Agência federal dos EUA quer criar dose padrão de THC para produtos de maconha

buds flores weedporn Agência federal dos EUA quer criar dose padrão de THC para produtos de maconha

Segundo diretora da agência, ter uma dose padrão de THC em estudos é um passo importante para se entender melhor os efeitos da cannabis na população. Com informações do Marijuana Moment e tradução Smoke Buddies

Uma agência federal de saúde de ponta nos EUA está solicitando informações sobre uma proposta para estabelecer uma dose padronizada de THC em produtos de maconha para garantir consistência entre os estudos sobre os potenciais benefícios e riscos terapêuticos da cannabis.

Em um comunicado publicado pelo Instituto Nacional sobre Abuso de Drogas (NIDA) nesta segunda-feira, a agência disse que pouco se sabe sobre o impacto da variação da potência do THC, e a criação de uma unidade padrão pode ajudar a resolver esse problema. Dito isto, o aviso reconhece que a maconha contém outros compostos que podem complicar qualquer padronização, além de problemas decorrentes de diferentes métodos de consumo.

Mesmo assim, “essa unidade é essencial para a realização de pesquisas rigorosas sobre a cannabis”, disse o NIDA.

“Reconhecendo que uma medida perfeita pode não ser alcançável no momento atual, o NIDA ainda acredita que uma dose padrão melhoraria as medidas dos resultados em relação à exposição; e, portanto, poderia informar políticas e estratégias de saúde pública sobre o uso de cannabis”, afirma o comunicado, acrescentando que a agência está analisando uma dose de THC de cinco miligramas como unidade padronizada.

Potência ideal de comestíveis de maconha: até 5 mg de THC, diz estudo de empresa canadense

A diretora do NIDA Nora Volkow discutiu a importância de estabelecer essa unidade em comentários publicados na revista Addiction no mês passado.

Citando pesquisas que exigem um padrão de THC de cinco miligramas, Volkow disse que concorda com a conclusão do estudo, apesar dos fatores complicadores. Esses fatores incluem possíveis problemas relacionados ao efeito de ter produtos de cannabis com o mesmo nível de THC, mas diferentes concentrações de outros canabinoides, como o CBD.

Além disso, diferentes vias de administração podem apresentar problemas para garantir a consistência da pesquisa. Não está claro como os efeitos de uma unidade de THC de cinco miligramas difeririam entre os produtos de maconha consumidos via forma fumável, vaporização, comestíveis ou tópicos.

O aviso também pede informações sobre os requisitos de rotulagem para produtos de cannabis. Mas, embora isso possa ajudar em estudos observacionais ou epidemiológicos, um padrão federal para rótulos não seria possível enquanto a maconha continuar sendo uma substância proibida. O secretário de saúde e serviços humanos do governo Trump falou sobre esse problema, que se aplica aos rótulos de advertência no ano passado.

As complexidades da pesquisa além de ter uma medida padronizada de THC “dificilmente negam o valor” de definir uma, disse Volkow em seu comentário. “De fato, ter e usar esse padrão é um pré-requisito para comparar os efeitos de vários produtos de cannabis na biodisponibilidade do THC, na farmacocinética e nos efeitos farmacológicos, que é um conhecimento fundamental para estudos relacionados ao uso medicinal da cannabis”.

“Embora a cannabis continue sendo uma substância ilícita nos Estados Unidos, a legalização expandida pelos estados exige que desenvolvamos a base de conhecimento que pode ajudar os estados a desenvolver políticas para minimizar o risco das exposições à cannabis, como limites no conteúdo de THC dos produtos de cannabis”, ela disse.

Leia: O THC sai no suor? Fazer exercício antes de um teste de maconha pode não ajudar, entenda

Devido à falta de padronização, ela disse que os estudos geralmente mostram resultados conflitantes quando se trata de perguntas sobre como a cannabis afeta o desenvolvimento do cérebro e as condições de saúde mental, por exemplo. Também há uma falta de consistência na pesquisa comparando os efeitos da maconha com alto e baixo teor de THC.

No estudo de Volkow, os autores disseram que examinaram “dados experimentais e ecológicos, considerações de saúde pública e políticas existentes” para determinar que cinco miligramas de THC deveriam ser a unidade padrão.

A diretora disse em seu comentário que, apesar das “múltiplas advertências e complexidades, o uso de uma dose unitária padrão de THC em pesquisas é um passo importante para melhorar nossa capacidade de entender os efeitos da cannabis na população”.

aviso do NIDA pede submissões por e-mail da “comunidade de pesquisa científica e de outras partes interessadas” até 1º de maio.

Volkow falou sobre a importância de otimizar e aprimorar a pesquisa sobre a cannabis, e atribuiu uma culpa parcial à falta de estudos sobre a restritiva classificação federal da maconha.

Embora ainda não se saiba quando esse impedimento fundamental será resolvido, a Drug Enforcement Administration anunciou na semana passada que está propondo uma regra que permitiria expandir o número de fabricantes autorizados de cannabis para fins de pesquisa.

Leia também:

Além do THC e CBD: a ciência dos canabinoides e o cérebro

#PraCegoVer: em destaque, foto em plano fechado de um bud de cannabis, próximo a outro menor e vestígios de flores, no que parece ser o fundo de um recipiente de vidro redondo e transparente sobre uma superfície branca. Imagem: WeedPornDaily | Flickr.

lazy placeholder Agência federal dos EUA quer criar dose padrão de THC para produtos de maconha

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!