Marcha da Maconha SP: a festa da luta canábica na principal avenida da cidade

marcha da maconha sp Marcha da Maconha SP: a festa da luta canábica na principal avenida da cidade

A MM SP aconteceu neste sábado (14) e, segundo a organização, reuniu cerca de 30 a 40 mil pessoas. Teve maconhaço, banda, beck gigantes e muito ativismo. O Smoke Buddies estava presente em peso registrando todo o percurso e acompanhando esta festa da cultura da maconha em SP.

A Avenida Paulista e a região central de SP receberam novamente a maior expressão da cultura canábica da cidade, a Marcha da Maconha 2016. A concentração estava marcada para o já conhecido dos maconheiros paulistanos vão livre do MASP, que começou a encher de gente e de fumaça por volta da 13h. A equipe Smoke Buddies chegou cedo para ver bem de perto todos os momentos da Marcha, que reuniu de 30 a 40 mil pessoas, segundo a organização.

Às 16h20, o vão já estava repleto de gente de todos os tipos, idades, classes sociais e ideologias. Ao olhar ao redor, você conseguia achar skatistas, mães, pacientes, crianças, idosos, executivos, artistas, músicos, jornalistas, mas todos com um só olhar com relação à maconha: já passou da hora de mudarmos a perspectiva e regulamentar a erva de uma vez por todas, seja para uso medicinal, recreativo, religioso ou industrial. Quem perde com a guerra é o usuário, é o paciente, é a família e não o tráfico.

lazy placeholder Marcha da Maconha SP: a festa da luta canábica na principal avenida da cidade

Além dos usuários saindo do armário, pelo MASP também era fácil ver nomes notórios da maconha como Cazé Peçanha (apresentador do programa A Liga), Tarso Araújo (jornalista, diretor do documentário Ilegal, autor de “Almanaque das Drogas), João Paulo Costa (um dos criadores do app Who is Happy e do evento Ganja Talks), Katiele Fischer (Ilegal, mãe de Anny), Henrique Carneiro (professor da USP), Profeta Verde (advogado e ativista), Ivan Valente (deputado federal – PSOL), Sombra (MC), e muitos, muitos outros – tantos que nossa mente maconheira nos impede de recordar.

Leia mais: Festival Ganja Talks: o Brasil já vive a legalização

Quando já não cabia mais ninguém por lá, os milhares de manifestantes saíram em direção a Paulista, com cartazes na mão e gritos de guerra. Ali, finalmente o tão esperado maconhaço realmente aconteceu – uma atitude que representa muito mais que uma desobediência civil em massa, é um símbolo de que todo mundo está de saco cheio dessa guerra burra. Alguns de pé e a grande maioria sentado, todos fumavam seus becks livremente e em paz, levando a fumaça a subir alto e espalhar seu cheiro característico por toda a Paulista. Apesar do policiamento da PM sempre presente, não houve confusão ou interferência em momento algum. Dizemos mais: por alguns instantes, era até possível esquecer que havia polícia por lá.

lazy placeholder Marcha da Maconha SP: a festa da luta canábica na principal avenida da cidade

Depois de fazer a mente, os manifestantes partiram em direção a Consolação com direito a banda ao vivo tocando diversos clássicos na traseira de uma Kombi devidamente decorada. Não faltou animação, fumaça e claro, as reivindicações da galera. O tema era “Fogo na Bomba e Paz na Quebrada”, mas havia cartazes de todos os tipos: Alguns pediam a regulamentação, outros o direito de acesso a medicamentos à base de maconha, outros tantos pelo direito ao cultivo, e mais alguns conectavam insatisfações políticas com a atual situação da maconha no Brasil.

Após a marcha dobrar para a Rua Augusta, que se tornou um corredor da marola, os manifestantes seguiram pela Rua da Consolação, rumo ao ponto final na Praça Roosevelt, também um marco para a cultura canábica paulistana. Com o trânsito desviado pela CET e pela PM, a Marcha seguiu em paz durante todo o trajeto.

Pelo percurso, era notável a presença dos comerciantes locais vendendo desde trufas e brigadeiros “espaciais”, milho cozido, espetinhos e pizzas, à cervejas, água e outros destilados. Parece que muitos já se deram conta do potencial lucrativo de milhares de maconheiros com fome e com sede. Isso se confirmou ainda mais com o comércio local: lojas e shoppings fechados, mas lanchonetes, padarias, redes de fastfood e até botecos abertos e repletos de clientes.

Após a chegada, muitos se dispersaram, mas a maioria continuou no local escutando música, fumando e celebrando o final desta Marcha, que apesar de um pouco tímida, caminhou extremamente animada nesta celebração da erva. Do resultado, ficaram duas certezas: cada vez mais, esta luta é plural, ela tem lugar do paciente ao usuário recreativo, do rasfatari ao pai de família; E de que ano que vem vai ser maior e muito mais gente vai sair do armário para se declarar maconheiro e pedir o fim da guerra às drogas.

Veja mais um pouco do que rolou na MM de SP nas fotos abaixo:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotografia de Capa: Marcha da Maconha SP
Fotografia artigo e galeria: Bianca Barros

Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!

Deixe seu comentário