Por que tantos países estão dizendo que a maconha é boa?

inflorescencia cultivo Por que tantos países estão dizendo que a maconha é boa?

Diversos países pelo mundo vêm percebendo que a legalização da maconha é algo cada vez mais inevitável e estão dizendo sim à cannabis e todos os benefícios que sua regulamentação pode proporcionar. Saiba mais sobre o tema no artigo de John Collins* para a BBC, com tradução Smoke Buddies.

O novo governo do México planeja legalizar o uso recreativo de maconha, assim como o novo governo de Luxemburgo. Enquanto isso, a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, está considerando um referendo sobre qual deve ser sua abordagem.

Como a opinião pública – e a dos governos – muda, parece cada vez mais provável que outros países sigam o exemplo, levantando questões sobre como eles trabalham juntos para gerenciar o uso e o fornecimento de cannabis.

O que levou um país após o outro a avançar para o relaxamento de suas leis e, em muitos casos, para a legalização total?

Guerra contra as drogas

Foi somente em 2012 que o Uruguai anunciou que seria o primeiro país do mundo a legalizar o consumo recreativo de cannabis. Em grande parte, a medida visava substituir as ligações entre o crime organizado e o comércio de cannabis por uma regulamentação estatal mais responsável.

Mais tarde, no mesmo ano, os eleitores dos estados de Washington e do Colorado se tornaram os primeiros nos EUA a apoiar a legalização da droga para uso não médico.

Sob o mandato do presidente Barack Obama, um crítico da guerra liderada pelos EUA contra as drogas, o governo dos EUA recuou da aplicação das leis federais e efetivamente deu aos estados uma luz verde para explorar alternativas.

Mais oito Estados e Washington DC apoiaram desde então a legalização da maconha recreativa e as penalidades estão diminuindo em outros lugares. O uso da droga por razões médicas é permitido em 33 dos 50 estados.

Em muitos aspectos, o debate ainda está fora dos efeitos da legalização na sociedade e na saúde dos indivíduos, mas não há dúvida de que a opinião pública e a política do governo se atenuaram.

A maré se espalhou pelas Américas, com o Canadá legalizando a venda, posse e uso recreativo de maconha em todo o país, em outubro.

Que o México vai legalizar a maconha parece uma certeza virtual. O novo governo de Andrés Manuel López Obrador apresentou um projeto de lei que legalizaria seu uso médico e recreativo, enquanto a suprema corte do país recentemente determinou que a proibição absoluta do uso recreativo é inconstitucional.

Outros países estão avançando. Embora a venda de maconha permaneça ilegal, a posse de pequenas quantias não é mais um crime em países como Brasil, Jamaica e Portugal. Na Espanha, é legal usar cannabis em ambiente privado, enquanto a droga é vendida abertamente em coffee shops na Holanda. E ainda mais países permitem o uso de cannabis medicinal.

Em todo o mundo, há muito mais países onde a mudança está em andamento:

  • No Reino Unido, os médicos têm permissão para prescrever produtos de cannabis desde novembro
  • A Coreia do Sul legalizou o uso médico estritamente controlado, apesar de processar cidadãos por uso recreativo no exterior
  • Uma sentença de morte dada a um jovem vendedor de óleo de cannabis provocou o debate sobre a legalização na Malásia
  • O mais alto tribunal da África do Sul legalizou o uso de cannabis por adultos em lugares privados
  • Lesoto tornou-se o primeiro país africano a legalizar o cultivo de maconha para fins medicinais
  • O Líbano está considerando a legalização da produção de cannabis para fins médicos, para ajudar sua economia

Crianças doentes

Em muitos países, o movimento em direção à legalização começou com um abrandamento das atitudes do público.

Nos EUA e no Canadá, imagens de crianças doentes a quem foram negados medicamentos que potencialmente poderiam mudar suas vidas ​​tiveram um tremendo impacto na opinião pública – uma preocupação que antecipou a legalização para fins médicos.

Um amolecimento similar de atitudes foi visto no Reino Unido.

Em junho, Billy Caldwell, de 12 anos, que sofre de epilepsia grave, foi hospitalizado após o confisco de seu óleo medicinal de cannabis. Um mês depois, uma licença especial para usar o óleo de cannabis foi concedida a Alfie Dingley, de sete anos de idade, que tem uma forma rara de epilepsia.

Após campanhas de alto perfil, o governo do Reino Unido mudou a lei para permitir que os médicos prescrevam produtos de cannabis.

Como os estados americanos, tal como a Califórnia, que descobriram nos anos 1990 e 2000 que a familiaridade com a cannabis medicinal pode suavizar as atitudes em relação ao uso recreativo.

Mas no Reino Unido, o Ministério do Interior diz que o uso recreativo de cannabis permanecerá proibido, embora figuras importantes, incluindo o ex-líder conservador William Hague, tenham sugerido uma revisão.

O México também teve casos de crianças que não receberam cannabis medicinal, mas também foi motivado pela extraordinária violência de sua guerra às drogas.

Embora a maconha represente uma parcela relativamente pequena das receitas dos cartéis de drogas, continuar a bani-la é visto cada vez mais como em desacordo com a realidade.

Diplomatas mexicanos advertiram os EUA de que seria difícil reforçar a luta contra a cannabis depois que seu vizinho, o estado norte-americano da Califórnia, legalizou o uso recreativo.

O mercado da cannabis

Com países em todo o mundo caminhando para alguma forma de legalização, outros estão correndo para recuperar o atraso.

Muitas vezes, como em muitas partes da América Latina, os governos querem que seus agricultores tenham acesso aos mercados de cannabis medicinal potencialmente lucrativos que estão se desenvolvendo.

Corporações também manifestaram interesse. Por exemplo, a Altria, que possui marcas de cigarros, incluindo a Marlboro, fez um investimento de US$ 1,86 bilhão em uma empresa de maconha canadense .

Ao longo do tempo, como os EUA demonstram, é bem possível que o comércio médico possa facilmente transformar-se em vendas recreativas – potencialmente abrindo um mercado ainda maior.

Um obstáculo imediato é que a cannabis para fins recreativos não pode ser comercializada através das fronteiras. Os países só podem importar e exportar maconha medicinal sob um sistema de licenciamento supervisionado pelo Conselho Internacional de Controle de Narcóticos.

Fazendeiros em países como Marrocos e Jamaica podem ter a reputação de produtores de cannabis, mas não podem acessar mercados nos quais os produtores domésticos às vezes têm dificuldade para fornecer – como aconteceu no Canadá após a legalização.

Efeitos da cannabis

Desenvolvendo regras

Embora haja alguns rumores de mudança dentro do sistema legal internacional, até agora isso parece distante.

Os governos que querem avançar para a legalização enfrentam um desafio: seguir um curso entre a legalização descontrolada e a proibição rígida.

Indústria mal regulada e substâncias que alteram a mente não são uma combinação sobre a qual muitas sociedades se sentiriam confortáveis.

Mas parece praticamente certo que mais países mudarão sua abordagem da cannabis nas próximas décadas.

Como tal, as regras domésticas e internacionais precisarão ser atualizadas.

*John Collins é diretor executivo da Unidade Internacional de Políticas sobre Drogas da Escola de Economia e Ciência Política de Londres.

#PraCegoVer: fotografia (capa) de uma linda inflorescência de maconha com pistilos brancos e marrons, no primeiro plano (na parte esquerda da foto), e, no segundo, outra inflorescência da planta fora de foco.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!