Em Assis (SP), paciente com ELA obtém habeas corpus para cultivo de cannabis

cultivo top buds Em Assis (SP), paciente com ELA obtém habeas corpus para cultivo de cannabis

Desde 2011, o assisense luta para conseguir um tratamento eficaz. A esclerose lateral amiotrófica é uma rara doença que atinge os neurônios responsáveis ​​pelo movimento voluntário dos músculos. As informações são do AssisCity

Uma grande vitória para um assisense chegou pelas mãos da Justiça e pela primeira vez um paciente portador de esclerose lateral amiotrófica (ELA) poderá cultivar cannabis medicinal em casa para o tratamento da doença, em Assis, interior de São Paulo.

Quem explica o processo é o advogado do paciente, João Francisco de Souza Rodrigues, que contou ao Portal AssisCity como foi essa conquista.

site sb Em Assis (SP), paciente com ELA obtém habeas corpus para cultivo de cannabis

“Para início, precisamos entender que a pessoa que necessita do uso de medicamentos à base de canabidiol não vai, em hipótese alguma, comercializar ou vender os produtos, e sim usar como forma de minimizar sintomas e ter uma vida mais saudável”, explica o advogado.

Após diversos caminhos percorridos pelo paciente, na quinta-feira, 25 de fevereiro, saiu a decisão judicial que proporcionará ao assisense uma melhor qualidade de vida.

“Meu cliente agora poderá cultivar a cannabis em sua casa, com acompanhamento médico legal e sem correr risco de ser preso pelo cultivo”, destaca João Francisco.

Leia mais: Esclerose lateral amiotrófica e o potencial terapêutico da cannabis

O processo

A esclerose lateral amiotrófica é uma doença degenerativa neurológica, apresenta alterações de equilíbrio, perda de força, alterações na fala e deglutição e não existe cura. Desde 2011, quando o assisense foi diagnosticado com ELA, começou sua luta para conseguir tratamentos eficazes que surtissem efeito.

Segundo o advogado, para dar início no processo, o paciente precisou de diversos documentos que são indispensáveis para levar o caso até a Justiça.

“Em primeiro lugar, o paciente precisa ter o acompanhamento de médico legal, que vai fazer os diagnósticos e cuidar do caso. Após isso, é preciso obter a autorização da Anvisa para fazer uso dos medicamentos e é necessário levar a matéria-prima para um laboratório especializado para produzir a medicação. Não é um processo simples”, diz o advogado.

Existem algumas opções para fazer o tratamento com medicamentos que têm como base o THC ou canabidiol. A primeira é conseguir a autorização da Anvisa para importar a medicação para o Brasil, o que sai muito caro, pois dependendo do tratamento o custo é de R$ 20.000,00.

A outra opção é entrar na Justiça para que o Estado pague pelo tratamento, o que também sai caro para os cofres públicos.

Leia mais: Justiça determina que município paraense forneça canabidiol a criança autista

A terceira opção é a mais rentável e simples, que é o cultivo da cannabis artesanal em casa, que é o caso do tratamento conquistado pelo assisense.

“Para isso, meu cliente precisou apresentar todos os laudos médicos, as autorizações dos órgãos sanitários e então eu entrei com o pedido de habeas corpus preventivo, para que o paciente possa cultivar a cannabis em sua casa, sem ser preso por tráfico de drogas”, pontua o advogado.

A vitória do primeiro assisense a conquistar o direito de cultivar a cannabis medicinal em casa, para tratamento da ELA, também é uma vitória para a Justiça do Município de Assis. “A decisão foi fantástica, demonstrou toda a humanidade da Justiça de nossa cidade”, finaliza João.

Leia também:

Uma conversa com Emílio Figueiredo sobre Habeas Corpus para cultivo de cannabis

#PraCegoVer: fotografia em vista superior de um cultivo de maconha, onde dois top buds aparecem ao centro e as demais plantas ao fundo, fora de foco. Imagem: DimStock | Pixabay.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!