Mulher com colangite esclerosante obtém alívio de coceira crônica usando maconha

baseado mulher dedos Mulher com colangite esclerosante obtém alívio de coceira crônica usando maconha

Os médicos recomendaram que ela usasse cannabis duas noites por semana, seja fumando a planta com 18% de THC, seja tomando na forma de tintura, de acordo um relatório publicado no JAMA Dermatology. As informações são do Live Science

A coceira crônica de uma mulher desafiava todos os tipos de tratamento, de esteroides a opioides e fototerapia, mas finalmente se dissipou depois que seus médicos disseram a ela para experimentar cannabis.

A mulher havia lidado com sintomas de coceira crônica — clinicamente conhecida como prurido crônico — por uma década, de acordo com um relatório publicado nessa sexta-feira (9) no Journal of the American Medical Association (JAMA) Dermatology.

site sb Mulher com colangite esclerosante obtém alívio de coceira crônica usando maconha

O prurido crônico se refere especificamente à coceira que persiste por mais de seis semanas, e o sintoma pode estar associado a uma variedade de doenças, incluindo eczema, hipertireoidismo e certas doenças nervosas, de acordo com um relatório de 2013 publicado no New England Journal of Medicine. No caso da mulher, seu prurido derivava de uma doença dos dutos biliares do fígado chamada colangite esclerosante primária.

Existem várias teorias sobre como esta doença leva à coceira, mas geralmente a condição interrompe a produção normal de bile, o que pode levar a um acúmulo de substâncias químicas irritantes sob a pele, de acordo com “Coceira: Mecanismos e Tratamento” (CRC Press / Taylor e Francis, 2014).

Leia mais: Maconha pode ajudar no tratamento de doenças da pele

Devido à condição do duto biliar, a mulher também desenvolveu líquen amiloide, em que protuberâncias escuras e pruriginosas aparecem na pele e às vezes se fundem em placas espessas. A mulher apresentava essas placas no tronco e nos membros, acompanhadas de coceira “extrema”.

A colangite esclerosante primária da mulher foi mantida sob controle com medicamentos e permaneceu estável ao longo do tempo, mas a coceira não melhorou. Os médicos haviam prescrito anteriormente uma longa lista de tratamentos para combater essa coceira generalizada, incluindo corticosteroides tópicos e orais, um spray nasal opioide, naltrexona, que atua contra os efeitos dos opioides, e fototerapia, que envolve a exposição da pele afetada à luz ultravioleta.

Quando todos esses tratamentos não deram certo, seus médicos recorreram à cannabis medicinal. Estudos anteriores sugeriram que tratamentos tópicos e canabinoides sintéticos podem fornecer pelo menos algum alívio da coceira, eles observaram no relatório do JAMA. Além disso, estudos de laboratório em animais e células sugeriram possíveis explicações de como as drogas diminuem as sensações de coceira, de acordo com uma revisão de 2020 publicada no Journal of the American Academy of Dermatology.

Eles recomendaram que ela usasse cannabis duas noites por semana, seja fumando maconha medicinal com 18% de tetraidrocanabinol (THC), o principal ingrediente psicoativo da cannabis, seja tomando cannabis na forma de tintura, colocando um extrato líquido sob a língua.

“Dentro de 10 minutos após a administração inicial, sua pontuação na escala de avaliação numérica de pior coceira (WI-NRS) melhorou de 10 de 10 para 4 de 10”, escreveram seus médicos no relatório do JAMA. Esta escala varia de 0 (“sem coceira”) a 10 (“pior coceira imaginável”).

Leia mais: Como fazer uma desintoxicação com a ajuda da cannabis

Os médicos acompanharam a mulher após cinco meses de tratamento e novamente depois de um ano inteiro, e descobriram que ela classificou consistentemente sua coceira diária média como 4 em 10, uma melhora drástica em relação aos 10 pontos anteriores. Nos acompanhamentos de 16 e 20 meses, sua taxa de coceira caiu ainda mais, caindo para 0 em 10.

“Além da sedação leve, ela não relatou efeitos adversos”, escreveram seus médicos. Além disso, “ela relatou uma melhora na qualidade de vida”, com base em um sistema de pontuação denominado Índice de Qualidade de Vida em Dermatologia. Ela também conseguiu parar de tomar os outros medicamentos prescritos.

O mecanismo exato pelo qual a cannabis reduziu a coceira da mulher é desconhecido, mas seus médicos apresentaram várias teorias.

Por exemplo, o THC se liga a vários receptores no sistema endocanabinoide, aumentando a atividade de alguns e diminuindo a de outros. A ativação de receptores CB1 na medula espinhal e no cérebro, e de ambos os receptores, CB1 e CB2, em nervos localizados em outras partes do corpo, tem sido associada ao aumento dos limiares de dor, menor ativação de células nervosas e diminuição da inflamação, escreveram eles. Além disso, um receptor chamado TRPV1 ajuda a desencadear nossa sensação de coceira, e os canabinoides travam esse receptor em uma posição “fechada”, bloqueando efetivamente seus sinais de coceira.

Embora esse paciente em particular tenha se beneficiado do uso de cannabis com efeitos colaterais mínimos, os riscos e benefícios do tratamento ainda precisam ser avaliados em maior escala, “especialmente em suas várias vias de administração”, escreveram os médicos. O uso de canabinoides foi associado a comprometimento cognitivo, perda de coordenação motora e, quando fumado, a sintomas de bronquite crônica, escreveram eles no estudo.

Portanto, embora os resultados no caso da mulher sejam “promissores… são necessários ensaios clínicos randomizados para confirmar os resultados”, escreveram os médicos. Outros pesquisadores pediram esses testes no passado, a fim de avaliar os benefícios da cannabis para coceira crônica e para padronizar a dosagem e o curso do tratamento, de acordo com o relatório do Journal of the American Academy of Dermatology.

Leia também:

Composto da maconha inibe a replicação do vírus da Covid-19 em células pulmonares

#PraCegoVer: fotografia que mostra um baseado sendo segurado na vertical diante da câmera por uma mulher da qual pode-se ver as pontas dos dedos com esmalte preto e parte da face, ao fundo, desfocado. Foto: Sibeckham | Flickr.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!