Marijuana: como o racismo e a xenofobia moldaram a história da guerra às drogas nos EUA

folhas cores Marijuana: como o racismo e a xenofobia moldaram a história da guerra às drogas nos EUA

Ao adotar o termo espanhol “marijuana”, em vez do já amplamente usado “cannabis”, os proibicionistas do início do séc. 19, nos EUA, pretendiam estigmatizar o uso de maconha por negros e imigrantes. As informações foram traduzias pela Smoke Buddies do Pressconnects

Nos EUA, ela é conhecida como pot, weed, grass, ganja, dope, reefer e mary jane, mas nenhuma outra palavra é mais comumente usada para se referir à cannabis como “marijuana”.

De origem mexicana-espanhola, a palavra “marijuana” ou “marihuana” substituiu o termo “cannabis” do léxico estadunidense no início do século XIX.

site sb Marijuana: como o racismo e a xenofobia moldaram a história da guerra às drogas nos EUA

Hoje, tornou-se um ‘chavão’ para a política e a aplicação da lei. A história dos Estados Unidos de policiar federalmente a palavra amplamente aceita, embora tabu, está enraizada na xenofobia e desinformação.

De 1910 a 1920, os EUA viram dezenas de milhares de mexicanos imigrando para o sudoeste após a Guerra Civil Mexicana.

O influxo da imigração aumentou o sentimento antimexicano contra os imigrantes e uma campanha de “loucura reefer” entre os estadunidenses brancos, mais comumente pelo comissário da Agência Federal de Narcóticos da época, Harry Anslinger.

As campanhas de propaganda de Anslinger criaram narrativas racistas, como “os que fumam maconha são de uma ‘raça inferior’” e “têm maior probabilidade de se envolver em promiscuidade sexual e violência”, disseram especialistas.

Ao adotar a palavra espanhola “marijuana”, em vez da já amplamente usada “cannabis”, Anslinger e outros ativistas da proibição do início a meados do século 19 estavam intencionalmente conectando o uso de maconha por pessoas pardas e pretas a efeitos colaterais perigosos produzidos pela droga, disseram especialistas.

Leia mais: Político proibicionista do Kansas confirma origem racista da proibição da maconha

Avancemos agora: o uso recreativo da maconha foi legalizado em 11 estados e a maconha medicinal foi legalizada por 33 estados.

Em junho de 2019, os legisladores de Nova York votaram pela descriminalização do porte de maconha, mas ainda precisam legalizá-lo.

Um dos principais entraves é como distribuir a receita das vendas de maconha, principalmente sobre como criar oportunidades de negócios para comunidades de cor impactadas desproporcionalmente por prisões por maconha.

“Não estamos avançando, a menos que tenhamos o compromisso sobre como a receita deve ser gasta”, disse em janeiro a senadora Liz Krueger, D-Manhattan, patrocinadora do projeto de lei sobre maconha.

Há muito dinheiro em jogo.

De acordo com um relatório de 2018 da Arcview Market Research e da BDS Analytics, a indústria legal da maconha deverá gerar mais de US$ 23 bilhões até 2022.

Como a ascendência afeta o debate sobre a maconha

À medida que o número de estados que legalizam a maconha aumenta, o debate sobre a etimologia de carga racial da maconha se torna cada vez mais prevalente.

“A proibição da maconha historicamente tem como alvo pessoas de cor e minorias e as afeta desproporcionalmente”, disse Violet Cavendish, porta-voz do The Marijuana Policy Project, um grupo de defesa.

“Mas acho que é importante reconhecer isso e não apagar completamente o termo maconha, porque essa atitude apagaria a história por trás disso e é mais fácil que isso continue sem entender-se que as políticas têm usado essa palavra para atingir as minorias”.

“Erva mexicana perigosa”: como notícias racistas ajudaram a proibir a maconha nos EUA

Alguns especialistas argumentam que até mesmo a mudança da fala preferida de weed (erva) para “cannabis” oferece seus próprios problemas.

O botânico sueco Carl Linneaus foi o primeiro a identificar “cannabis sativa” em sua classificação de 1753. Mas o cientista também classificou biologicamente a raça humana em sua publicação de 1767, Systema Naturae.

“Ele dividiu a humanidade em quatro subgrupos raciais e os classificou de acordo com os quais ele considerava melhores do que outros”, disse Emily Dufton, autora de Grass Roots: The Rise and Fall e Rise of Marijuana in America.

“Então, supor que ‘cannabis’ é um termo preferível por achar-se que não tem implicações raciais nega o fato de que há esse cara sueco que realmente tem exatamente os mesmos sentimentos”.

O debate sobre a receita da maconha

Outros argumentam que mudar a terminologia para “cannabis” não é cientificamente correto. “Cannabis” ou “cannabis sativa L.” refere-se a toda a planta, e ela consiste em diferentes cepas.

Uma cepa, o cânhamo, é a variedade não psicoativa da planta.

O cânhamo é usado para fabricar produtos comerciais e industriais, como cordas, roupas, sapatos, alimentos, papel ou alívio natural da dor. Marijuana refere-se à cepa psicoativa de cannabis que contém THC. Em outras palavras, é a cepa que as pessoas fumam.

Leia – Cannabis Indica, Sativa, Híbrida e Ruderalis: quais as diferenças?

O recente esforço para usar “cannabis” em vez de “marijuana” é frequentemente considerado uma manobra capitalista por certas empresas que estão usando a indústria legal da maconha para obter lucro, disseram especialistas.

“Vemos que na indústria legal de cannabis ainda são principalmente os homens brancos que estão ganhando mais, financeiramente, com esse sistema legal”, disse Dufton.

“Então, tenho meu ceticismo em realmente abraçar o termo ‘cannabis’ em oposição a qualquer outra coisa, porque me parece muito um esforço de marketing.”

Em Nova York, um dos objetivos de qualquer esforço de legalização é garantir que o dinheiro das vendas vá para minorias nas comunidades urbanas mais atingidas e que são mais afetadas por detenções por maconha de baixo nível.

Portanto, os defensores estão exigindo que grande parte dos US$ 300 milhões projetados por ano em arrecadação de impostos sobre maconha seja destinada a pessoas de cor e não a grandes empresas de cannabis que frequentemente dominam as indústrias nos estados com legalização.

O Legislativo estadual e o governador Andrew Cuomo não conseguiram chegar a um acordo em abril, pois a pandemia de COVID-19 dominou sua atenção.

Os opositores alertaram sobre o impacto que a maconha teria na sociedade e nas crianças.

“A legalização e comercialização da maconha recreativa cria uma séria ameaça à saúde pública e infantil e envia uma mensagem confusa aos jovens de que o uso da maconha recreativa é aceitável”, disse a Associação de Pais e Professores do estado.

“Com a grave crise dos jovens vaporizando e a contínua epidemia de opioides, essa legislação prejudicial é contraintuitiva”.

Leia também:

Reefer Madness 2.0: loucura proibicionista chega aos vaporizadores de maconha

#PraCegoVer: em destaque, fotografia, em fundo preto, que mostra quatro folhas de maconha, duas maiores nas laterais da foto, na vertical, e duas menores que, sobrepostas pelas outras, se unem no centro da imagem, diagonalmente, sendo que as folhas da esquerda são de cor verde-escuro e as da direita verde-claro, remetendo a pessoas de cores diferentes com as mãos dadas. Imagem: THCameraphoto.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!