresceu 29 vezes mais que a economia brasileira

Pelo menos parte da remessa de Chachoengsao, embalada como produtos químicos inofensivos, foi levada de Bangkok para Taiwan. Uma dica da polícia taiwanesa alertou seus colegas tailandeses sobre o depósito. O alerta foi disparado por uma apreensão de cetamina de 300 kg em Taiwan.

De acordo com as autoridades, o depósito foi alugado desde julho deste ano por um cidadão tailandês de etnia da tribo das montanhas da fronteira norte da província de Chiang Rai — parte do que em tempos mais simples de tráfico de ópio e heroína ficou conhecido como o “Triângulo Dourado”, onde a Tailândia, Laos e Mianmar se encontram.

Oficiais de narcóticos da Tailândia confirmaram quase imediatamente que a cetamina havia sido produzida na fronteira do estado de Xã. Exatamente onde, em uma região montanhosa extensa que constitui quase um quarto do território total de Mianmar, provavelmente nunca ninguém saberá.

De acordo com as agências regionais do Escritório das Nações Unidas para Drogas e Crime (UNODC) em Bangkok, o crescente tsunami da produção ilícita centrada em Xã está agora estimado em US$ 61,4 bilhões anuais — acima dos cerca de US$ 40 bilhões em 2017.

O volume e a diversificação crescentes e a pureza cada vez mais padronizada da produção de narcóticos refletem mudanças radicais no comércio do estado de Xã.

A era dos anos 1990, quando a produção de heroína e yaba era administrada por insurgentes que usavam prensas manuais em cabanas temporárias na selva, transformou-se em instalações industriais de grande escala administradas por empresas criminosas sofisticadas que atendem a mercados em expansão e cada vez mais globalizados.

Operados por químicos qualificados — muitas vezes de Taiwan — os novos centros de produção são financiados e administrados pelo que fontes de inteligência sobre narcóticos descrevem como um punhado de cartéis diversos, a maioria chineses baseados no que eles chamam de “Triângulo Hong Kong-Macau-Guangdong”.

Sobreposições com organizações tradicionais das tríades, como 14K e Big Circle Boys, e, em alguns casos, colaboração comercial anterior com produtores de heroína do estado de Xã, não são incomuns.

Como argumenta o peripatético chefe do UNODC em Bangkok, Jeremy Douglas, o aumento da produção administrada por cartéis no estado de Xã foi inicialmente desencadeado por uma repressão ampla e coordenada à produção de metanfetamina em todo o sudeste da China que remonta a 2014.

“Guerra às drogas” da ONU tem sido um fracasso no mundo, segundo relatório

“Antes disso, a China era o maior produtor de metanfetamina da Ásia e chamava a atenção internacional”, observa ele. “Vemos então uma queda acentuada na China e um aumento constante em Xã”.

Não por coincidência, nos anos que se seguiram, as apreensões de laboratórios de metanfetamina diminuíram em todo o sudeste da Ásia, notadamente nas Filipinas, Malásia e Indonésia, à medida que a produção muito mais segura nas colinas do nordeste de Mianmar aumentou.

Em meio à caótica fragmentação militar e administrativa do estado de Xã, uma zona de anarquia que cumpre virtualmente qualquer definição de um “estado falido”, os grupos do tráfico de drogas do Leste Asiático estão investindo amplamente em duas categorias de proteção armada local.

A primeira consiste em organizações armadas étnicas tipicamente baseadas a leste do rio Salween e em acordos estáveis ​​de cessar-fogo com o exército nacional de Mianmar, ou Tatmadaw.

Controlando uma ampla faixa de território entre o rio Salween e a fronteira chinesa, o United Wa State Army (UWSA) é o maior e militarmente mais poderoso grupo desse tipo.

Com um exército permanente de cerca de 27.000 soldados regulares treinados e bem equipados, suas forças armadas alcançaram um nível de dissuasão que, em um futuro previsível, impede qualquer ação governamental contra elas.

Com sede na cidade de Mong La, um pequeno aliado e vizinho do UWSA, o Exército da Aliança Democrática Nacional (NDAA, na sigla em inglês), controla o território ao longo da fronteira chinesa mais a leste.

De forma crítica, ele também fornece acesso ao rio Mekong, através do porto de Sop Lui, situado em frente ao Laos, facilitando a movimentação de uma ampla variedade de mercadorias, incluindo narcóticos e precursores químicos, além de veículos, armamentos e muito mais.

Tendo expandido a produção de heroína nos anos 1990 e posteriormente diversificado em estimulantes de metanfetamina, o UWSA parece ter reduzido seu papel na produção direta em favor de outros papéis potencialmente lucrativos no comércio, como o aluguel de espaço e proteção para participantes externos.

Leia mais: Evo Morales afirma na ONU que guerra às drogas fracassou

A confirmação disso pareceu emergir de Taiwan em agosto deste ano, após uma grande operação antinarcóticos que resultou na apreensão de 645 kg de metanfetamina cristal e 395 kg de heroína desembarcados de um navio.

Um promotor sênior foi citado na mídia local por sua observação de que o principal traficante de Taiwan preso na apreensão era “conhecido por visitar e comprar drogas no Sudeste Asiático e teria levado aviões militares ou helicópteros para o ‘Triângulo Dourado’”.

Um oficial sênior da inteligência antinarcóticos que falou ao Asia Times descartou a possibilidade de militares de Mianmar fornecerem transporte aéreo para um traficante de drogas de Taiwan, mas acrescentou que o UWSA é conhecido por operar vários helicópteros de transporte.

Fontes também observaram que nos últimos dois a três anos os Wa se ramificaram no tráfico e possivelmente até na produção de precursores químicos — um negócio potencialmente extremamente lucrativo que evita os esforços atuais para conter o fluxo de precursores que se deslocam para o estado de Xã, principalmente da China, mas também da Tailândia e outros países.

As fontes observaram que, durante este período, houve confirmação de que a área de Wa importou quantidades significativas de “produtos químicos únicos e muito sofisticados”.

Dado que não há indústrias conhecidas na região que possam requerer esses produtos químicos para qualquer uso legítimo, as importações “em volumes inexplicáveis” pareciam destinadas a produzir precursores químicos necessários para a produção de metanfetamina ou possivelmente para a fabricação de outras drogas sintéticas.

A suposição nos círculos de inteligência é que esses produtos químicos especializados — importados da China e do Laos por meio de outros países da região do Baixo Mekong — estão sendo usados ​​para produzir precursores.

Essa noção foi reforçada pela análise de dados regionais e inteligência que refletem, por um lado, o aumento impressionante na produção de metanfetamina cristal no estado de Xã, e, por outro, o fato de que as apreensões de precursores tradicionais como efedrina e pseudoefedrina diminuíram.

“Isso potencialmente coloca Wa em um papel de intermediário de precursores usados ​​em outras partes do estado de Xã”, observou um oficial. “E tenha em mente que esses precursores podem valer mais do que as próprias drogas no estado de Xã”.

Leia também:

Por que a guerra às drogas é um grande fracasso? Dê play e entenda

#PraCegoVer: em destaque, fotografia que mostra duas papoulas-dormideiras em frutos, com caules de tamanhos diferentes, e o que parecem ser chamas, durante a noite, ao fundo. Imagem: andreas160578 | Pixabay.

smokebuddies logo2 Por que a Ásia está perdendo sua guerra contra as drogas

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!