Mulheres negras que estão reconquistando a indústria da cannabis

pryor dee khadijah Mulheres negras que estão reconquistando a indústria da cannabis

Várias mulheres negras estão rompendo o padrão da propriedade branca e liderando a iniciativa de diversificar a indústria da cannabis e capacitar as comunidades negras. Conheça suas histórias na reportagem de Juliana Clark para o Healthline

Sempre que enfrentei injustiças em minha vida, confiei em minhas colegas mulheres de cor para me curar, fortalecer minhas forças e encontrar inspiração.

Esta comunidade sempre foi capaz de me levantar quando fui empurrada para baixo. Essas mulheres negras não apenas criam um ambiente onde posso ser ouvida e compreendida, como também sua resiliência coletiva me ajuda a encontrar a minha própria.

site sb Mulheres negras que estão reconquistando a indústria da cannabis

Para nenhuma surpresa, descobri recentemente que uma onda de mulheres negras surgiu como líderes na indústria da cannabis, recuperando o poder de uma substância que contribuiu para o encarceramento em massa de suas comunidades.

Esta é uma tendência poderosa.

 Mulheres negras que estão reconquistando a indústria da cannabis

De acordo com a Conferência Nacional de Legislaturas Estaduais, 33 estados dos EUA legalizaram a cannabis para uso médico e 14 estados (mais Washington, DC) legalizaram a cannabis para uso recreativo (adulto) para pessoas com mais de 21 anos.

Nesses estados, os empresários brancos surgiram como uma força inegável. Em 2017, uma pesquisa do Marijuana Business Daily relatou que 81% das pessoas que abriam empresas de cannabis se identificavam como brancas.

Várias mulheres negras estão rompendo esse padrão, liderando a iniciativa de diversificar a indústria e capacitar as comunidades negras com novas oportunidades e perspectivas para o futuro.

Uma história de racismo na cannabis

Historicamente, a polícia tem como alvo comunidades negras e pardas pelo seu consumo de cannabis em taxas muito mais altas do que com suas contrapartes brancas.

De acordo com a ACLU, de 2001 a 2010, usuários de cannabis negros e brancos com idades entre 18 e 25 anos usaram cannabis aproximadamente na mesma proporção. Mas, dentro desse período, os usuários negros tinham em média 3,73 vezes mais probabilidade de serem presos nos Estados Unidos por acusações de cannabis.

As maiores diferenças raciais existem em Iowa, Minnesota, Illinois e Washington, DC, onde a taxa de prisões de usuários negros é entre 7,5 e 8,5 vezes maior do que a taxa de usuários brancos.

Essas práticas racistas de aplicação da lei levaram a registros criminais permanentes para muitas pessoas de cor. Esses registros podem ser acessados ​​por proprietários de empresas e empregadores em potencial, alterando para sempre o curso da vida das pessoas.

Sem mencionar a perda de décadas de vidas de pessoas condenadas à prisão perpétua por acusações de cannabis de baixo nível.

A ironia é que, embora os pretos e pardos sejam alvos do uso “criminoso” de cannabis, a indústria de cannabis legal, predominantemente branca, está crescendo.

Um dos principais objetivos do movimento de legalização é corrigir essas iniquidades de longa data, permitindo que as pessoas de cor surjam como verdadeiros líderes na indústria da cannabis.

Leia mais: Conheça os empreendedores negros que estão balançando o mercado da maconha

Mulheres produzindo ondas

Esta lista de mulheres negras ousadas em cannabis brilha no empreendedorismo, educação, representação publicitária, bem-estar e desenvolvimento de carreira pessoal.

Elas são exemplos vivos de como todos nós podemos encontrar força olhando para as próprias forças que procuram nos enfraquecer.

Khadijah Adams

Adams é ex-diretora de operações da C.E. Hutton, uma empresa de desenvolvimento de negócios de cannabis com foco em minorias.

Como uma mulher negra, ela está acostumada a não ser levada a sério por empresas dominadas por homens no espaço. É por isso que ela fez disso seu negócio (literalmente), expor os problemas que as comunidades de cor frequentemente enfrentam e defender os negócios de cannabis de propriedade de pessoas negras.

“Embora o setor tenha experimentado um crescimento massivo desde 2014, a maioria das empresas ainda não implementou um plano de diversidade, equidade ou inclusão. Algumas que implementaram um plano ainda conseguem excluir os afro-americanos da equação e, quando se trata de equidade, eles vacilam”, diz Adams.

Como parte de seus esforços para mudar isso, Adams foi coautora do The Minority Report, uma análise anual de marketing sobre empresas pertencentes a minorias nas indústrias de cannabis e cânhamo para “reconhecer os pioneiros que as executam”.

Ela também cocriou a GreenStreet Academy, uma plataforma educacional on-line que ensina os fundamentos do investimento na indústria da cannabis.

Em abril de 2020, Adams decidiu retribuir ao fundar o Girl Get That Money, “um movimento de consultoria e coaching empresarial que educa, capacita e inspira as mulheres nos negócios”.

Mary Pryor

Pryor aprendeu sobre as propriedades medicinais da cannabis após uma série de visitas a hospitais de alto risco que acabaram levando ao diagnóstico da doença de Crohn.

Logo após tomar conhecimento de sua condição, Pryor empenhou-se para manter sua qualidade de vida. Depois que duas amigas enviaram seus estudos sobre a cannabis, ela começou a fazer suas próprias pesquisas.

Em 2015, ela voou para Denver, Colorado, para adquirir cepas que poderiam aliviar os sintomas de sua condição. Com a ajuda da cannabis, Pryor conseguiu se recuperar e viver uma vida ativa e saudável.

“Sem cannabis, eu não estaria onde estou”, diz ela.

Isso foi em parte o que inspirou Pryor a se mudar para a Califórnia e fundar a Cannaclusive, uma agência que promove a inclusão na indústria da cannabis por meio de marketing, recursos visuais, consultoria, defesa, educação e orientação para o bem-estar.

O projeto fotográfico da Cannaclusive busca normalizar imagens de pessoas de cor que consomem cannabis.

“Estávamos cansadas ​​de ir a eventos e ser questionadas sobre por que estávamos lá e como descobrimos isso. É quase como se a indústria se tornasse um paraíso masculino, sem consideração pelas pessoas que foram prejudicadas por ela, e cheia de microagressões”, diz Pryor.

Smoke Buddies indica: mulheres que falam sobre maconha no Instagram

Como parte de um esforço compartilhado com a Cannaclusive e a consultoria de marketing de cannabis ALMOSTCONSULTING, Pryor também liderou a criação da InclusiveBase. Este banco de dados on-line é um recurso para consumidores conscientes que buscam apoiar negócios de cannabis pertencentes a minorias.

Ao criar esta lista crescente de mais de 550 negócios relacionados à cannabis liderados por comunidades sub-representadas, Pryor está dando aos consumidores formas tangíveis de contribuir para a equidade racial na indústria da cannabis.

Fora dos negócios, Pryor também levou seu trabalho de defesa da cannabis para Washington, DC, para reformar as políticas públicas. Ela está envolvida na campanha pela Equity First Initiative, que “aproveita o poder político dos organizadores da cannabis que trabalham na interseção da indústria da cannabis, equidade racial e justiça reparatória”.

Ela também é diretora de marketing da TONIC, a única empresa de cânhamo verticalmente integrada de propriedade de mulheres no nordeste dos Estados Unidos.

Existe alguma coisa que ela não faz?

Megon Dee

Dee é uma chef canábica, educadora e consultora, bem como CEO e cofundadora da Oracle Infused, uma marca de bem-estar e cuidados pessoais de CBD derivado do cânhamo.

Antes de entrar na indústria de cannabis legal, Dee usava e vendia cannabis recreativa (adulta) em Baltimore, Maryland, onde apenas o uso medicinal regulamentado havia sido legalizado.

Como resultado, ela foi acusada de sete crimes relacionados com a cannabis.

Depois de eliminar essas acusações de seu registro, Dee se mudou para Portland, Oregon, onde os usos recreativo e médico foram legalizados.

Trabalhar com alimentos de cannabis foi a primeira introdução de Dee para compreender as propriedades medicinais da cannabis e do cânhamo.

Por meio de seu trabalho em uma cozinha canábica, Dee começou a aprender sobre dosagem e canabinoides, recebendo orientação de outro chef de cannabis. Fora da cozinha, ela começou a pesquisar e se educar sobre a planta nas horas vagas.

Como consultora, ela trabalhou com clientes para desenvolver medicamentos alternativos para uma variedade de condições, incluindo depressão, ansiedade, TEPT, dor crônica e câncer em estágio 4.

Para Dee, a cannabis e o cânhamo são ferramentas regulamentadas para melhorar o bem-estar, mas ela notou uma enorme falta de educação sobre as propriedades curativas da planta.

“Eu estava batendo em uma parede de tijolos ao ajudar as pessoas a entender o produto e olhar além do estigma”, diz ela.

Para preencher a lacuna de conhecimento, Dee desenvolveu a Cannacademy, uma série de cursos on-line gratuitos sobre o espaço da cannabis e as propriedades medicinais da planta.

“A criação desta peça lateral educacional envolveu em grande parte a normalização da planta e o respeito que ela merece”, diz Dee.

Dee é uma defensora aberta da legalização total da cannabis nos Estados Unidos e combatente da expurgação de condenações, crimes e contravenções relacionadas à cannabis.

“Eu poderia facilmente ser uma das pessoas que ainda estão na prisão agora. Não tenho nada além de gratidão por poder ver o outro lado da legalização. Tudo o que posso fazer é pagar adiante e ajudar os outros”, diz Dee.

Dee se vê como uma prova viva das possibilidades da justiça restaurativa.

Leia – Mulheres em cannabis: estudo documenta diversidade e inclusão no mercado da maconha

Sirita Wright

Wright é uma premiada defensora da cannabis, bem como cofundadora e diretora de marketing da EstroHaze, uma empresa de mídia que oferece às mulheres negras um espaço para aprender sobre os numerosos estilos de vida e oportunidades de carreira na indústria da cannabis.

Seu desejo de educar outras pessoas sobre este espaço resultou de observações de que “havia e ainda há uma falta real de inclusão quando se trata de destacar mulheres negras e mulheres de outras minorias que trabalham na frente e nos bastidores da cannabis”.

Enquanto trabalhava na Black Enterprise, Wright conheceu Safon Floyd e Kali Wilder. Ela foi imediatamente inspirada por sua consideração, compromisso e paixão por construir uma comunidade na cannabis.

Depois de frequentar a Canopy, os maiores aceleradores de cannabis do país, elas decidiram fundar a EstroHaze.

Wright também acredita que a indústria da cannabis legal apresenta muitas oportunidades incríveis para pessoas de cor construírem riqueza geracional.

“Acho que legalizar a cannabis ajudará a acalmar os corações e mentes daqueles que ainda estão pensando de forma limitada sobre a planta e os muitos benefícios que ela oferece. Com isso, eles podem aproveitar a oportunidade para aprender tudo sobre o setor, entender como investir em ações e empresas de maconha. Com tempo e esforço, esse pode ser um espaço muito lucrativo para muitas famílias”, diz ela.

Symone Gates

Gates é um treinadora de bem-estar corporativo e fundadora da Bädé Collection, uma marca orgânica de cuidados da pele com infusão de CBD, projetada para reduzir a inflamação.

Gates se inspirou para criar a marca depois de sentir uma dor extrema devido à sua agenda lotada, dando uma média de 20 aulas de ginástica por semana.

“Eu definitivamente exagerei a ponto de ter dores nas canelas por mais de seis meses, e mesmo as visitas mensais de fisioterapia não estavam ajudando”, diz Gates.

Gates começou a tentar uma série de analgésicos naturais, mas nada parecia funcionar.

“Durante esse tempo, tirei uma semana de folga, visitei meus pais e verifiquei alguns dispensários. A única coisa com a qual eu poderia voltar legalmente [para a cidade de Nova York] era o CBD derivado do cânhamo”, diz Gates.

“Depois de brincar na minha cozinha com remédios caseiros que no final das contas ajudaram a reduzir minha dor e a dor de meus colegas de ginástica, decidi dar o salto [e começar meu próprio negócio]”, diz ela.

Gates passou a projetar a coleção Bädé para consumidores fisicamente ativos, que, como ela, procuram controlar sua dor com produtos que contêm ingredientes de qualidade não processados.

“Não podemos ser líderes no alívio da dor se não tivermos uma compreensão das medidas reativas e preventivas, algo que é necessário como uma personal trainer”, diz Gates. “Estou orgulhosa de que ajudar as pessoas fisicamente levou a essa nova paixão de ajudar as pessoas de forma holística”.

Um futuro verde

Essas mulheres criaram a possibilidade de reinvenção e defesa comunitária para comunidades de cor por meio de seu trabalho inovador.

Elas também criaram uma oportunidade para os consumidores apoiarem facilmente empresas dirigidas e controladas por minorias.

Do marketing à educação, elas estão cultivando mudanças na cannabis. Ao abrir o caminho para um futuro diferente para elas e suas comunidades, essas mulheres são modelos para as jovens negras.

Mais importante, elas estão abrindo os olhos do público para como a indústria da cannabis pode servir às comunidades de cor em vez de oprimi-las.

Leia também:

Jogo mostra ligação entre a guerra às drogas e o encarceramento de mulheres

#PraCegoVer: em destaque, fotomontagem que traz os retratos de Mary Pryor, Megon Dee e Khadijah Adams e desenhos de ondas em tons de azul, ao fundo. Imagem: Alexis Lira / Healthline.

smokebuddies logo2 Mulheres negras que estão reconquistando a indústria da cannabis

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!