Por dentro da comunidade conhecida por uma das variedades de haxixe mais caras do mundo

malana haxixe Por dentro da comunidade conhecida por uma das variedades de haxixe mais caras do mundo

O fotojornalista Hari Katragadda passou seis anos documentando o desaparecimento da cultura da cannabis de uma comunidade de produtores de haxixe em Malana. As informações são da Vice 

No alto do sopé do Himalaia coberto de neve fica uma vila exuberante chamada Malana, mais conhecida por suas vistas deslumbrantes do rio Parvati, relativo isolamento e uma variedade de haxixe ou charas — um produto de cannabis feito da resina da planta chamado Malana Cream.

Considerada uma das melhores e mais caras variedades de cannabis do mundo, Malana Cream é icônico por sua consistência tipo argila, alto valor de THC e um aroma distinto. É produzido através de uma técnica de esfregar as mãos que envolve os produtores esfregando furiosamente as plantas frescas de cannabis nas palmas das mãos até que a resina escoe. E embora o Malana Cream seja ilegal sob a lei indiana de drogas narcóticas e substâncias psicotrópicas (NDPS), sua fama se espalhou por toda parte, atraindo milhares de visitantes que caminham pelo distrito de Kullu, no estado indiano de Himachal Pradesh, para chegar a Malana.

Leia também: Charas: o que é, como fazer e sua história

Então, quando o fotojornalista Hari Katragadda ouviu pela primeira vez sobre o ilustre legado de Malana como uma comunidade de haxixe, ele ficou instantaneamente intrigado.

“Esta é uma história que começa com haxixe”, disse Katragadda à Vice. “Em 2008, quando eu trabalhava em Delhi, ouvi falar de Malana como um lugar misterioso com associações mitológicas.”

 Por dentro da comunidade conhecida por uma das variedades de haxixe mais caras do mundo

De setembro a outubro é a época da colheita da cannabis, durante a qual mulheres e crianças saem de casa para se juntarem aos homens nas fazendas para fazer haxixe. Imagem: Hari Katragadda.

Aqueles na comunidade, explicou Katragadda, acreditam que os moradores de Malana eram descendentes de Alexandre, o Grande, e seus soldados gregos, embora isso não tenha sido comprovado. Aqui, cerca de 4.700 habitantes vivem uma vida pacificamente isolada e falam uma língua distinta chamada Kanashi, que é uma mistura de diferentes línguas, incluindo o tibetano.

“Também ouvi dizer que os indianos e todos os forasteiros são considerados intocáveis nesta aldeia, o que também foi estranho de ouvir”, disse Katragadda.

Leia mais: O primeiro café de cânhamo da Índia quer normalizar a cannabis

Em 2009, juntou-se a um escritor e partiu em uma missão para entender mais sobre a comunidade de Malana.

O fotojornalista fez 12 viagens à aldeia isolada de 2009 a 2015, fazendo amizade com membros da comunidade e até participando de suas funções tradicionais, como casamentos, enquanto tentava absorver conhecimentos sobre sua cultura.

“Eu não os abordei como um cliente que queria comprar haxixe”, explicou. “Eu os procurei como amigo e não como cliente, então acho que eles estavam mais abertos [a me aceitar].”

 Por dentro da comunidade conhecida por uma das variedades de haxixe mais caras do mundo

Embora a eletricidade, a televisão a cabo e os telefones celulares tenham feito incursões, Malana ainda tem uma sensação de velho mundo. Foto: Hari Katragadda.

Para essa comunidade, ele explicou, esfregar flores de cannabis para produzir haxixe é um meio de vida do qual eles dependem há mais de três décadas.

“As plantas de cannabis com mais de 12 pés (3,6 metros) de altura crescem ao redor de suas aldeias e nas colinas”, disse ele. “Como isso cresce bem no quintal deles, era um ritual diário para fumar, e era especificamente para consumo pessoal até 1980. Nos anos 80, toda a cultura das drogas de vendê-las para fora e para a Europa mudou a natureza do cultivo de cannabis e o tornou uma fonte de subsistência porque o terreno e as temperaturas tornavam muito difícil cultivar qualquer outra coisa.”

Historicamente, o sustento da comunidade de Malana estava enraizado na cannabis, seja esfregando haxixe ou vendendo produtos como cestas e chinelos tecidos dessas plantas que cresciam na natureza. Também foi visto como um presente de seu deus, uma divindade local que a comunidade adora chamada Jamlu Devta.

Leia também: A ascensão do cânhamo na Índia

No entanto, depois que a Índia criminalizou a cannabis sob o Ato NDPS em 1985, o modo de vida da comunidade ficou ameaçado.

“Na última vez que visitei a aldeia, presenciei uma campanha policial para destruir as plantações de cannabis que crescem nesta região, mesmo em terrenos de difícil acesso no alto das colinas”, lembrou Katragadda.

Desde então, as campanhas policiais que envolvem a queima ou o corte dessas culturas se tornaram uma característica regular na região, com as autoridades também estabelecendo postos de controle que dificultaram o transporte de substâncias para fora de Malana por produtores e visitantes.

Isso, por sua vez, desferiu vários golpes nos membros da comunidade que dependiam da cannabis como sua principal fonte de renda.

“Durante meu tempo lá, visitei uma família onde um pai era o único cuidador de seus dois filhos”, disse Katragadda. “Ao passar mais tempo com eles, percebi que o pai estava angustiado e lidando com problemas [de saúde mental]. Isso aconteceu por que sua esposa foi presa enquanto levava uma remessa de haxixe para fora da aldeia e condenada a sete anos de prisão. Isso quebrou toda a família.”

 Por dentro da comunidade conhecida por uma das variedades de haxixe mais caras do mundo

Um homem acende um baseado de haxixe ao lado de seu filho. Sua esposa foi presa e condenada há alguns anos por tráfico de drogas. Hari Katragadda.

Katragadda também disse que muitas das tentativas das autoridades de afastar a comunidade da cannabis se mostraram inúteis.

“Havia um policial na área que tentou pressionar a comunidade a cultivar plantações de chá”, disse ele. “Isso funcionou por uma temporada de colheita, mas à medida que os meses de inverno chegaram, as colheitas foram destruídas.”

De fato, acrescentou, a interferência das autoridades locais também foi um desenvolvimento relativamente recente, com a comunidade historicamente contando com um conselho de anciãos para resolver suas disputas.

Leia mais: De onde as lojas indianas de Bhang obtêm sua cannabis?

“Malana também tem a reputação de ter o mais antigo sistema de governança democrática”, explicou. “Eles tinham suas próprias leis e métodos para resolver disputas, e nem a polícia tinha permissão [de interferir].”

Uma das táticas para resolver as disputas, disse ele, foi usar ovelhas de propriedade da comunidade. “Esta comunidade também é criadora de ovelhas, então uma das maneiras de resolver uma disputa é pedir [a cada membro concorrente] que ofereça uma ovelha e depois envenene essas ovelhas. Quem quer que a ovelha morresse primeiro era considerado um mentiroso.”

 Por dentro da comunidade conhecida por uma das variedades de haxixe mais caras do mundo

Um ritual realizado para apaziguar a divindade da aldeia, que simbolicamente governa Malana.

Embora este conselho tenha sido a autoridade global por várias décadas, as coisas começaram a mudar à medida que Malana ganhou mais acessibilidade com uma nova estrada que levava à vila e um projeto hidrelétrico sobre seus rios.

“A comunidade mais velha tem reservas sobre pessoas vindas de fora porque acreditam que a divindade ficaria descontente com a influência externa”, disse Katragadda. “Mas a geração mais jovem agora tem smartphones e está mais conectada ao mundo fora de sua aldeia. Então, mais turismo dá à sua vila um impulso econômico.”

Leia mais: Na Índia, casa feita de cânhamo colhe chuva e energia solar operando em energia zero

Enquanto a comunidade também adotou costumes progressistas, como permitir que uma viúva viva com qualquer homem que ela queira sem policiamento moral, outras tradições, como restringir casamentos dentro da comunidade, estão evoluindo.

“Algumas crenças, como aquela sobre eles nunca tocarem forasteiros, não são verdadeiras”, disse o fotojornalista. “Vivi com eles, fiquei em suas casas, comi com eles e participei de suas cerimônias. Há, no entanto, alguns lugares sagrados que o conselho não permite que estranhos entrem ou toquem, e uma multa é imposta a quem tentar tocá-los. A cultura está mudando lentamente, mas essas coisas fazem parte de sua mitologia.”

Confira mais fotos do projeto abaixo.

 Por dentro da comunidade conhecida por uma das variedades de haxixe mais caras do mundo

Uma mulher usa lã de ovelha. Malana era tradicionalmente uma comunidade de criação de ovelhas, até que o lucrativo negócio de cultivo de cannabis a ultrapassou há três décadas.

 Por dentro da comunidade conhecida por uma das variedades de haxixe mais caras do mundo

Uma noiva se preparando para o casamento. Os casamentos fora de Malana foram proibidos, embora em tempos mais recentes as pessoas tenham começado a desrespeitar as rígidas leis nupciais da aldeia, que não reconhecem os casamentos que ocorrem fora da aldeia.

 Por dentro da comunidade conhecida por uma das variedades de haxixe mais caras do mundo

As plantas de cannabis são esfregadas para extrair seu teor máximo de óleo. Depois que uma espessa camada de óleo se deposita na palma, ela é raspada para formar bolas de haxixe.

 Por dentro da comunidade conhecida por uma das variedades de haxixe mais caras do mundo

Um menino com um ar desafiador posa com uma poderosa indiferença que caracteriza muitos membros da comunidade.

 Por dentro da comunidade conhecida por uma das variedades de haxixe mais caras do mundo

A comunidade tradicionalmente usa tochas de fogo durante suas cerimônias.

Leia também:

Em busca do hashish perfeito: conheça a história de Frenchy Cannoli

#PraTodosVerem: fotografia, em P&B, mostra um grupo de pessoas reunidas em torno de uma fogueira na encosta de uma colina. Imagem: Hari Katragadda.

smokebuddies logo2 Por dentro da comunidade conhecida por uma das variedades de haxixe mais caras do mundo

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!