Mulher com dor crônica é a primeira na Escócia a usar maconha medicinal legal

 Mulher com dor crônica é a primeira na Escócia a usar maconha medicinal legal

Portadora de fibromialgia severa, a escocesa faz parte de um estudo pioneiro que pretende registrar 20.000 pacientes de cannabis até o final de 2021. As informações são do The Scotsman e a tradução pela Smoke Buddies

Uma jovem mãe se tornou a primeira pessoa na Escócia a receber prescrição para maconha legalmente como parte de um novo estudo europeu — e diz que isso permite que ela brinque com seus filhos e tome banho depois de anos de dor crônica.

Kayleigh Compston, 26, começou a fumar maconha na adolescência, mas parou — até quatro anos atrás, quando começou a se automedicar ilegalmente.

site sb Mulher com dor crônica é a primeira na Escócia a usar maconha medicinal legal

A mãe de cinco sofre de problemas de saúde que a levam a paralisia e espasmos musculares, e ela recebe rotineiramente morfina que a nocauteia e a deixa acamada.

Mas ela descobriu que a ganja comprada de um dealer em Lerwick, Shetland, ajudou a aliviar os sintomas de distúrbio neurológico funcional (DNF) e fibromialgia e lhe proporcionou uma melhor qualidade de vida — apesar da constante ansiedade pelo risco de ser pega com ela.

No ano passado, Kayleigh se inscreveu em um estudo pioneiro sobre drogas liderado pelo Dr. David Nutt, o cientista que redigiu um relatório em 2009 dizendo que o ecstasy era tão perigoso quanto cavalgar.

Kayleigh, que começa seu dia com um vape antes de inalá-lo oito vezes por dia, acredita que o estigma em torno da cannabis precisa acabar e diz que também ajuda seu parceiro, Matthew Ross, 25, que tem prescrição legal para maconha para ajudar sua esclerose múltipla.

Leia mais: Cannabis vaporizada pode reduzir a dor em pacientes com doença falciforme, diz estudo

O casal está participando do estudo, o Project 21, que com 20.000 participantes será o primeiro e maior registro nacional de cannabis medicinal da Europa.

Kayleigh, que é uma das primeiras pessoas no Reino Unido a participar, disse: “Eu usei cannabis por quatro anos se automedicando, mas estava sendo prescrita morfina e outras coisas que afetavam minha parentalidade”.

“A morfina é como heroína em um tablete, ela te derruba”.

“Agora, com minha prescrição de cannabis legal, posso falar. Muitas pessoas não dizem nada por medo de assistentes sociais ou estigma de amigos e familiares”.

“Eu usei durante a minha quinta gravidez, mas isso me ajuda a me concentrar mais, eu uso assim que acordo”.

“Eu sempre tenho uma cópia do documento no meu telefone, no caso da polícia me parar, os cães de drogas não saberão o que é legal e o que não é.”

E Kayleigh acredita que a vaporização da cannabis a tornou uma mãe melhor para Tyler, nove, Tegan, oito, Tommy-Lee, sete, Teejay, cinco, e Tianna, quatro.

Antes de receber a cannabis entregue no posto, ela dependia de vendedores de rua de qualidade variável e não fazia ideia do que receberia.

Pela primeira vez em anos, ela está bem o suficiente para poder tomar um banho de chuveiro em vez de em uma banheira, acelerando sua rotina matinal com as crianças, e brincar com elas adequadamente — consumindo 4 g de cannabis por dia.

Kayleigh disse: “A cada duas horas faço uma vaporização, não trabalho há anos por causa de minhas condições médicas e por ter filhos pequenos, mas me sinto bem o suficiente para pensar em trabalho de meio período”.

Ela estava grávida de Tegan quando começou a sofrer de fibromialgia, que afeta sua pelve e a torna incapaz de andar muito devido à dor crônica.

Leia mais: Estudo sugere que mais pacientes com dor crônica estão recorrendo à maconha

E cerca de três anos atrás, ela começou a sentir sintomas do DNF.

A cannabis de Kayleigh é distribuída por um farmacêutico licenciado que a envia pelo correio e ela gasta 600 libras por mês por 120 g, enquanto seu parceiro, que tem uma prescrição privada, gasta 700 libras por 60 g, pois ainda não lhe foi emitido um roteiro para o estudo.

Ela disse: “Melhorou minha qualidade de vida, e de meus filhos, eu não poderia ser a mãe que sou sem ela”.

“Ainda há estigma da geração mais velha que acredita que é uma ‘droga de passagem’ e causa paranoia, mas a morfina é como heroína em um tablete e a cannabis é apenas uma planta”.

O ingrediente ativo é o THC, a substância química que causa a ‘alta’, além de alívio da dor, e não está disponível nos produtos de CBD vendidos nas ruas.

Kayleigh criou um grupo de apoio e ouviu evidências anedóticas dos benefícios da cannabis em condições médicas, e espera que o estudo seja um avanço em termos de mudança de políticas e atitudes.

A cannabis está disponível no NHS (Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido) desde 2018, mas as famílias podem enfrentar grandes problemas para acessá-la.

Kayleigh disse: “Foi apenas no ano passado que pude levar meus filhos para passear, não estou dizendo que não sinto dores no dia seguinte, mas fez uma grande diferença poder brincar com meus filhos, tomar um banho e não ficar presa na cama”.

“Eu tomei banho de chuveiro recentemente pela primeira vez em anos, antes só tomava banho em banheira”.

“Isso me devolveu a vida.”

Quando seu uso de cannabis era ilegal, Kayleigh mantinha isso em segredo para seus filhos, mas agora está sobre a mesa, ela disse aos três filhos mais velhos para educá-los.

Kayleigh disse: “Eu não sou viciada, não é uma droga de passagem. Ajudou tantas pessoas e não há nada de ilegal no que estou fazendo”.

“É necessário mais educação.”

Leia também:

Maconha pode ser opção de tratamento para fibromialgia, aponta estudo

#PraCegoVer: em destaque, fotografia em plano fechado que mostra duas mãos, vindas da parte de cima da foto, unidas em forma de concha e sustentando uma porção de buds secos de maconha, e um fundo escuro. Imagem: Sharon McCutcheon | Pexels.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!