Policiais destroem memorial em homenagem às vítimas da chacina do Jacarezinho

memorial vitimas chacina jacarezinho Policiais destroem memorial em homenagem às vítimas da chacina do Jacarezinho

Memorial foi construído por amigos e familiares das pessoas assassinadas há um ano pela polícia sob a desculpa da “guerra às drogas”. Informações da Mídia Ninja

Policiais civis destruíram, na tarde dessa quarta-feira (11), um memorial que homenageava os mortos na operação policial mais letal da história do Rio de Janeiro. Inaugurada na semana passada, no Jacarezinho, a homenagem foi feita pelos próprios moradores, amigos e familiares, um ano após a chacina que deixou 28 vítimas na Zona Norte da capital fluminense.

Leia mais: Chacina do Jacarezinho e a prerrogativa da guerra às drogas para a violência policial

Na web, circulam imagens que flagram o momento da derrubada do memorial por agentes da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) da Polícia Civil. A Core, que é considerada a tropa de elite da corporação, pôde ser identificada pelo “caveirão” (blindado) nas imagens.

“O povo não tem nem direito ao luto. Absurdo! Dá muita dor ver essa crueldade com o nosso povo”, escreveu a vereadora Verônica Silva.

“Não basta banalizar o derramamento de sangue, eles ainda tripudiam da nossa resistência!”, escreveu o advogado Joel Luiz Costa ao compartilhar o vídeo no Jacarezinho.

memorialjacarezinho1 Policiais destroem memorial em homenagem às vítimas da chacina do Jacarezinho

A Polícia Civil justificou a derrubada afirmando que o memorial era uma “apologia ao tráfico de drogas” já que ele teria sido ilegalmente construído “em homenagem aos 27 traficantes mortos em confronto com a Polícia Civil durante operação na comunidade do Jacarezinho”.

“Lembremos que tanto a chacina em Jacarezinho quanto a derrubada do memorial foram feitos pela POLÍCIA CIVIL, cujo mandato não é de policiamento ostensivo, mas de investigação. No RJ, estudos mostram a militarização (ilegal) da polícia civil”, escreveu o advogado Thiago Amparo.

Leia também: “Quanto o Estado perde na corrupção de seus agentes e suas instituições?”

Para a deputada estadual Renata Souza, “há uma dose de crueldade na derrubada do memorial das Vítimas da Chacina do Jacarezinho que diz sobre quem tem direito à memória neste país. E já respondo: não são as mães pretas”. Para a vereadora Mônica Benício, “na favela é sempre assim, eles não matam só um corpo, mas seguem destruindo a memória e a vida dos familiares”.

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) havia denunciado mais dois policiais civis por assassinatos cometidos durante ação na favela do Jacarezinho. Segundo o MPRJ, os agentes, cujos nomes não foram revelados, são acusados de matar dois homens feridos — Richard Gabriel da Silva Ferreira e Isaac Pinheiro de Oliveira — que se esconderam em uma casa na comunidade.

Dois policiais civis entraram na casa e mataram Richard e Isaac com vários disparos. Ainda de acordo com a denúncia, não havia nenhum refém com Richard e Isaac e eles tampouco resistiram aos policiais. Mesmo assim, foram mortos. A perícia teria comprovado que não houve troca de tiros dentro da casa.

Leia mais: Relator da ONU recomenda descriminalização das drogas para combater a violência policial

Os policiais civis também foram denunciados por fraude processual e por forjar o cenário do crime, porque apresentaram à delegacia pistolas e uma granada com uma alegação falsa de que estavam com as vítimas. A denúncia foi feita pela Força-Tarefa do Jacarezinho, criada logo após a operação policial.

Outras denúncias

Outras duas denúncias foram oferecidas pela força-tarefa. Uma contra dois policiais civis pelo homicídio de Omar Pereira da Silva, que também foi morto depois de já estar encurralado. E outra contra dois suspeitos de integrar a quadrilha que domina a venda de drogas na favela, pelo assassinato do inspetor André Leonardo de Mello Frias e por 11 tentativas de homicídios contra policiais.

Dez procedimentos de investigação foram arquivados porque o MPRJ não encontrou evidências capazes de indicar a prática de crimes por parte de policiais. Essa foi a última denúncia oferecida pela força-tarefa, que encerrou suas atividades.

Leia também:

A guerra às drogas é um instrumento de aniquilação dos “indignos de vida”

#PraTodosVerem: imagem traz duas fotos, uma da mureta azul com as placas metálicas de homenagem às vítimas onde se lê “nenhuma morte deve ser esquecida, nenhuma chacina deve ser normalizada”, e a outra do memorial já destruído e um ogro com uniforme camuflado segurando uma marreta. Fotos: reprodução / Twitter.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!