No Canadá, grupo distribui comestíveis de cannabis para conter o uso de opioides

biscoitos No Canadá, grupo distribui comestíveis de cannabis para conter o uso de opioides

Apoiadores dizem que o programa ajuda a quebrar o ciclo do vício através da terapia de substituição. As informações são da CBC News

Todas as segundas-feiras, Chris Backer deixa sua casa em Sackville, na província de Nova Brunswick, e se dirige ao extremo norte de Halifax para distribuir pacotes de comestíveis de cannabis.

Ele e seu pequeno grupo de voluntários do Programa de Substituição de Cannabis da Costa Leste passam a semana anterior ao dia da entrega enchendo as sacolas com um menu de itens que muda constantemente.

site sb No Canadá, grupo distribui comestíveis de cannabis para conter o uso de opioides

Quando a CBC News o visitou, os pacotes incluíam um kit para baseado “enrole você mesmo”, cápsulas, uma goma, biscoitos, chocolate e até um hambúrguer.

Backer e os outros voluntários esperam que ter acesso a comestíveis ajude a afastar os usuários de drogas mais perigosas.

“Está quebrando o ciclo do vício”, disse ele. “Foi comprovado que a cannabis tem muito sucesso e é um complemento para tentar ajudar a vencer o vício”.

No entanto, o Dr. Samuel Hickcox, médico-chefe da medicina de vícios da Nova Scotia Health, disse que não há “evidências científicas de alta qualidade” que apoiem ​​o programa de substituição.

Ele disse que embora existam dados observacionais que mostram uma diminuição na frequência da injeção de opioides em grupos de pessoas que fumam cannabis e injetam opioides, não há estudos experimentais que mostrem uma correlação.

Leia mais: Mortes por opioides caem em estados americanos onde a maconha é legalizada

“Uma alternativa não comprovada”, diz o médico

Hickcox está preocupado com a possibilidade de as pessoas serem encorajadas a parar de usar medicamentos comprovados para o tratamento da dependência de opioides em favor da cannabis.

“Isso realmente me preocupa porque sabemos que as pessoas que têm um vício em opioides, se estiverem tomando medicamentos como Suboxone ou metadona, terão melhoras em sua saúde. Eles têm muito menos probabilidade de ter overdoses fatais”, disse ele.

“Se tirarmos isso das pessoas oferecendo uma alternativa não comprovada, corremos o risco de realmente causar mais danos do que benefícios”.

Backer, que é um defensor da cannabis há mais de uma década, se inspirou para iniciar o projeto em Halifax depois de ver o trabalho do Projeto de Substituição de Cannabis em British Columbia.

Ele disse que queria fazer a diferença e ajudar a salvar vidas.

O programa foi recentemente registrado como uma sociedade sem fins lucrativos e conta com uma equipe de voluntários com suprimentos pagos por meio de doações.

Backer disse que não tem certeza de quanto vale cada bolsa porque a maior parte do conteúdo é doada.

Ele disse que muitas das pessoas que oferecem seu tempo e doam suprimentos e dinheiro têm se beneficiado com a cannabis e estão apenas tentando ajudar outras pessoas.

“Muitos de nós saímos do nosso próprio vício por causa da cannabis. Então é uma daquelas coisas que se você sabe que funciona, como você pode não ajudar as pessoas com isso?”, ele disse.

Backer disse que nem todos que recebem os pacotes os usam como substitutos de outras substâncias — e para ele está tudo bem.

“Sabemos que funciona para a dor. E se eu também puder tornar a vida das pessoas um pouco melhor assim, quero dizer, não sou avesso a isso”, disse ele.

Leia mais: O uso de maconha é eficaz na redução de danos, segundo estudos

Mais de 200 pacotes distribuídos toda segunda-feira

Julien Carette lutou contra o vício a maior parte de sua vida e atualmente usa metadona.

Ele trabalha com grupos que ajudam pessoas que usam drogas e tenta estar na área da antiga Escola St. Patrick’s-Alexandra às segundas-feiras sempre que pode. O grupo de Backer distribui seus pacotes no lado de fora do prédio abandonado, que fica a uma curta caminhada de uma clínica de metadona e serviço de troca de seringas.

Carette disse que não está usando os alimentos como um substituto, mas sim para lidar com a dor após dois acidentes recentes.

“As drogas não são um grande problema para mim ultimamente, o que é ótimo”, disse ele. “Tenho trabalhado e estou em ascensão”.

Backer disse que o grupo está distribuindo mais de 200 pacotes todas as segundas-feiras, mas ele gostaria de poder oferecer os alimentos gratuitamente mais de uma vez por semana, porque a necessidade existe.

“Os kits, em minha opinião, não duram uma semana para a maioria das pessoas”, disse ele.

“Mas para muitas pessoas que estão lutando contra um vício mais pesado, quero dizer, doses mais fortes do que as que estou fornecendo seriam melhores.”

É uma crença compartilhada por Carette, que acredita que um maior acesso aos produtos de cannabis ajudaria a libertá-lo do vício.

“Se eu tivesse acesso a isso todos os dias, eu usaria todos os dias”, disse ele.

Leia mais: Maconha comestível para uso medicinal agora é legal na Flórida (EUA)

Regulamentos do Ato da Cannabis

Com o Ato da Cannabis permitindo a posse e o compartilhamento de até 30 gramas de cannabis com adultos, Backer disse que não há impedimento legal para ele distribuir os comestíveis gratuitamente.

Ele disse que falou com a polícia e eles entenderam que ele “não estava tentando causar um problema, apenas tentando ajudar”.

Backer e o programa de substituição planejam continuar distribuindo suas sacolas de comestíveis durante o inverno no mesmo local.

Hickcox disse ser a favor de qualquer programa desenvolvido para ajudar as pessoas, mas espera que as pessoas estejam cientes dos perigos potenciais.

“Eu apenas diria que temos que proceder com cautela”, disse ele.

“Também temos que reconhecer que consumir cannabis tem certos riscos associados”.

Leia também:

“Há um grande preconceito na classe médica em relação à cannabis medicinal”

#PraCegoVer: fotografia (de capa) da boca de um pote transparente cheio de biscoitos em formatos de estrela e coração, com uma face de cor verde e açucarada, e um fundo desfocado de objetos vermelhos e brancos. Imagem: Jill Wellington | Pixabay.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!