O Proibir Do Sagrado

freiras da maconha irmas valley quatro smoke buddies O Proibir Do Sagrado

Da boca aos dedos e à mente
Dos campos à liberação de fé
Do amor à Deusa ao que sente
A Cannabis renova o asé

Pelos conhecimentos obtidos
E pela luta por liberdade
Por irmãs e irmãos oprimidos
Pelo senso de sacralidade

Gratos a Ossaim por tal presente:
Permitir o cultivo do amor
A erva sagrada e potente
A quem cunhamos o nosso louvor

Quem proíbe a Mãe Natureza
Não entende seu lugar de ser
Não sabe contemplar a beleza
De ver a nossa planta florescer

Tal proibir é anti-natural
É desrespeito com o sagrado
Gera esse abismo social
Racista, perverso e errado

Leia também:

Literatura Sativa: Anos de Luta

#PraCegoVer: Fotografia mostra em primeiro plano a silhueta de uma mulher segurando um amarrado de ervas utilizado para defumar ambiente

lazy placeholder O Proibir Do Sagrado

Sobre Douglas Fortunato

Estudante de Filosofia no Rio de Janeiro, na UERJ, 23 anos e recém chegado na militância da causa canábica.
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!
[mailpoet_form id="2"]
Deixe seu comentário