OAB contesta no STF exclusão da sociedade civil do Conselho Nacional de Política sobre Drogas

estatua justica stf 1 OAB contesta no STF exclusão da sociedade civil do Conselho Nacional de Política sobre Drogas

Segundo a entidade, decreto assinado em 2019 pelo presidente Jair Bolsonaro gera retrocesso democrático e viola direitos fundamentais. As informações são do Notícias STF

O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) ajuizou, no Supremo Tribunal Federal (STF), a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6659, a fim de questionar a exclusão da participação da sociedade civil da composição do Conselho Nacional de Política sobre Drogas (Conad). A ação foi distribuída ao ministro Ricardo Lewandowski.

O Conad é o órgão superior do Sistema Nacional de Políticas sobre Drogas (Sisnad), instituído pela Lei de Drogas (Lei 11.343/2006). No mesmo ano, para regulamentar a lei, foi editado o Decreto 5.912, que previa a participação expressiva de instituições ou entidades nacionais da sociedade civil na composição do conselho. Em 2019, o Decreto 9.926 reestruturou o Conad e retirou a presença da sociedade civil.

lazy placeholder OAB contesta no STF exclusão da sociedade civil do Conselho Nacional de Política sobre Drogas

Leia mais: Bolsonaro limita participação da sociedade civil no Conad

Na ação, a OAB questiona a alteração e a revogação de dispositivos do decreto de 2006 que definia a composição do órgão. Segundo a entidade, as normas revogadas garantiam a presença de profissionais das mais diversas categorias no Conad, com comprovada experiência e atuação no trabalho com substâncias psicotrópicas, que contribuíam de forma significativa para o debate e o desenvolvimento das políticas públicas sobre drogas.

A OAB argumenta que a exclusão indevida das entidades num conselho que se destina justamente a determinar a orientação central e a execução das atividades relacionadas ao tema, “tão sensível e importante”, mitiga o princípio da soberania popular e o direito à cidadania, “que se concretizam pelo exercício da participação social efetiva na condução de políticas públicas”. Sustenta, ainda, que a manutenção da mudança gera retrocesso democrático e viola direitos fundamentais, com a quebra do equilíbrio representativo e o desvirtuamento do princípio da separação dos Poderes.

Leia também:

MPF pede que ministro da Saúde explique ações sobre políticas de saúde mental e de drogas

#PraCegoVer: em destaque, fotografia em vista diagonal da estátua da Justiça que fica em frente ao palácio do STF e representa uma mulher sentada, com os olhos vendados e segurando uma espada sobre as pernas; ao fundo, na parte esquerda da foto, se vê os pilares externos do prédio, construídos em forma de arcos.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!