Raphael Mechoulam espera que nova descoberta sobre a cannabis não seja novamente esquecida

raphael mechoulam israel Raphael Mechoulam espera que nova descoberta sobre a cannabis não seja novamente esquecida

Décadas após Raphael Mechoulam vincular o CBD ao tratamento da epilepsia, sua última descoberta sobre a cannabis pode ajudar a desenvolver novos medicamentos para psoríase, artrite e ansiedade. As informações são da NBC News

Raphael Mechoulam, químico orgânico israelense e professor de química medicinal na Universidade Hebraica de Jerusalém, lembra-se da decepção após suas descobertas inovadoras em torno da estrutura dos compostos de cannabis CBD e THC em 1963 e 1964, seguidos de testes clínicos com CBD publicados em 1980.

“Não aconteceu muita coisa”, disse Mechoulam, observando que levaria mais de 30 anos para que seu trabalho clínico sobre o uso de CBD, ou canabidiol, no tratamento da epilepsia fosse amplamente aceito. A Greenwich Biosciences, de propriedade da GW Pharmaceuticals, foi capaz de desenvolver o primeiro medicamento derivado da cannabis construído com base na pesquisa de Mechoulam. O medicamento, Epidiolex , trata crises convulsivas associadas a duas formas raras de epilepsia e foi aprovado pela FDA apenas no ano passado.

Mas, mesmo quando seu trabalho lançou as bases para a indústria moderna da cannabis e para entender como a cannabis interage com o corpo humano, uma baleia branca escapou à pesquisa: ácidos da cannabis, que são compostos que são produzidos na planta quando está viva e podem ser mais potente que seus derivados mais conhecidos, como CBD e THC.

Isso mudou na segunda-feira, quando Mechoulam e um grupo de pesquisadores anunciaram em uma conferência sobre cannabis medicinal em Pasadena, Califórnia, que eles desenvolveram um processo para criar ácidos sintéticos e estáveis ​​encontrados na planta e que os ácidos sintéticos, que incluem versões ácidas do CBD e THC, agora estão disponíveis para licenciamento de empresas para o desenvolvimento de medicamentos.

lazy placeholder Raphael Mechoulam espera que nova descoberta sobre a cannabis não seja novamente esquecida

#PraCegoVer: fotografia em primeiro plano e perfil de Raphael Mechoulam, que aponta com as mãos para equipamentos laboratoriais em sua bancada, enquanto várias observam ao redor. Créditos: Daniel Fine | EPM.

A descoberta abre caminho para as empresas farmacêuticas desenvolverem potencialmente novos medicamentos à base de ácidos para uma variedade de problemas de saúde, como psoríase, artrite, ansiedade e doenças inflamatórias intestinais.

A pesquisa é o produto de uma startup chamada EPM, em parceria com Mechoulam, seis universidades em Israel, Reino Unido e Canadá, a maior empresa de creme tópico do mundo e uma empresa de laboratório de capital aberto.

“Eu acho que é um grande negócio”, disse Mechoulam, que atua como chefe de pesquisa da EPM, comparando-o às suas descobertas sobre CBD e THC.

Em um estudo de 2018 do British Journal of Pharmacology, Mechoulam e seus coautores escreveram que seu composto sintético, o éster metílico do ácido canabidiolico (chamado HU-580 no artigo) poderia ser mais eficaz do que os remédios de CBD existentes, tornando-o “um medicamento potencial para tratamento de alguns distúrbios de náusea e ansiedade. ”Esses testes clínicos iniciais descobriram que os ácidos produziram resultados equivalentes e até superiores aos tratamentos existentes, sem os efeitos colaterais”.

O ácido do CBD de ocorrência natural, mas instável (CBDA), é mil vezes mais potente que o CBD na ligação a um receptor de serotonina específico, considerado responsável por aliviar náuseas e ansiedade.

“É uma molécula interessante que potencialmente não tem efeitos colaterais”, disse Dan Peer, diretor do Centro de Medicina Translacional e chefe do Centro de Pesquisa em Biologia do Câncer da Universidade de Tel Aviv.

“Funciona como um esteroide. Se não tiver efeitos adversos, você terá um substituto, o que é ótimo”, disse Peer, discutindo os testes que ele fez com ácidos da cannabis e doença inflamatória intestinal.

Ziva Cooper, diretor de pesquisa da Iniciativa de Pesquisa de Cannabis da UCLA, disse que a pesquisa da EPM confirma o que muitos no campo suspeitam há muito tempo sobre os ácidos da cannabis, mas não conseguiram confirmar devido à sua instabilidade.

“O trabalho deles é bastante inovador e definitivamente se baseia no que sabemos relacionado aos potenciais efeitos terapêuticos dos canabinoides”, disse Cooper, acrescentando que o composto pode ser particularmente eficaz no controle da dor. Cooper disse que, embora sejam necessários mais testes para determinar a eficácia e a segurança nos seres humanos, os resultados da EPM até agora são “bastante encorajadores”.

Como o governo dos EUA planeja gastar US$ 3 milhões para pesquisar o CBD, os veteranos da indústria farmacêutica ainda pedem cautela, ao mesmo tempo em que dão uma ideia sobre porque mais drogas não foram construídas com compostos de cannabis.

“As pessoas estão sempre brincando sobre ficar com larica se usam maconha”, disse David Campbell, sócio da consultoria Oliver Wyman e consultor da EPM, que tem mais de duas décadas de experiência na indústria farmacêutica.

Campbell disse que essas evidências anedóticas estão muito longe de convencer um comitê de pesquisa ou acionistas sobre a eficácia da cannabis no tratamento de uma doença.

Leia: Conferência em Israel mostra que, apesar das cifras, cannabis medicinal gera incertezas

“Os medicamentos produzidos não são suficientemente potentes”, disse Peer, referindo-se ao CBD, THC e outros não ácidos.

lazy placeholder Raphael Mechoulam espera que nova descoberta sobre a cannabis não seja novamente esquecida

#PraCegoVer: fotografia em plano fechado que mostra dois balões de fundo redondo (frascos de laboratório) fixados em equipamentos. Créditos: Daniel Fine | EPM.

Esses fatores, além dos costumes sociais, levaram a uma situação em que as empresas farmacêuticas não têm sido uma presença importante no desenvolvimento da cannabis.

“A Lilly não está envolvida em pesquisas sobre cannabis e não planeja participar de pesquisas sobre cannabis no futuro”, escreveu Nicole S. Herbert, porta-voz da gigante farmacêutica Eli Lilly, em um email.

Uma porta-voz da Pfizer, Sally Beatty, disse que a empresa “abandonou” suas patentes relacionadas à maconha depois que terminou a pesquisa sobre o tratamento de câncer e dor inflamatória.

“Anos atrás, investigamos uma classe de compostos com potencial valor terapêutico no tratamento da dor do câncer e da dor inflamatória. Nosso trabalho nesta área ficou confinado ao laboratório, nunca foi testado em pacientes e acabou sendo interrompido”, afirmou Beatty. A GSK e a Sanofi se recusaram a comentar e várias outras não responderam às perguntas da NBC News sobre o assunto.

A EPM, que foi cofundada por Reshef Swisa, 37 anos, conseguiu estabilizar a versão ácida e também padronizou o processo para manter uma produção consistente – uma chave para a indústria farmacêutica, que até agora mantinha distância da planta, apesar de um aumento em popularidade nos produtos baseados em CBD.

A EPM, que possui uma patente aprovada para seus processos e mais 13 em revisão, está adotando uma nova abordagem comercial de seus produtos, optando por oferecer seu Ingrediente Farmacêutico Ativo, o elemento chave de um medicamento, às empresas farmacêuticas com base em licenciamento. Eles planejam oferecer exclusividade para condições médicas específicas.

“Não somos desenvolvedores de medicamentos”, disse Swisa. “Nós somos um desenvolvedor de moléculas”.

Swisa disse que as primeiras aplicações provavelmente serão direcionadas para tratar a psoríase em um creme tópico. Outros resultados promissores sugerem que o ingrediente ativo pode ser eficaz no tratamento de inflamações que causam artrite, ansiedade e doenças inflamatórias intestinais.

Swisa e Mechoulam disseram que esperam que as primeiras aplicações de seu composto entrem na Fase 1 dos testes da FDA em seis a 12 meses, embora vários fatores comerciais e científicos possam afetar esse prazo.

Os desenvolvimentos acontecem no momento em que a Big Pharma está sob o cerco dos procuradores gerais do estado sobre a crise dos opioides, o que poderia abrir a porta para a exploração de alternativas para o tratamento da dor.

Embora os testes iniciais do composto de Mechoulam sejam promissores, Peer recomenda cautela contra a expectativa de um produto imediato.

“Há uma lacuna entre uma molécula interessante e um produto farmacêutico”, disse Peer.

O tempo médio para um medicamento obter a aprovação do FDA é de 12 anos, de acordo com um estudo da Universidade de Washington publicado em Elsevier em 2016, embora a agência tenha quatro faixas aceleradas.

Enquanto a pesquisa está programada para continuar em longo prazo, Mechoulam pressionou a comunidade científica a prestar atenção agora.

“Poderíamos ter ajudado muitas crianças com canabidiol por muitos anos”, disse ele, lamentando o atraso de décadas na aceitação de suas descobertas.

“Espero que isso não aconteça com o novo composto.”

Tradução: Joel Rodrigues | Smoke Buddies.

Leia também:

Maconha é remédio, já dizia Mechoulan

#PraCegoVer: fotografia (de capa) em primeiro plano de Raphael Mechoulam (à direita da foto), vestindo um casaco escuro e à frente de uma parede amarela, apontando para vários equipamentos e materiais de laboratório que estão sobre uma bancada. Foto: Daniel Fine | EPM.

lazy placeholder Raphael Mechoulam espera que nova descoberta sobre a cannabis não seja novamente esquecida

Sobre Smoke Buddies

O Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!

Deixe seu comentário