Mulheres que usam maconha enquanto tentam engravidar podem ter menos chances de concepção

teste gravidez buds Mulheres que usam maconha enquanto tentam engravidar podem ter menos chances de concepção

Estudo realizado por pesquisadores nos EUA descobriu que as consumidoras de cannabis tinham 41% menos probabilidade de engravidar do que as não usuárias. As informações são do Insider

Fumar maconha ou usar outros produtos de cannabis enquanto tenta engravidar pode diminuir suas chances de concepção, descobriu um pequeno estudo dos Institutos Nacionais da Saúde dos EUA.

O estudo, publicado segunda-feira na revista Human Reproduction, descobriu que as usuárias de cannabis tinham 41% menos probabilidade de conceber do que as não usuárias.

lazy placeholder Mulheres que usam maconha enquanto tentam engravidar podem ter menos chances de concepção

O estudo não analisou o uso de maconha pelos parceiros das mulheres, que também poderia ter influenciado a fertilidade, e não pôde provar causa e efeito.

Pesquisas anteriores sobre o assunto apresentaram diferentes resultados. Os pesquisadores dizem que, até que mais informações sejam coletadas sobre como a cannabis influencia na gravidez, as pessoas que estão tentando constituir família devem estar cientes de que a droga pode ter um efeito.

Para conduzir o estudo, os pesquisadores analisaram dados de 1.228 mulheres que tiveram um ou dois abortos espontâneos e estavam tentando engravidar. Elas tiveram até seis ciclos mensais durante a tentativa de engravidar e, se conceberam, durante a gravidez.

As participantes do estudo relataram se usaram maconha ou haxixe no ano anterior e também forneceram amostras de urina quando o estudo começou e seis meses depois se ainda não estavam grávidas. As que engravidaram forneceram amostras de urina no momento de um teste de gravidez positivo.

Apenas 62 mulheres, ou 5% das participantes, eram usuárias de cannabis com base em autorrelato ou amostra de urina.

Além de descobrir que tinham 41% menos probabilidade de conceber do que as não usuárias, os pesquisadores descobriram que, ao longo do estudo, 42% das que usaram cannabis engravidaram, enquanto 66% das não usuárias o fizeram. O uso de cannabis não parece afetar as chances de perda de gravidez, no entanto.

Os pesquisadores levaram em consideração outros fatores que poderiam ter afetado os resultados, como idade, raça, IMC, educação, uso de álcool e uso de antidepressivos. Quando eles também analisaram fatores como renda, situação de emprego e estresse, que podem ter desempenhado um papel, suas descobertas foram semelhantes.

No entanto, outros fatores podem estar em jogo, como o uso de substâncias por seus parceiros, já que a pesquisa sugere que o uso de cannabis por homens pode ter um impacto negativo na fertilidade.

Leia mais: Fumar maconha pode piorar a qualidade de espermatozoides, segundo estudo

Os autores do estudo dizem que as diferenças nos hormônios reprodutivos entre usuárias e não usuárias de cannabis podem ajudar a explicar suas descobertas. Eles também apontaram para estudos em animais mostrando que o uso de cannabis pode afetar o revestimento do útero, tornando a gravidez mais difícil.

“Esses resultados destacam associações potencialmente prejudiciais entre o uso de cannabis e os resultados de saúde reprodutiva, e a necessidade de evidências ampliadas sobre os efeitos do uso de cannabis na saúde reprodutiva no atual clima de crescente legalização”, escreveu o artigo.

O estudo atual contribui para um corpo misto de pesquisas sobre o uso de cannabis e fertilidade, embora seja mais forte do que alguns no sentido de que coletou amostras de urina em vez de depender apenas de mulheres para relatar seu uso da substância.

Mas é difícil estudar o efeito da maconha na fertilidade das mulheres, pois não há uma medida clara para avaliar, como o sêmen nos homens.

A pesquisa sobre o uso de cannabis durante a gravidez é limitada e mista também. Alguns associaram o uso de maconha na gravidez às consequências em seus filhos, incluindo peso menor ao nascer e problemas cognitivos, como QI mais baixo, problemas de atenção e mais impulsividade.

No entanto, uma revisão de 2020 de três décadas de pesquisa sobre o tópico questionou essa conclusão, mostrando que o uso de cannabis na gravidez teve pouco efeito de uma forma ou de outra nos resultados cognitivos das crianças. Mesmo nos casos em que os filhos de usuários de cannabis têm um desempenho pior do que os filhos de não usuários, eles ainda estão na faixa normal de cognição, apontam os autores do estudo.

Ainda assim, a Food and Drug Administration (agência reguladora de alimentos e drogas) dos EUA “aconselhou fortemente” as mulheres a se absterem de CBD e THC, dois dos principais compostos encontrados na cannabis, durante a gravidez ou amamentação.

Ao mesmo tempo, o uso de maconha durante a gravidez nos Estados Unidos tem aumentado, crescendo de 2,9% em 2002 para 5% em 2016, de acordo com uma carta de janeiro de 2019 na JAMA Pediatrics.

Leia também:

Estudo revela que uso de cannabis na gravidez pode aumentar risco da criança apresentar comportamento psicótico

#PraCegoVer: em destaque, fotografia que mostra um teste de gravidez digital branco mostrando o desenho de uma folha de maconha no display, além de cinco pequenos buds e parte de um saco zip lock, em uma superfície azul-claro. Imagem: Hollis Johnson / Samantha Lee (Insider).

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!