“Não dirija sob efeito de maconha, mesmo se estiver sendo perseguido por um homicida”

campanha psicopata direcao “Não dirija sob efeito de maconha, mesmo se estiver sendo perseguido por um homicida”
Newsletter Open Green

Uma fatídica campanha do governo dos EUA para deter a direção sob efeito de maconha está chegando à TV. A mensagem? “Mesmo se você estiver sendo perseguido por um psicopata com um machado, não dirija chapado”. Com informações traduzidas pela Smoke Buddies do Marijuana Moment

O anúncio, uma parceria entre a Administração Nacional de Segurança do Tráfego Rodoviário (NHTSA) e o Ad Council (Conselho de Anúncios), é o primeiro comercial de TV desenvolvido pela Vox Creative, o braço de publicidade da Vox Media. Nele, dois homens fogem para salvar suas vidas de um suposto assassino, esquivando-se de golpes de machado enquanto recitam razões para não dirigir chapado.

Os homens finalmente encontram um veículo para escapar da cena, mas o motorista faz uma pausa antes de girar a chave na ignição. “Espere, espere, espere”, diz ele. “Eu não posso dirigir. Eu estou chapado”.

lazy placeholder “Não dirija sob efeito de maconha, mesmo se estiver sendo perseguido por um homicida”

(Não se preocupe. As duas supostas vítimas de assassinato trocam de lugar e acabam fugindo em segurança enquanto a sóbria comanda o volante.)

 

campanha do Ad Council também inclui anúncios de rádio e on-line. Uma versão de 30 segundos do vídeo será exibida na TV, enquanto uma versão mais longa de 80 segundos (incorporada acima) supostamente será exibida no Vox.com e no mercado de anúncios da marca, o Concert.

“Muitos usuários de maconha não veem problemas em dirigir após o uso, mas a pesquisa mostra que a maconha pode diminuir o tempo de reação, prejudicar o julgamento da distância e diminuir a coordenação — todas as habilidades necessárias para a operação segura de um veículo”, disse o Ad Council em uma declaração que acompanha o novo vídeo. “Nossa campanha visa jovens de 18 a 35 anos, muitos dos quais rejeitam os estereótipos comuns dos usuários de maconha”.

Estereótipos ou não, a campanha lembra aos consumidores que dirigir sob a influência da maconha é ilegal em todos os 50 estados dos EUA — mesmo que a própria cannabis seja legal em um número crescente deles.

“As regras sobre o uso da maconha podem ser confusas”, diz o site. “Mas quando se trata de usar maconha e dirigir, tudo que você precisa lembrar é uma regra: dirigir com deficiência é ilegal em todos os lugares”.

Além dos anúncios em vídeo e rádio, o impulso de conscientização também inclui várias sinalizações autoconscientes com mensagens como “Este é um anúncio que diz que você não deve dirigir chapado”.

À medida que mais estados consideraram legalizar a maconha nos últimos anos, a segurança nas rodovias se tornou um dos principais focos. Os oponentes costumam argumentar que o aumento dos riscos nas rodovias é suficiente para pisar no freio da reforma.

Em um exemplo típico, o conselho editorial do Washington Post em 2014 se opôs à legalização em Washington, DC, citando “consequências negativas, incluindo o aumento de instâncias de direção prejudicada”.

Embora o comprometimento, sem dúvida, aumente o perigo dos motoristas para si e para outros, alguns críticos se queixaram de que os riscos de dirigir com deficiência por maconha foram exagerados, usados ​​como uma tática de medo para reprimir a reforma da cannabis. Eles argumentam que as pesquisas sobre cannabis e direção ainda são escassas e conflitantes, e que o efeito da droga na direção empalidece em comparação com o álcool e algumas drogas prescritas.

Leia mais: Testar motoristas para cannabis é difícil, veja o porquê

Um relatório encomendado pelo Congresso e publicado no ano passado põe em dúvida os terríveis avisos de direção prejudicada pelo THC. “Embora estudos de laboratório tenham mostrado que o consumo de maconha pode afetar o tempo de resposta e o desempenho motor de uma pessoa, estudos sobre o impacto do consumo de maconha no risco de um motorista se envolver em um acidente produziram resultados conflitantes, com alguns estudos encontrando pouco ou nenhum risco aumentado de um acidente devido ao uso de maconha”, escreveu o Serviço de Pesquisa do Congresso.

A NHTSA, parte do Departamento de Transportes, há muito tempo reconhece que a concentração de THC nos níveis sanguíneos dos motoristas não se correlaciona com o comprometimento do motorista. (A campanha ainda inclui esse fato em seu site. “Ao contrário do álcool, não há correlação entre o aumento do nível de THC e o comprometimento do motorista”, diz o documento. Mas isso não significa que é seguro dirigir ‘alto’: “Alguns estudos descobriram que déficits de pico de desempenho são observados muito tempo após o pico do nível de THC”.)

A falta de uma correlação clara entre maconha e direção prejudicada foi suficiente para forçar algumas jurisdições a reconsiderar os limites de THC per se, sob os quais os motoristas podem ser acusados ​​de um DUI (direção sob influência) com base na quantidade de THC no sangue, independentemente de qualquer evidência real de comprometimento.

Na Pensilvânia, no mês passado, os parlamentares apresentaram um projeto de lei que forçaria a polícia a provar a deficiência. A legislação isentaria os pacientes de maconha medicinal da lei existente de DUI do estado, e a polícia teria que demonstrar que a direção de um paciente está realmente prejudicada pela droga.

Enquanto isso, o Congresso está tomando medidas para exigir que os estados estudem os impactos da direção prejudicada pela maconha. A legislação introduzida no mês passado forçaria os estados que legalizaram a cannabis, e somente esses, a considerar como educar e desencorajar as pessoas de dirigirem ‘altas’. Os defensores questionaram essa abordagem, observando que, embora a direção prejudicada seja uma questão importante, ela não se limita aos estados com cannabis legal.

No início deste mês, a Câmara dos Representantes dos EUA votou em várias medidas relacionadas à direção prejudicada pela maconha, incluindo o direcionamento de agências federais para a elaboração de um relatório sobre “o estabelecimento de uma câmara de compensação nacional com o objetivo de facilitar a pesquisa sobre direção prejudicada pela maconha”. O representante Peter DeFazio (D-OR), um patrocinador do projeto de lei, também quer que o relatório descreva como pesquisadores de estados que não legalizaram a maconha possam acessar maconha de dispensários para estudar os efeitos da droga na direção.

O Congresso rejeitou outra emenda, no entanto, que exigiria à NHTSA “realizar um esforço de pesquisa colaborativa para estudar o efeito que a maconha tem sobre a direção e pesquisar maneiras de detectar e reduzir a incidência de dirigir sob a influência de maconha”.

Leia também:

Polícia tem que provar prejuízo em condutor paciente de cannabis segundo projeto de lei da Pensilvânia

#PraCegoVer: em destaque, captura de tela do vídeo que mostra os dois personagens no interior do carro, um olhando para trás e o outro olhando para este com expressão de desespero, e o psicopata do machado, ao fundo, desfocado.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!