Nos EUA, maconha é tempero; no Brasil, capim é comida

maconha tempero comida eua Nos EUA, maconha é tempero; no Brasil, capim é comida

“Por aqui, os ditos ‘liberais’ têm um apego irremediável ao autoritarismo. Enquanto os gringos temperam a comida com maconha, os brasileiros preferem comer capim sem sal”, comenta o colunista Marcos Nogueira do blog Cozinha Bruta, da Folha de S.Paulo, sobre o guia da cannabis na culinária da Food & Wine

Recebi, na newsletter da Food and Wine — uma das maiores revistas de gastronomia dos Estados Unidos —, o link para uma reportagem intitulada Guia da Cannabis Culinária.

O texto começa com a descrição, pela repórter Amanda M. Faison, de um jantar para 180 pessoas em Nova York, em que todos os pratos tinham a maconha como ingrediente. Algumas comidas davam barato, outras não. Sobre o carpaccio de polvo, por exemplo, a flor da cannabis — parte da planta que se usa para fumar — era delicadamente ralada à mesa, como se fosse trufa ou um bom parmigiano-reggiano.

lazy placeholder Nos EUA, maconha é tempero; no Brasil, capim é comida

Seguem receitas maconheiras diversas. Rabanada com manteconha (manteiga de maconha). Rigatoni com vôngole, pimenta e maconha. Bolo com infusão cítrica de maconha e caramelo.

Mais adiante, dicas de produtos turbinados com Cannabis — azeite de oliva, mel — e um texto sobre um restaurante de Los Angeles especializado na culinária canábica.

Para um brasileiro, a matéria é absolutamente inútil. Nada do que está escrito lá pode ser feito aqui. Vale a leitura, contudo, pelo assombro. Parece uma revista feita em outro planeta.

Leia: Renomado chef asiático fala sobre culinária canábica e cogumelos mágicos

“Na última década, a Cannabis invadiu o mainstream e a mesa de jantar”. Só se for na sua casa, cara-pálida! Por aqui, ainda se discute se a legalização da maconha medicinal não vai perverter e subverter a tradicional família católica cara-de-pau brasileira.

Enquanto lá o garçom rala um camarão de maconha em cima do polvo do bacana, aqui a polícia desce a porrada e prende quem fuma um baseadinho. Na periferia, é claro; aqui no Sumaré, os meganhas não querem encrenca com a garotada branca que queima a erva ilegal sem disfarce algum.

A Food and Wine traz alguns números interessantes sobre a participação da Cannabis na sociedade e na economia dos EUA. O mercado de bebidas enriquecidas com Cannabis movimentou US$ 1,4 bilhão (valor estimado) no ano passado. Entre 2018 e 2019, o setor de alimentos maconhados cresceu 27,5%.

Mais relevante, 66% dos norte-americanos apoia a legalização da diamba, do bagulho, do cigarrinho-de-artista — algo que já é realidade, inclusive para fins recreativos, em 11 estados (incluindo Califórnia e Illinois). Olha que estamos falando de um país governado por Donald Trump, o Nero Laranja.

A despeito da orientação política, o povo dos EUA pratica o liberalismo que prega; ninguém se mete na vida de ninguém. Fuma quem quiser, transa quem quiser com quem bem entender, desde que sem danos a terceiros nem dedo no olho.

Por aqui, os ditos “liberais” têm um apego irremediável ao autoritarismo. Enquanto os gringos temperam a comida com maconha, os brasileiros preferem comer capim sem sal.

Aliás, tive recentemente meu primeiro encontro tête-à-tête com uma a planta viva de Cannabis. A bicha é cheirosinha, viu? O manjericão que se cuide.

Leia mais:

Chefs e bartenders de Chicago (EUA) veem uma oportunidade na maconha, e no CBD

#PraCegoVer: em destaque, fotografia em vista superior que mostra os dedos do chef Miguel Trindad ralando uma flor de maconha sobre um carpaccio de polvo. Foto: Stefen Ross.

lazy placeholder Nos EUA, maconha é tempero; no Brasil, capim é comida

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!