O Vale do Silício pode ajudar a tornar a indústria da maconha menos branca?

tela caixa O Vale do Silício pode ajudar a tornar a indústria da maconha menos branca?

Pela primeira vez, uma solução para nivelar o campo de jogo no cenário da maconha pode ter sido encontrada. Uma prática padrão para levantar capital mais barato agora está disponível para o setor. Saiba mais no artigo de Chris Roberts para a Forbes

“Dinheiro barato” pode ser difícil de encontrar na indústria da maconha. O capital de risco nunca é gratuito, mas no mercado da erva, os capitalistas têm a reputação de serem particularmente gananciosos.

A falta de capital acessível é uma razão pela qual a indústria da cannabis legal multibilionária ainda é esmagadoramente branca, e por que alguns esforços iniciais por “equidade” ou reserva de licenças para empresários pretos e pardos simplesmente não funcionaram.

lazy placeholder O Vale do Silício pode ajudar a tornar a indústria da maconha menos branca?

A legalização da maconha nunca iria consertar os males do capitalismo americano. Qualquer um que tenha dito a você que vender maconha em uma loja “consertaria os erros da guerra às drogas” por si só estava lhe vendendo outra coisa.

Mas a cannabis está na infeliz posição de ter que cumprir algumas promessas muito ambiciosas de justiça social. Pela primeira vez, uma solução para nivelar o campo de jogo pode ter sido encontrada no Vale do Silício, onde uma prática padrão para levantar capital mais barato — examinada e endossada por uma aceleradora de alto nível — agora está disponível para as empresas de cannabis.

Leia: Movimento Black Lives Matter desencadeou ‘despertar coletivo’ sobre as políticas de maconha

O dinheiro é caro no espaço da erva por alguns motivos. Os poucos bancos que emprestam para as empresas de cannabis cobram taxas de juros exorbitantes. Os investidores são conhecidos por exigir uma participação significativa nos negócios de um empreendedor em troca de capital.

E quando um negócio de cannabis consegue um bom investimento, até 20% pode ser consumido por “custos de conformidade”, uma boa maneira de descrever a situação de “ter que pagar advogados para garantir este negócio, em uma indústria semilegal com a qual eles não estão familiarizados, para que ninguém vá para a cadeia”.

Dinheiro caro, garantido a um custo muito alto, é um dos motivos pelos quais alguns dos primeiros programas de equidade não tiveram sucesso em lançar uma onda de negócios de propriedade preta e parda.

“Nós vimos muitos negócios ruins acontecerem”, disse David Hua, o cofundador e CEO da Meadow, uma plataforma de software de cannabis com sede em San Francisco. “E também vimos empresas em estágio inicial atrapalharem-se com o financiamento nas rodadas subsequentes”.

Leia mais – Da NBA à cannabis: como Al Harrington está mudando a indústria para pessoas negras

A Meadow foi a primeira empresa relacionada à maconha a ser lançada pela Y Combinator, uma das aceleradoras de maior prestígio.

Na Y Combinator, as startups que partem em busca de capital inicial se equipam com o que é chamado de “safe”, abreviação de simple agreement for future equity (acordo simples para participação futura).

Nada mais complicado do que uma forma padronizada e de conformidade garantida que qualquer empresa em estágio inicial pode apresentar a um potencial investidor, um ‘safe’ deixa apenas a negociação do limite de avaliação da empresa para o empresário e o investidor.

Isso não é um elevador, mas pelo menos os custos de conformidade são resolvidos — o que significa que um investimento de US$ 100.000 é justamente isso, e não US$ 80.000 depois que os advogados tomam sua parte.

“A coisa toda requer várias idas e vindas, se você não estiver usando uma documentação de investimento padrão”, disse Hua. “O custo de capital fica muito alto. Você está gastando US$ 20.000 com advogados, e fazendo isso várias vezes”.

Leia mais: A indústria da cannabis está criando uma nova força de trabalho em meio à pandemia

Tanto Hua quanto sua esposa, Stephanie, são empresários de cannabis. Stephanie Hua é proprietária de uma empresa de comestíveis chamada Mellows.

Depois que ambos levantaram dinheiro para suas startups de maconha usando ‘safes’, “nós pensamos, ok, por que não abrimos este código para a comunidade canábica?”, perguntou David Hua.

Não foi tão fácil — há divulgações específicas e outros requisitos regulatórios exclusivos da cannabis —, mas depois que quatro escritórios de advocacia com experiência na indústria da cannabis verificaram, a Y Combinator deu a sua bênção.

E assim a Meadow lançou o primeiro “safe” de conformidade de código aberto da indústria da cannabis na terça-feira (17).

Leia – EUA: reguladores de 19 estados formam grupo para coordenar legalização da maconha

Mais licenças de equidade devem ser concedidas a pequenas empresas lideradas por empresários negros em toda a Califórnia. Algo como um ‘safe’ pode ajudá-los a encontrar dinheiro mais barato.

Isso poderia ajudar essas empresas a realmente competir — e, talvez, cumprir algumas das promessas grandiosas da legalização da maconha.

Essa é a esperança, de qualquer maneira.

“Os desafios que esses operadores têm já são muito grandes. Não estou dizendo que será o fim de todos os problemas”, disse Hua. “Mas minha opinião pessoal é que temos uma oportunidade para a maior mudança de riqueza geracional”. E se o dinheiro é mais barato, também o é o custo de oportunidade.

Leia também:

O tumulto sobre a propriedade da loja de maconha de Shawn Kemp destaca problemas de diversidade da indústria

#PraCegoVer: em destaque, fotografia que mostra parte do corpo de uma pessoa negra, em perfil, que mexe na tela touch screen de uma caixa registradora enquanto segura algumas notas de dólar na outra mão. Foto: Meadow.

lazy placeholder O Vale do Silício pode ajudar a tornar a indústria da maconha menos branca?

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!