Pesquisadores do Colorado buscam voluntários para dirigirem chapados

colorado procura voluntarios para chapar e dirigir Pesquisadores do Colorado buscam voluntários para dirigirem chapados

A direção embriagada sempre foi objeto de pesquisas, mas a condução sob efeito de maconha não. Estudo da Universidade do Colorado analisará o desempenho de motoristas chapados. As informações são da High Times, com tradução Smoke Buddies.

Pesquisadores do Colorado estão investigando os efeitos da cannabis na direção e estão buscando voluntários para dirigirem para o estudo. Os participantes da pesquisa serão pagos pelo seu tempo, mas terão que levar sua própria maconha para fumar, de acordo com um relatório. Ashley Brooks-Russel, professora assistente na Escola de Saúde Pública da Universidade do Colorado, no Campus Médico Anschutz, é a co-diretora da pesquisa sobre como o consumo diário ou menos frequente de maconha afeta o desempenho dos motoristas ao volante.

“O objetivo é entender melhor em que prejudica a condução, para que possamos evitar prejuízos”, disse Brooks-Russell.

Micahel Kosnett, professor clínico associado e toxicologista médico que também é co-diretor do estudo, disse que, embora dirigir embriagado tenha sido objeto de extensas pesquisas, o mesmo não acontece com a maconha.

Leia: Colorado fará estudo sobre a relação entre uso de concentrados de maconha e direção

“Sabemos que certas drogas realmente deterioram o desempenho das pessoas ao volante. O álcool é o exemplo clássico disso”, disse Kosnett. “Nossa compreensão de como a cannabis afeta a direção é menos desenvolvida”.

Para o estudo, os participantes terão suas habilidades de direção testadas antes e depois do uso de cannabis. Eles também serão avaliados através de outros testes, incluindo um que rastreia os movimentos dos olhos em óculos de realidade virtual e outro que mede a coordenação mão-olho e tomada de decisão com um iPad. Pesquisadores querem saber se tais dispositivos poderiam ser usados para determinar o comprometimento por policiais em testes de sobriedade nas estradas.

“Esta é mais uma ferramenta que eles poderiam trazer para a estrada para inferir o comprometimento”, disse Brooks-Russell.

Os limites de THC são justos?

Ao contrário do álcool, os níveis de THC no sangue podem não ser um indicador preciso do comprometimento da direção. Apesar disso, o Colorado tem atualmente um limite de 5 nanogramas de THC por mililitro de sangue para os motoristas. O paciente de maconha medicinal Tyler Prock acredita que tais restrições arbitrárias são injustas.

“Não é justo para os pacientes medicinais. Porque a cannabis permanece em seu sistema por cerca de 30 dias e se você usar maconha todos os dias a quantidade em seu corpo vai aumentar”, disse Prock. “Você pode não ter usado cannabis naquele dia, mas ainda assim há cannabis em seu sistema, então isso pode fazer com que você dê positivo em um teste que não esteja inebriado”.

Prock disse que embora ele dirija regularmente após o uso da cannabis, ele nunca faria isso quando comprometido.

“Bem, eu usei quase todos os dias nos últimos sete anos”, disse ele. “Eu sinto que sou um motorista seguro. Eu tive uma multa nos últimos dez anos e nunca tive um acidente”.

Ele até acredita que está mais seguro depois de usar cannabis “porque a dor nas costas é difícil e pode ser tão perturbadora quanto qualquer outra coisa”, disse Prock.

Os participantes do estudo sobre condução com maconha serão obrigados a fazer duas visitas em um período de uma semana ao laboratório de pesquisa Aurora e receberão US$ 140 após concluírem as duas sessões.

Leia também:

Maconha reduz acidentes de trânsito fatais relacionados a drogas, diz estudo

#PraCegoVer: fotografia (de capa) em primeiro plano e perfil de um homem sentado ao volante, enquanto fuma um baseado que segura próximo à boca ao expelir uma fumaça densa; ao fundo pode-se ver parte da lateral de outro carro próximo.

lazy placeholder Pesquisadores do Colorado buscam voluntários para dirigirem chapados

Sobre Dave Coutinho

Carioca, Maconheiro, Ativista na Luta pela Legalização da Maconha e outras causas. CEO "faz-tudo" e Co-fundador da Smoke Buddies, um projeto que começou em 2011 e para o qual, desde então, tenho me dedicado exclusivamente.
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!
[mailpoet_form id="2"]
Deixe seu comentário