Como o mundo fuma menos, Malawi se volta à maconha para salvar sua economia

tabaco malawi Como o mundo fuma menos, Malawi se volta à maconha para salvar sua economia

Seguindo a onda africana de legalização, o Malawi está prestes a legalizar a chamba, como é conhecida a maconha no país, para impulsionar sua economia. As informações são da Quartz Africa.

O Malawi está prestes a se tornar o mais recente país africano a legalizar a produção de maconha em uma tentativa de impulsionar sua economia. Ele é o principal fornecedor de tabaco para estrangeiros e começa a ver o impacto de um lobby global anti-tabagismo de décadas liderado por organizações como a Organização Mundial da Saúde.

O parlamento do país elaborou um projeto de lei sobre a legalização do cânhamo industrial e medicinal que deverá ser apresentado em breve com a assembléia nacional.

Diferentes partes interessadas na indústria do cânhamo têm pedido ao governo que acelere a legislação sobre a agricultura do cânhamo, para que o Malawi tenha uma alternativa de mercado além do tabaco, que atualmente representa 60% dos ganhos estrangeiros.

As vendas de tabaco diminuíram ao longo dos anos em todo o mundo, até julho de 2018, as três maiores empresas de tabaco do mundo perderam cerca de 20% em valor de mercado. Segundo dados da S&P Global Market Intelligence, a fabricante americana da Marlboro, Altria, caiu 18% e a British American Tobacco, 22%.

Leia: Dona da Marlboro anuncia compra de parte de produtora canadense de maconha

A indústria está lutando com o abandono global do tabagismo devido a preocupações com a saúde. Por exemplo, o consumo de cigarros nos Estados Unidos caiu para um nível recorde em 2017, com apenas 14% de todos os adultos americanos fumando, uma queda de 67% em relação a 1965, quando 42% dos adultos fumavam.

O Malawi está sentindo o aperto, já que os preços das commodities para o tabaco são afetados. Embora os preços no leilão deste ano tenham sido de US$ 1,58 por quilo, nos últimos anos os preços foram tão baixos quanto 80 centavos por quilo.

Assim, o Malawi está olhando para a maconha industrial para suplementar o tabaco e expandir as opções de receita do país.

“Nós precisávamos ter pulado nesta janela já, como foi provado no mercado internacional que a cultura é lucrativa, então legalizar esta cultura será muito vital para o Malawi”, disse Boniface Kadzamila, um membro do parlamento.

O cânhamo industrial pode oferecer muito à economia do país, sendo relatado que um acre com 2.500 plantas pode chegar a US$ 60.000 nos EUA. Em média, um acre de 2.500 plantas de tabaco atinge cerca de US$ 5.000 no Malawi.

Um investidor canadense com sede na África do Sul, Graham MacKintosh, da Green Quest Farmerceuticals, acredita que o Malawi tem condições climáticas para cultivar a cannabis e não deve perder os benefícios econômicos que colherá, já que atualmente o mercado está “crescendo”.

“Esta cultura tem óleo de canabidiol, que está em alta demanda, e estima-se que nos próximos três anos o óleo de CBD que extrairemos esteja pronto para crescer em mais de 700%”, diz Mackintosh.

Países africanos, incluindo  Zimbábue, Marrocos, Lesoto e África do Sul, legalizaram ou consideraram legalizar a agricultura de maconha.

Tradução: Smoke Buddies.

Leia também:

Legalize it: Países africanos miram no mercado global da maconha

#PraCegoVer: fotografia (de capa) de um homem negro vestindo uma camiseta de listras horizontais largas em branco e azul-claro e entre duas fileiras de mesas de madeira repletas de folhas de tabaco curadas, as quais manuseia durante o processo de classificação; ao fundo pode-se ver uma pequena janela quadrada por onde entra a luz do sol e uma parede branca carcomida. Créditos da foto: Gianluigi Guercia – AFP.

Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!

Deixe seu comentário