Cidade de Nova York abre os primeiros locais de consumo seguro de drogas ilegais nos EUA

seringas Cidade de Nova York abre os primeiros locais de consumo seguro de drogas ilegais nos EUA

Os dois primeiros locais começaram a operar nessa terça-feira em instalações existentes que prestam serviços de troca de seringas; um estudo de viabilidade conduzido pelo departamento de saúde da cidade descobriu que os locais de consumo seguro poderiam salvar até 130 vidas por ano. Para defensores, a ação é de extrema relevância na luta contra a crise de overdoses que assola o país. As informações são do Marijuana Moment, traduzidas pela Smoke Buddies

A cidade de Nova York é oficialmente a primeira jurisdição nos EUA a abrir locais de consumo seguro onde as pessoas podem usar drogas atualmente ilícitas em um ambiente com supervisão médica e receber recursos de tratamento.

É um serviço de redução de danos que os defensores há muito argumentam que pode desempenhar um papel crítico na redução da crise de overdoses. Outras cidades como Filadélfia e San Francisco moveram-se para permitir locais de consumo seguros, mas desafios legais e políticos impediram a abertura das instalações.

gravital sb Cidade de Nova York abre os primeiros locais de consumo seguro de drogas ilegais nos EUA

Os dois primeiros locais começaram a operar nessa terça-feira, localizados em instalações existentes que prestam serviços de troca de seringas, anunciou o gabinete do prefeito Bill de Blasio (D).

“A cidade de Nova York liderou a batalha nacional contra a Covid-19, e a luta para manter nossa comunidade segura não para por aí. Após um estudo exaustivo, sabemos o caminho certo a seguir para proteger as pessoas mais vulneráveis ​​em nossa cidade. E não hesitaremos em aceitá-lo”, disse de Blasio em um comunicado à imprensa.

“Os centros de prevenção de overdose são uma forma segura e eficaz de lidar com a crise de opioides”, disse ele. “Tenho orgulho de mostrar às cidades deste país que, após décadas de fracasso, uma abordagem mais inteligente é possível.”

Resta saber como o Departamento de Justiça federal abordará os novos centros. Sob a administração Trump em 2019, o DOJ processou para bloquear uma organização sem fins lucrativos da Filadélfia, Safehouse, de abrir um local de injeção seguro. Em outubro, a Suprema Corte rejeitou um pedido para ouvir um caso sobre a legalidade de estabelecer as instalações.

Leia também: Cidade do Porto financia sala de consumo assistido de drogas

O atual secretário do Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS) dos EUA, Xavier Bacerra, sinalizou recentemente que o governo Biden não iria bloquear o estabelecimento de locais seguros para injeção, enfatizando que “estamos literalmente tentando dar aos usuários uma corda de salvamento”.

Mas um porta-voz do departamento mais tarde retrucou esses comentários, afirmando que “o HHS não tem uma posição sobre locais de consumo supervisionados” e a “questão é uma matéria de litígio em andamento”. Em qualquer caso, caberia ao DOJ decidir se deve perseguir os operadores das instalações de acordo com o Ato de Substâncias Controladas.

Bacerra estava entre os oito principais oficiais de aplicação da lei estaduais que entraram com um pedido de amicus em apoio ao plano do local de injeção segura da Safehouse quando ele atuou como procurador-geral da Califórnia.

Os defensores colocaram a situação atual em termos inequívocos. Eles dizem que os centros de redução de danos podem significar a diferença entre a vida e a morte para inúmeros americanos que consomem drogas atualmente ilegais.

Especificamente na cidade de Nova York, o departamento de saúde conduziu um estudo de viabilidade que descobriu que os locais de consumo seguro poderiam salvar até 130 vidas por ano.

Leia: Como a Suíça derrotou uso descontrolado de heroína facilitando acesso à droga nos anos 1990

“A epidemia de overdose nacional é um alarme de incêndio em saúde pública, e temos que enfrentar esta crise em simultâneo com a nossa luta contra a Covid”, disse o Comissário de Saúde Dave Chokshi. “Oferecer às pessoas um espaço seguro e de apoio salvará vidas e tirará as pessoas das ruas, melhorando a vida de todos os envolvidos. Os centros de prevenção de overdose são uma parte fundamental de uma redução de danos mais ampla”.

As organizações sem fins lucrativos New York Harm Reduction Educators e Washington Heights Corner Project administrarão as operações com planos de fusão e expansão sob o nome OnPoint NYC.

Em geral, o governo Biden promoveu o conceito de redução de danos como parte de sua política de drogas, mas não considerou formalmente os locais de consumo seguro em particular.

Chokshi disse ao The New York Times que teve “conversas produtivas” com autoridades estaduais e federais e sente que as instalações da cidade de Nova York terão permissão para operar com base em “um senso comum de urgência” para conter a crise de overdose.

É hora de acabar com a “aura de ilegalidade” para as drogas, disse importante autoridade de saúde dos EUA

Enquanto isso, o promotor distrital de Manhattan, Cyrus Vance Jr., disse que “sempre tentamos encontrar o equilíbrio certo entre fiscalização, reabilitação e prevenção”.

“Eu preferia que as pessoas que vão injetar façam isso em um local seguro e protegido ao invés de um banheiro do McDonald’s, um beco ou uma escada de metrô”, disse ele.

A complicação legal para esses locais de redução de danos está principalmente relacionada ao chamado “estatuto da casa de crack”, que torna crime usar um local para a fabricação, distribuição ou consumo de substâncias controladas.

“Aplaudimos o prefeito de Blasio por mostrar liderança na luta contra overdoses mortais na cidade de Nova York, movendo-se para estabelecer pilotos do Centro de Prevenção de Overdose em meio ao pior ano de mortes por overdose em Nova York”, disse Kassandra Frederique, diretora executiva da Drug Policy Alliance.

“Enquanto outros políticos apontaram para a falta de clareza na posição do Departamento de Justiça sobre os centros de prevenção de overdose como uma desculpa para a inércia, o prefeito afirmou claramente que salvar vidas é mais importante para a cidade de Nova York”, disse ela.

Veja também: Por uma política de drogas que acolha

Michael Botticelli, o ex-diretor do Escritório de Política Nacional de Controle de Drogas (ONDCP) sob o governo Obama, disse ao Times que “muitas cidades estão esperando que alguém vá primeiro, especialmente para ver qual será a reação do Departamento de Justiça federal”.

“É extremamente importante, não apenas do ponto de vista da saúde pública, mas para outras comunidades em todo o país que têm contemplado isso, poder apontar para a cidade de Nova York e dizer que estamos fazendo isso nos Estados Unidos”, disse Botticelli, que estava em uma posição para fornecer orientação sobre essas questões de redução de danos durante o mandato.

O atual chefe do ONDCP, Rahul Gupta, enfrentou críticas de defensores por causa de seu histórico de redução de danos. Como comissário do Escritório de Saúde Pública do Departamento de Saúde e Recursos Humanos da Virgínia Ocidental, ele supervisionou o cancelamento da certificação de um programa de acesso a seringas que foi projetado para mitigar a propagação de doenças como o HIV e oferecer recursos para pessoas com transtornos por uso indevido de substâncias.

À medida que a discussão nacional em torno das políticas de drogas e do uso indevido de substâncias continua a evoluir, o apoio aos centros de redução de danos se expandiu para fora dos círculos tradicionais de advocacy.

Uma coalizão de 80 atuais e ex promotores e oficiais de aplicação da lei — incluindo um que foi escolhido por Biden para procurador dos EUA em Massachusetts — também entrou com uma petição instando a Suprema Corte a assumir o caso de consumo seguro de Safehouse.

Embora a cidade de Nova York seja a primeira a abrir centros de redução de danos, o governador de Rhode Island assinou um projeto de lei histórico em julho para estabelecer um programa-piloto de local de consumo seguro.

Os legisladores de Massachusetts propuseram legislação semelhante no ano passado, mas ela não foi promulgada.

Um projeto de lei de redução de danos semelhante na Califórnia, patrocinado pelo senador Scott Wiener (D), foi aprovado no Senado estadual em abril, mas as ações posteriores foram adiadas até 2022.

Leia mais:

Projeto de lei da Califórnia (EUA) propõe pagar usuários de metanfetamina para ficarem sóbrios

#PraTodosVerem: fotografa, em fundo castanho-claro, mostra o punho e mão de uma pessoa que, usando luva branca, segura três seringas descartáveis de graduações diferentes com os êmbolos voltados para cima. Foto: Karolina Grabowska | Pexels.

smokebuddies logo2 Cidade de Nova York abre os primeiros locais de consumo seguro de drogas ilegais nos EUA

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!