O que se sabe até agora sobre as fatalidades envolvendo vapes nos EUA

vape lung O que se sabe até agora sobre as fatalidades envolvendo vapes nos EUA

O número oficial é de seis pessoas mortas nos Estados Unidos, onde há 450 casos de “vape lung”, como os gringos chamam os quadros de doenças pulmonares relacionadas ao consumo de vapes, atualmente sob investigação, mas ainda sem causa exata. As informações são da High Times

Se as notícias recentes sobre mortes e doenças relacionadas aos vapes o levaram a olhar desconfiado para seus cartuchos, você não está sozinho. Relatos de internações por consequência do consumo de vaporizadores estão surgindo nos Estados Unidos, com 450 casos atualmente sob investigação. No entanto, as autoridades de saúde ainda precisam identificar uma causa exata das doenças e mortes.

Eles também não conseguiram vincular as doenças a nenhum produto específico, uma vez que os relatórios envolvem vapes de cannabis e nicotina. Mas também não estamos completamente no escuro. Portanto, à medida que essa história continua se desenvolvendo, aqui está tudo o que sabemos até agora sobre as recentes mortes e doenças relacionadas aos vapes.

O que é “vape lung”, de acordo com um paciente

Felizmente, você não conhece ninguém e não é você que sofreu um grave distúrbio pulmonar devido a vaporizar maconha ou qualquer outra coisa. A experiência é miserável e duradoura. Basta perguntar a Jackie Gomez, moradora de Los Angeles que passou dias no hospital depois de desenvolver o que os médicos diagnosticaram como pneumonia necrosante. Gomez disse que acha que os cartuchos de vape que ela estava consumindo podem ser os culpados.

Gomez diz que começou como cócegas na garganta. As cócegas logo se tornaram irritação. Então, começou a dor muscular, a perda de apetite, a tosse e o vômito. Quando Gomez notou que seu catarro era marrom escuro e com gosto ruim, soube que algo estava acontecendo e correu a um centro de atendimento urgente. Após uma radiografia de tórax, Gomez acabou na sala de emergência.

Esse foi o começo de uma semana de permanência no hospital. Os médicos testaram Gomez para tudo, desde tuberculose ao HIV, infecções bacterianas e virais. Mas mesmo após um teste do tecido pulmonar, os médicos não conseguiram um resultado conclusivo. No final, Gomez levou um mês de tratamentos com antibióticos intravenosos para se recuperar totalmente da infecção pulmonar. Os médicos dela ainda não sabem o que poderia ter causado uma doença tão grave.

Gomez diz que médicos e especialistas perguntavam-lhe regularmente sobre seus hábitos de fumar. Mas ela diz que nunca perguntaram o que ela estava fumando ou como. Os médicos pareciam assumir que era um produto do tabaco, disse Gomez. Eles nunca perguntaram diretamente a ela sobre o consumo de cannabis.

A experiência de Gomez foi terrível. E ela não está sozinha. Mas, como no caso dela, os especialistas em saúde estão lutando para encontrar respostas para aqueles que sofrem de doenças relacionadas ao vape.

Problemas pulmonares relacionadas aos vapes atingem o centro-oeste dos Estados Unidos em agosto

Relatos de problemas de saúde relacionados aos vapes começaram a surgir cerca de um mês atrás, quando 22 pessoas foram hospitalizadas por problemas respiratórios relacionados ao consumo de vaporizadores. Os incidentes impactaram os consumidores em Minnesota, Wisconsin e Illinois. Mas, apesar de identificar padrões comuns a todos os casos, os médicos não conseguiram determinar um motivo ou causa exata do quadro pulmonar dos pacientes.

Muitos eram jovens, e alguns estavam fumando cigarros eletrônicos de nicotina e cartuchos de THC. Uma pessoa, Dylan Nelson, 26 anos, estava tão doente depois de consumir um cartucho THC ilícito, que os médicos o colocaram em coma induzido por medicamentos.

Internações relacionadas aos vapes aumentam na Califórnia e em Nova York

Apenas alguns dias após o surto de doenças pulmonares relacionadas ao vape no centro-oeste, as autoridades de saúde da Califórnia emitiram um alerta público depois que sete pessoas adoeceram com sintomas semelhantes a pneumonia depois de consumir vapes. Alguns pacientes ficaram tão doentes que foram colocados em unidades de terapia intensiva e em aparelhos respiratórios. Os pacientes sofriam de respiração superficial e rápida, baixos níveis de oxigênio no sangue, pressão arterial baixa, confusão e cansaço. E todos os sete vaporizaram, recentemente, cartuchos de óleo THC e CBD, obtidos de revendedores não licenciados.

Enquanto isso, as autoridades de saúde de Nova York começaram a alertar os prestadores de cuidados de saúde a estarem atentos a doenças pulmonares relacionadas ao vape. Na época, o Departamento de Saúde de Nova York estava investigando 11 casos de problemas pulmonares relacionados ao consumo de vapes. E foram essas investigações que finalmente forneceram a primeira resposta possível às misteriosas doenças relacionadas.

Acetato de vitamina E como causa potencial de doenças relacionadas aos vapes

Em 5 de setembro, o Departamento de Saúde de Nova York anunciou que acreditava que as doenças relacionadas aos vaporizadores em todo o estado estavam relacionadas ao acetato de vitamina E, presente nos cartuchos consumidos. Análises laboratoriais dos produtos que levaram 11 nova-iorquinos ao hospital mostraram que quase todos continham níveis muito altos de acetato de vitamina E.

A descoberta alterou completamente o foco de outras investigações em andamento, mudando o foco para produtos de maconha, não para cigarros eletrônicos.

“Está realmente começando a parecer que essa é uma questão de vapes de maconha e que pode não ter nada a ver com cigarros eletrônicos“, disse Michael Siegel, professor de saúde pública da Universidade de Boston. Essas descobertas foram então apoiadas pela Food and Drug Administration.

Medo do “vape lung” se espalha para o Canadá

Em uma questão de semanas, mais de 350 casos de “vape lung” foram relatados nos Estados Unidos. E ficou cada vez mais claro que um punhado de mortes relacionadas aos vapes provavelmente foram causadas por produtos de cannabis. O problema, porém, era que ninguém conseguia determinar quais produtos estavam causando o dano.

A maioria dos casos nos EUA decorreu de cartuchos de THC vape obtidos no mercado ilícito. Isso levou muitos a supor que os concentrados falsificados ou não regulamentados eram os culpados. Mas, depois que as autoridades do Oregon vincularam a morte de um consumidor de vape a um cartucho comprado em um dispensário licenciado, essas suposições foram mitigadas.

“Neste momento, não sabemos realmente o que é seguro“, disse a Dra. Ann Thomas, pediatra e médica de saúde pública responsável pela equipe de gerenciamento de incidentes do Oregon.

À luz da epidemia que se alastra rapidamente de doenças relacionadas ao vape de maconha e à incerteza sobre sua causa, as autoridades federais de saúde do Canadá emitiram um aviso de saúde contra vapores de qualquer tipo.

Até hoje, seis mortes nos EUA foram vinculadas à vaporização de cannabis e de nicotina

No começo de setembro, o número de mortos por problemas decorrentes dos vapes havia subido para cinco – incluindo a morte em Oregon, no entanto, até agora tem sido a única fatalidade ligada a um produto vape de cannabis. Ainda assim, todas as mortes resultaram de doenças pulmonares graves e dificuldades respiratórias provavelmente causadas por vapes. Em cada caso, os sintomas refletiam doenças respiratórias graves, como pneumonia. Mas, os especialistas ainda não sabem ao certo qual é a causa raiz: pode ser contaminantes em produtos ilícitos, ingredientes comuns, concentrados, o dispositivo ou o cartucho.

Então, em 10 de setembro, o número de mortos relacionados a vaping aumentou para seis, com a morte de um morador do Kansas. Como nos outros casos, a morte do Kansas resultou de uma doença respiratória desconhecida ligada ao uso de vape. Não sabemos muito sobre o paciente que morreu no Kansas, exceto que o indivíduo tinha mais de 50 anos de idade e histórico de problemas de saúde, de acordo com um comunicado do hospital. No dia anterior, a Associação Médica Americana emitiu um aviso instando os americanos a parar de usar qualquer tipo de dispositivo vaporizador ou cigarro eletrônico. Até agora, não está claro que tipo de produto o paciente no Kansas consumiu.

Também nesta semana, um estudante do ensino médio do Texas entrou em colapso depois tragar uma caneta vape contendo cannabis. Segundo relatos, o aluno desmaiou imediatamente depois de usar o vape e não respondeu. As equipes de emergência transportaram o adolescente do Texas para um hospital infantil local. Em todo o país, os casos de doenças relacionadas aos vapes aumentaram para mais de 450.

Os reguladores não estão preparados para lidar com mudanças nas fórmulas de concentrado

Antes da popularização dos vapes, a maconha tinha um histórico de causar nenhuma morte por overdose. Por si só, a cannabis é muito segura. Mas agora, os produtos de cannabis reivindicaram pelo menos uma vida, mesmo que o THC não seja o culpado. Claramente, há algo nos cartuchos de vape causando doenças pulmonares graves. E atualmente, o melhor palpite dos especialistas é que algo é acetato de vitamina E.

O acetato de vitamina E também não é encontrado apenas em cartuchos de vape ilícitos. Você o encontrará em produtos de cannabis certificados que passaram nos testes exigidos pelos reguladores. Agências estatais, como a Comissão de Controle de Bebidas do Oregon, liberaram produtos para vapes com acetato de vitamina E para venda em lojas licenciadas. O acetato de vitamina E é um aditivo comum em líquidos para vapes.

Além disso, os fabricantes de extratos experimentam regularmente novas fórmulas concentradas, testando diferentes diluentes e espessantes. Os reguladores mal conseguem acompanhar. Existem até versões diferentes de acetato de vitamina E, e as agências estaduais realmente não exigem testes. Como resultado, variedades completamente não testadas de acetato de vitamina E estão acabando em cartuchos nas prateleiras das lojas de cannabis.

A indústria da cannabis responde à erupção de doenças e mortes relacionadas aos vapes

Entre esses temores crescentes de que produtos vape perigosos e mortais estão por toda parte, alguns na indústria de maconha estão tomando medidas. Em Portland, por exemplo, a Connoisseur Concentrates interrompeu a venda de sua linha de diluentes de concentrado “Clear Cut”. O Clear Cut, que dilui os óleos viscosos de cannabis, contém acetato de vitamina E, de acordo com o proprietário da empresa, Andrew Jones.

Em Michigan, uma empresa de cannabis está se beneficiando da decisão do governo de tirar cartuchos de nicotina dos cidadãos. Na semana passada, a governadora Gretchen Whitmer proibiu todos os produtos saborizados para cigarros eletrônicos. Mas, para aqueles que já compraram os produtos, duas empresas de cannabis se uniram para oferecer uma alternativa a eles.

A Greenhouse, um centro de fornecimento de maconha medicinal em Walled Lake, e a Platinum Vape, formaram uma parceria para doar US$ 50.000 em produtos de maconha. Por cinco dias, de 11 a 15 de setembro, a Greenhouse promove uma promoção em que as pessoas podem trazer qualquer produto de nicotina vape – mesmo que esteja vazio – e trocá-lo por produtos CBD ou THC sem nenhum custo. A Greenhouse vende apenas produtos de cannabis licenciados e testados em laboratório, incluindo suas canetas vaporizadoras com THC. Cidadãos sem cartão de cannabis medicinal também podem participar da promoção, mas receberão produtos de CBD, apenas, para troca pelos cartuchos de nicotina. “Acho que vaporizar THC ou CBD é muito melhor para você do que a nicotina“, disse o proprietário da Greenhouse, Jerry Millen.

Ainda não há causa definitiva para doenças pulmonares relacionadas aos vapes

As autoridades de saúde pública estão chegando lá, mas,  até o momento, não há causa definida para o número crescente de doenças relacionadas ao consumo de vapes. É por isso que especialistas em saúde nos Estados Unidos e no Canadá estão incentivando as pessoas a evitar vaporizadores, especialmente produtos não regulamentados e não testados, até que os cientistas possam fornecer uma resposta.

Para os consumidores de maconha – e de vaporizadores, a melhor coisa a fazer é garantir que saibam o que estão inalando quando vaporizam. Comprar de vendedores licenciados que podem mostrar resultados verificados de testes de laboratório e se certificar de saber o que está dentro do dispositivo são precauções, assim como evitar produtos com acetato de vitamina E. Como mostra a trágica morte no Oregon, isso não é infalível, mas aumentará suas chances de evitar uma visita ao hospital – ou coisa pior.

lazy placeholder O que se sabe até agora sobre as fatalidades envolvendo vapes nos EUA

Sobre Smoke Buddies

O Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!

Deixe seu comentário