O que há nesse CBD? Talvez não seja o que você pensa

produtos cbd eua O que há nesse CBD? Talvez não seja o que você pensa

Estudo realizado com produtos de CBD vendidos nos EUA revelou que algumas marcas apresentam muito menos canabidiol do que o indicado no rótulo e outras contêm metais pesados ou pesticidas. As informações são do USA Today e a tradução pela Smoke Buddies

O CBD está em todo lugar.

Em loções vendidas no shopping. No seu suco espremido na hora. Em guloseimas para cães que prometem efeitos calmantes.

lazy placeholder O que há nesse CBD? Talvez não seja o que você pensa

Mas existem poucos regulamentos e regras a respeito de produtos que contêm CBD, ou canabidiol, um composto da cannabis encontrado na maconha e em seu primo não intoxicante, o cânhamo. O teste não é necessário. Não há como saber com certeza se o produto contém a quantidade de CBD anunciada no rótulo — ou se está livre de chumbo, pesticidas e outras substâncias potencialmente perigosas.

O Cincinnati Enquirer, parte da rede USA TODAY Network, recentemente testou oito produtos de CBD para verificar se combinavam com o que o rótulo alegava.

Os resultados: a maioria dos produtos continha o CBD anunciado. Mas alguns tinham muito menos do que deveriam e três continham metais pesados ​​ou pesticidas.

Isso está de acordo com o que pesquisadores e defensores encontraram em experimentos semelhantes. Martin Lee, fundador da organização de defesa Project CBD, não espera que isso melhore tão cedo, mesmo com mais regulamentação da Administração Federal de Alimentos e Medicamentos (FDA) dos EUA.

“Esses produtos têm muitas coisas ruins que a FDA permite”, disse Lee. “O ônus da regulamentação está caindo nos estados”.

Leia: CBD é mais popular que Jesus, Kanye West, NBA, Taylor Swift e Beatles, mostram dados

Como testamos

A maconha continua sendo ilegal no nível federal, então cada um dos 33 estados que a legalizou de alguma forma teve que decidir o que testar e qual é uma quantidade aceitável. Não há padrões federais de teste de cânhamo.

O Ohio legalizou o cânhamo e, por consequência, o CBD derivado do cânhamo, em julho de 2019. Eventualmente, o Departamento de Agricultura de Ohio testará produtos de cânhamo para garantir que eles correspondam ao que é reivindicado no rótulo. A agência contratou três empresas, incluindo o laboratório consultado nesta história, para testar produtos antes da criação de um laboratório estadual.

Enquanto isso, a agência está verificando se os produtos estão fazendo alegações não testadas, como aliviar dores musculares ou ajudar as pessoas a adormecer.

O Enquirer comprou oito produtos de supermercados e uma tabacaria. Enviamos os produtos ao North Coast Analytical Lab, em Streetsboro, Ohio, que é licenciado pelo estado para testar a maconha medicinal e é credenciado para testar o cânhamo.

O laboratório realizou vários testes em cada produto:

  • canabinoides
  • solventes residuais como butano e propano
  • pesticidas
  • microbianos, incluindo levedura, mofo e salmonela
  • micotoxinas de fungos
  • metais pesados ​​como chumbo e arsênico

O que encontramos

Quatro dos produtos estavam dentro de 10% da quantidade de CBD listada no rótulo do produto. Um quinto produto testou 11% mais CBD do que a afirmação do rótulo.

Nenhum dos produtos continha microbianos como mofo ou micotoxinas, como a salmonela.

Quantidades vestigiais de pesticidas foram encontradas em dois produtos. Na pomada para pele Inesscents Salvation, os testes detectaram um par de substâncias que repelem insetos, butóxido de piperonil (26.071 ppb) e piretrina orgânica 1 (49.096 ppb). Ambos os valores ultrapassariam os padrões de produtos de maconha medicinal de Ohio.

As plantas de cannabis absorvem o que há na terra, na água e no ar — incluindo metais pesados.

Leia mais: Cultivo de cânhamo pode conter poluição nuclear em Palomares (Espanha)

Não há um nível aceitável desses metais para a cannabis, mas vários estados adotaram padrões baseados nos de água potável ou outros itens de consumo.

“Não existem dados conhecidos para algumas dessas coisas sobre a maconha”, disse Nick Szabo, diretor do laboratório da Costa Norte.

O chumbo foi encontrado em quantidades pequenas, mas mensuráveis, em dois produtos: cápsulas da Plus CBD Oil e no chocolate com menta da Sunsoil CBD Oil. O arsênico também foi encontrado nas cápsulas da Plus CBD. Todos os valores estavam abaixo dos limites para produtos de maconha medicinal de Ohio.

Nosso resultado principal de teste para o chocolate de menta da Sunsoil — 0,15 partes por milhão — foi mais do que os resultados de terceiros da empresa para o produto — 0,03 partes por milhão. Ambos os números estão abaixo do limite para suplementos nutricionais sob as regras da FDA.

“Existe uma grande variação de laboratório com os métodos atuais de teste de potência, e é por isso que testamos com três laboratórios de terceiros para garantir que estamos atendendo às reivindicações dos rótulos e fornecendo resultados de potência em nosso site para cada lote de óleo”, disse a Sunsoil em comunicado. “Garantimos que os consumidores estejam recebendo o que é reivindicado no rótulo (10 mg/mL) com base em nossos resultados de laboratório de terceiros”.

As cápsulas da Plus CBD Oil também continham 12,36 partes por bilhão do fungicida trifloxistrobina — acima do limite de 10 ppb de Ohio, entre os mais rigorosos do país. A EPA não considera o fungicida prejudicial aos seres humanos, mas pode causar uma reação alérgica na pele.

Além disso, a Plus CBD não respondeu a um e-mail solicitando comentários para esta história.

Pouco CBD, algum THC

Dois produtos registraram quantidades de CBD muito inferiores às anunciadas. Um produto — os chicletes da Infused Edibles’ Butterflies — tinha menos da metade do CBD anunciado.

Outro produto, o Green Roads Daily Dose Blueberry OG, continha apenas 0,71 mg de CBD; anunciava 7 mg. (O outro produto da Green Roads testado, uma goma em forma de sapo, foi um dos melhores produtos testados.)

Cachinhos Dourados: estudo mostra que produtos de CBD geralmente têm muito ou pouco CBD

Em comunicado, um porta-voz da Green Roads disse que a empresa “está atrás da qualidade e pureza de nossos produtos”. A empresa testa seus produtos em um laboratório certificado pelo estado na Flórida.

“As disparidades nos resultados dos testes podem ser causadas por uma variedade de fatores, incluindo diferenças nos procedimentos e padrões de teste, bem como na data de produção”, afirmou a empresa. “Como o CBD é um ingrediente natural, uma certa quantidade de variação nas concentrações é esperada”.

Metade dos produtos não continha THC, ou tetraidrocanabinol, o composto da cannabis responsável pela “alta” do consumo de maconha. A outra metade continha 0,3% de THC ou menos — esse é o limite federal e estadual para o CBD derivado do cânhamo.

Um produto vencido

As borboletas de goma da Infused Edibles, compradas em uma tabacaria, haviam vencido no mês anterior. Como o produto foi vendido atrás de um balcão, a data de validade impressa na embalagem não foi notada até mais tarde.

O Enquirer decidiu testar o produto de qualquer maneira, porque poderia ter sido vendido a outros consumidores. Os resultados dos testes mostraram pequenas quantidades de solventes residuais, incluindo etanol (655 partes por milhão) e acetona (48 partes por milhão). Os valores foram inferiores aos limites estabelecidos pelo setor.

A Infused Edibles questionou a presença de acetona, uma vez que não é usada em seu processo de produção nem armazenada em suas instalações de produção. A empresa interrompeu as borboletas, de acordo com o consultor de conformidade Ian Armstrong. Ele disse que se um cliente os contatasse sobre o produto vencido, ele o teria substituído por um novo.

“A Infused Edibles possui seguro de responsabilidade do produto, e parte dos requisitos para isso significa que a Infused Edibles deve ser capaz de executar tarefas como recalls e substituições”, disse Armstrong em um e-mail.

O que procurar

Portanto, se nada é regulamentado e os resultados dos testes variam, o que um consumidor pode fazer?

Lee, do Project CBD, ofereceu estas dicas:

compre de fontes preocupadas com a saúde — então provavelmente não é um posto de gasolina ou uma loja de conveniência,

  • leia os rótulos como faria com os rótulos dos alimentos e evite ingredientes incompletos,
  • evite produtos que alegam ser de sementes ou caules de cânhamo,
  • os produtos devem ter informações sobre como relatar efeitos negativos e
  • procure códigos QR que apontam para resultados de laboratório de testes independentes e de terceiros.
  • Lee alerta que os resultados não são uma garantia porque as empresas podem estar pagando um laboratório “independente” para obter os resultados desejados.

Cinco dos oito produtos tinham códigos QR vinculados aos resultados dos testes. Alguns estavam incompletos. Por exemplo, os resultados da pomada ‘hot freeze’ mostram apenas o CBD e outros canabinoides presentes — não se ela contém metais ou outras substâncias que as pessoas podem querer evitar.

Aviso médico

Por que importa se o produto possa conter menos CBD? Para começar, os clientes não estão recebendo o que pagam e os produtos geralmente não são baratos.

E torna difícil descobrir qual dose tomar e qual produto comprar. Alguém pode tentar um produto com rótulo errado de 50 mg sem resultados e depois gastar mais em um produto com mais CBD, quando a dose mais baixa poderia ter sido suficiente.

Essa é uma grande preocupação para o Dr. Kevin Hill, diretor de psiquiatria do vício no Beth Israel Deaconess Medical Center, em Boston, e professor de psiquiatria da Escola de Medicina de Harvard. Hill disse que há muitas promessas para o CBD para dor e ansiedade neuropáticas, principalmente em estudos pré-clínicos e em animais.

“Sou otimista quanto ao CBD, mas digo às organizações que elas precisam acionar os freios”, disse Hill. “A pesquisa não acompanhou o ritmo”.

Hill disse que a pesquisa clínica mostra que o CBD — em altas doses como o extrato de cannabis da Epidiolex — é benéfico para algumas condições pediátricas de epilepsia. A dosagem é inconclusiva para outros usos, disse ele, mas os estudos envolvem grandes doses nas centenas de miligramas por dia.

Isso é algo em que pensar antes de gastar US$ 5 por uma bebida com 5 mg de CBD.

“É um placebo”, disse Hill. “Não vai tratar uma condição médica”.

Leia também:

Nova marca da Colgate lança linha de produtos à base de CBD

#PraCegoVer: em destaque, fotografia em vista superior que mostra os produtos testados pelo estudo, em suas embalagens, sobrepostos e sobre uma superfície cinza-escuro perfurada, como uma chapa para degraus. Foto: Sam Greene | The Enquirer.

lazy placeholder O que há nesse CBD? Talvez não seja o que você pensa

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!