Pandemia faz venda de comestíveis de maconha disparar nos Estados Unidos

biscoitos buds Pandemia faz venda de comestíveis de maconha disparar nos Estados Unidos
Newsletter Open Green

Segundo lojistas, encomendas durante quarentena chegaram perto do limite legal individual de compra de maconha. As informações são da Época Negócios

Com o isolamento social forçado em muitas partes dos Estados Unidos, a venda de comestíveis com maconha, como chocolates e balas-de-goma, aumentou em mais de 50% para alguns lojistas. Isso foi ajudado por muitos estados norte-americanos declarando lojas que vendem cannabis como um “serviço essencial” durante a pandemia.

A explicação do aumento repentino vai além apenas do aumento da ansiedade durante o período fechado em casa. Em muitos casos, o isolamento ao lado de familiares torna a forma de consumo mais comum de cannabis, o fumo, algo delicado. A associação do fumo com as questões respiratórias trazidas por covid-19 também serve de obstáculo. Portanto, consumidores têm se voltado para o uso de comestíveis para um consumo mais discreto e seguro.

lazy placeholder Pandemia faz venda de comestíveis de maconha disparar nos Estados Unidos

Leia mais: Coronavírus faz consumidores optarem por comestíveis e extratos de maconha

“Um dos nossos primeiros pedidos que entregamos foi de 25 pacotes de balas-de-goma. Vimos isso e pensamos: começou”, disse Cali Manzello, gerente da Apothecarium, uma distribuidora de cannabis em San Francisco, ao New York Times. “E não parou: as pessoas estavam fazendo pedidos que chegavam ao limite legal de compra por uma pessoa, que pode chegar a 80 comestíveis“.

Ela também afirma que as vendas de comestíveis em sua loja aumentaram em 16%, com queda de 19% em vendas de produtos ligados a fumo.

Outro produto que cresceu em vendas foi a flor da maconha. Segundo os vendedores, ela serve de “matéria-prima” para quem quiser criar os próprios comestíveis em casa.

Em março, a Associated Press afirmou que o número de consumidores comprando maconha pela primeira vez nos Estados Unidos aumentou em 50% graças à quarentena imposta.

“Acho que a cannabis, em geral, é um bem de consumo à prova de recessão”, disse Vince Ning, CEO da Nabis, uma distribuidora de cannabis na Califórnia, ao New York Times.

Leia também:

Oregon (EUA) bate recorde em vendas mensais de cannabis: US$ 100 milhões

#PraCegoVer: em destaque, fotografia de uma pilha de quatro biscoitos e um encostado, junto a dois buds de cannabis sobrepostos, sobre uma superfície lisa amarela que se mistura com o fundo. Imagem: THCameraphoto.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!