Padrões climáticos extremos forçam produtores de maconha a repensar estratégias de cultivo

folha seca Padrões climáticos extremos forçam produtores de maconha a repensar estratégias de cultivo

Os agricultores estão considerando mudar suas plantações para ambientes fechados e usar novas cepas de maconha, bem como estabelecer suas operações em terrenos mais elevados para evitar inundações. As informações são do MJBizDaily

À medida que eventos climáticos extremos devastam os EUA de costa a costa — incluindo incêndios florestais, inundações e congelamentos precoces —, os produtores de maconha estão sendo forçados a reavaliar seus riscos e considerar mudanças em suas práticas de cultivo.

Os cultivadores de maconha ao ar livre, em particular, são vulneráveis ​​a mudanças severas no clima, o que tem levado os agricultores a considerarem mudar suas plantações para lugares fechados e usar novas variedades de cannabis. Outros cultivadores estão estabelecendo suas operações em terrenos mais elevados para evitar inundações.

lazy placeholder Padrões climáticos extremos forçam produtores de maconha a repensar estratégias de cultivo

Os cientistas relacionaram as oscilações extremas do tempo às mudanças climáticas.

Jon Vaught, CEO e cofundador da Front Range Biosciences, uma empresa de biotecnologia de cannabis em Lafayette, Colorado, com operações de cultivo de cânhamo, observou que, como os produtores de cannabis, os agricultores tradicionais estão lidando com o tempo volátil associado a um clima em mudança.

“Podemos debater se estamos esquentando ou esfriando”, disse Vaught. “Mas o resultado final é que está ficando mais imprevisível e isso torna tudo pior”.

Leia mais: Cientistas mostram que Brasil tem boas condições para plantio de cannabis

Soluções a serem ponderadas

Incêndios florestais queimando a costa oeste, bem como uma variação de temperatura de 70 graus no Colorado que desencadeou uma onda de frio precoce e neve, são apenas dois exemplos recentes de mudanças rápidas nas condições climáticas que causam problemas para a indústria.

O mesmo vale para a enchente que atingiu a Louisiana na esteira de dois furacões recentes.

“Não importa qual seja sua safra, se o clima se tornar imprevisível, torna-se muito difícil de gerenciar porque o risco aumenta muito”, disse Vaught.

As oscilações incomuns de temperatura, bem como a fumaça e os contaminantes no ar dos incêndios, levaram alguns produtores de cannabis ao ar livre a começar a pensar no cultivo em locais fechados ou em estufas, dependendo do mercado de flores e do custo de produção, de acordo com Vaught.

Outros estão considerando cultivar variedades de cannabis de ciclo mais curto, incluindo as ruderalis, que são comumente chamadas de automáticas, o que significa que ela segue seu ciclo independentemente das variações na quantidade de luz solar.

As ruderalis também têm um tempo de floração mais curto do que a maioria das versões sativa, indica ou híbrida destas duas.

Leia mais – Cannabis Indica, Sativa, Híbrida e Ruderalis: quais as diferenças?

Impactos no abastecimento

Essas soluções podem economizar dinheiro para as empresas de cannabis a longo prazo na cadeia de abastecimento.

O congelamento no início deste mês no Colorado, por exemplo, pode ter causado milhões de dólares em danos às plantas de maconha e cânhamo.

É o mesmo na Costa Oeste, onde a fumaça e os danos do fogo estão afetando os produtores na Califórnia, no Oregon e no estado de Washington.

No caso dos processadores, as safras gravemente danificadas reduzem o fornecimento de cannabis para extração, levando a preços mais elevados.

Para Case Mandel, fundador da Cannadips Brand e da empresa de extração de resina viva ArcataX, em Humboldt, Califórnia, os incêndios contínuos estão elevando o custo do material para extração em 50%.

“O fornecimento está incrivelmente reduzido”, disse ele. “Tudo ficará exorbitantemente mais caro e os consumidores terão que se acostumar a pagar preços realmente altos”.

Incêndios florestais devastaram a indústria de cannabis da costa oeste dos EUA

Para piorar, os furacões

Em Baker, Louisiana, onde Chanda Macias opera um cultivo de maconha medicinal e a empresa de manufatura Ilera Holistic Healthcare, encontrar uma propriedade em terreno elevado foi a primeira prioridade da empresa.

“Imóveis para cannabis é sempre um desafio”, disse Macias, mas encontrar um lugar que fosse protegido de tempestades tropicais e coisas piores foi “como encontrar uma agulha em um palheiro”.

É bom que Ilera tenha encontrado um lugar elevado do resto da pequena cidade de Baker depois que os furacões Laura e Sally varreram recentemente a região, despejando chuva e inundando as áreas baixas.

Macias disse que a empresa passou por muitas negociações imobiliárias antes de encontrar um terreno adequado.

Desde então, Ilera tem trabalhado muito para se manter preparada para furacões, tendo investido em geradores e sistemas elétricos fortificados para resistir a tempestades.

“A fonte de energia foi definitivamente o mais importante”, disse Macias.

Além disso, sua empresa deve permanecer em conformidade durante o mau tempo, incluindo câmeras de segurança em funcionamento.

A Ilera também estabeleceu áreas no prédio onde os funcionários podem pernoitar e manter as plantas vivas durante uma tempestade.

“Não se trata tanto de proteger a instalação, mas de proteger o medicamento”, disse Macias.

Para colocar um ponto positivo sobre isso, ela acrescentou que a natureza de trabalhar na indústria da maconha forçou sua empresa a estar pronta para desastres naturais.

Mesmo sem a possibilidade de furacões, o prédio teria sido fortificado e preparado com segurança de primeira linha.

“A cannabis nos preparou para o furacão”, disse Macias.

Leia mais: A indústria da cannabis está criando uma nova força de trabalho em meio à pandemia

Outras opções

Muitos produtores de cannabis e cânhamo ao ar livre no sul do Colorado foram duramente atingidos pelo congelamento precoce no estado em 8 de setembro.

No entanto, Bill Conkling, CEO e proprietário da Maggie’s Farm, que tem várias lojas para uso medicinal e adulto no estado e cultivos ao ar livre nos condados de Fremont e Pueblo, disse que teve um “prejuízo muito pequeno”.

“Menos de 4%” de sua flor cultivada ao ar livre terá que ser convertido em óleo, disse Conkling, e o restante ainda será bom para as prateleiras das lojas como flores.

Ele hesitou em fornecer muitos detalhes e revelar a propriedade intelectual sobre as medidas que sua equipe toma para proteger a safra, mas disse que a infraestrutura implantada por sua fazenda evita que as plantas se partam e quebrem quando atingidas por geada ou neve pesada.

Embora Conkling admita que ninguém estava preparado para a baixa sustentada de 30 graus no condado de Fremont no início do ano, ele disse: “se o tempo está mudando, você tem que ficar à frente dele”.

Sua equipe seleciona e cria cepas que estão aclimatadas às mudanças no clima do Colorado e também testa condições extremas para planejar uma resposta rápida.

Anthony Franciosi, proprietário da Honest Marijuana Co., em Oak Creek, Colorado, disse que a pior coisa que aconteceu com sua operação de cultivo de cannabis em ambientes fechados durante a oscilação de temperatura de 70 graus foi que o sistema AVAC foi forçado a se ajustar.

“Se eu estivesse ao ar livre, seria um conjunto totalmente diferente de problemas”, disse ele.

A operação da Franciosi, no centro-norte do Colorado, é reconhecidamente pequena para um cultivador.

Ele se considera mais um cultivador artesanal.

Ainda assim, ele aponta que o cultivo de cannabis em ambientes fechados requer recursos substanciais, o que é difícil de tornar sustentável se não for possível compensar o consumo de energia com fontes de energia renováveis, como a solar.

Leia também:

Como proteger sua marca de cannabis da série de problemas que podem surgir

#PraCegoVer: fotografia (em destaque) de uma folha de maconha seca e amarelada, com os folíolos contorcidos, e um fundo escuro. Foto: THCameraphoto.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!