No Canadá, construtores estão trocando cimento por cânhamo

construtores trocam cimento por canhamo No Canadá, construtores estão trocando cimento por cânhamo

Empresas de construção estão substituindo o cimento tradicional por concreto feito de cânhamo como uma alternativa mais ecológica ao meio ambiente, visando reduzir a poluição emitida em uma obra

Os campos de cânhamo que brotam em uma parte do Canadá mais conhecida por sua gigante reserva de petróleo mostram como as mudanças climáticas têm transformado o setor de construção.

Seis anos depois de se estabelecer à sombra do campo de petróleo de Calgary, Mac Radford, 64 anos, diz que não consegue atender todos os pedidos de materiais ecológicos de construtoras que tentam diminuir suas pegadas de carbono. Seu negócio, a JustBioFiber Structural Solutions, está na vanguarda das empresas que usam o cânhamo – o tedioso primo da maconha, sem substâncias psicoativas – para mitigar os gases de efeito estufa que causam o aquecimento global, segundo artigo da Bloomberg.

lazy placeholder No Canadá, construtores estão trocando cimento por cânhamo

#PraCegoVer: Fotografia de tijolos de cânhamo na Just BioFiber

Em todo o mundo, construtoras estão usando soluções modernas em métodos de construção antigos que empregam o saudável cânhamo. Engenheiros romanos usavam as fortes fibras da planta na argamassa que misturavam para sustentar pontes. Mais recentemente, o ex-consultor da Casa Branca Steve Bannon considerou o uso do chamado concreto de cânhamo para construir paredes. Os primeiros resultados indicam que é possível explorar a demanda por alternativas mais limpas ao cimento.

“Temos muito mais demanda do que podemos atender”, disse Radford, em sua fábrica em Airdrie, que está em expansão e logo espera produzir um volume anual de tijolos de cânhamo suficiente para construir 2.000 casas.

Leia mais: Maconha vs. Cânhamo, o que você precisa saber

Poluição

Emissões de aço, cimento e edificações superam carros e caminhões em 2017. Alternativas mais verdes ao cimento aumentam a pressão sobre empresas como LafargeHolcim e Votorantim Cimentos, diante dos esforços globais para reduzir as emissões.

Fabricantes de cimento são responsáveis por cerca de 7% do dióxido de carbono global emitido na atmosfera todos os anos. Os fabricantes dizem que é um desafio encontrar mercados para alternativas mais ecológicas, abrindo caminho para empreendedores como Radford, que atendem a clientes preocupados com o impacto de seus negócios no planeta.

“Eles adoram quando entendem”, disse Radford sobre os construtores que conheceram e adoraram os tijolos modulares e intertravados que ele inventou para seus projetos. “Precisamos mudar nossas antigas práticas”.

Enquanto arquitetos e desenvolvedores tradicionalmente se concentram na energia usada por seus edifícios quando estão prontos, na verdade são os materiais utilizados em sua construção que representam o impacto da pegada de carbono de forma vitalícia em sua estrutura. Substituir materiais de alta intensidade de carbono, como cimento, por alternativas mais ecológicas, como cânhamo, pode reduzir drasticamente ou até compensar a poluição e gases de efeito estufa.

lazy placeholder No Canadá, construtores estão trocando cimento por cânhamo

#PraCegoVer: Fotografia do cânhamo cru antes de ser transformado em tijolos.

Absorção de Carbono

Os campos de cânhamo absorvem carbono quando estão crescendo. Após a colheita, secas e misturada com cal ou argila, sua absorção continua com os gases de efeito estufa. As estruturas de cânhamo também apresentam melhor ventilação, resistência ao fogo e regulação da temperatura.

Em toda indústria da construção civil, os números variam dependendo do processo, mas a Just BioFiber diz que o cânhamo captura 130 Kg de dióxido de carbono por cada metro cúbico construído. Essas estruturas feitas com seus tijolos sequestram mais gases de efeito estufa do que emitem na produção. Em contrapartida, cada tonelada de cimento produzido emite meia tonelada de dióxido de carbono, de acordo com a Associação Europeia de Cimento.

Leia também: Cânhamo vira alternativa ao concreto na Costa Rica

Desenvolvido na França há mais de 30 anos, o cânhamo foi usado inicialmente para a renovação de casas antigas, pois misturava pedra e cal. Isso progrediu para novas casa, escritórios e prédios municipais, com até sete andares, de acordo com Quentin Pichon, fundador da Can-Ingenieurs Architectes, especializada em construções com cânhamo.

O cultivo de cânhamo na França vem crescendo na última década como resultado de um aumento no uso na construção, mas também porque as mesmas plantas podem ser usadas para produzir canabidiol, disse Pichon. As vendas de cânhamo no Canadá podem chegar a US$ 1 bilhão em cinco anos,frente aos US$ 140 milhões no ano passado, segundo o Instituto de Tecnologia do Norte de Alberta.

Leia também:

LEGO feito com bioplástico de cânhamo? Nem em 2030!

#PraCegoVer: Em destaque (fotografia de capa) tijolos feitos de cânhamo empilhados um sobre o outro durante uma construção.

lazy placeholder No Canadá, construtores estão trocando cimento por cânhamo

Sobre Dave Coutinho

Carioca, Maconheiro, Ativista na Luta pela Legalização da Maconha e outras causas. CEO "faz-tudo" e Co-fundador da Smoke Buddies, um projeto que começou em 2011 e para o qual, desde então, tenho me dedicado exclusivamente.
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!

Deixe seu comentário