Mais mulheres recorrem à cannabis para ajudar nos sintomas da menopausa

bud boca Mais mulheres recorrem à cannabis para ajudar nos sintomas da menopausa

Novo estudo canadense documenta uma alta porcentagem de mulheres que experimentaram maconha para ajudar a controlar os sintomas da menopausa. As informações são da Sociedade Norte-Americana de Menopausa

A legalização da cannabis em muitos lugares levou ao seu uso para tratar uma série de problemas de saúde. Das entrevistadas em um estudo da Universidade de Alberta, em Edmonton, Canadá, uma em cada três mulheres perto da transição da menopausa usa cannabis; a maioria para fins médicos coincidindo com o manejo dos sintomas da menopausa. Os resultados foram apresentados durante a Reunião Anual da Sociedade Norte-Americana de Menopausa (NAMS), em Washington DC, de 22 a 25 de setembro de 2021.

Leia mais: Estudo revela aumento do uso de maconha para controlar sintomas da menopausa

site sb Mais mulheres recorrem à cannabis para ajudar nos sintomas da menopausa

Embora o conceito de usar cannabis para controlar vários sintomas da menopausa não seja novo, tem havido pouca pesquisa, até o momento, para documentar exatamente quantas mulheres estão usando atualmente especificamente para fins médicos relacionados com a menopausa. Este novo estudo da Universidade de Alberta, buscou examinar as taxas e padrões de uso de maconha e sua eficácia percebida no controle dos sintomas que se sobrepõem à menopausa. A cannabis é totalmente legalizada no Canadá desde 2018.

Os pesquisadores do estudo analisaram as respostas de quase 1.500 mulheres que vivem na província de Alberta, das quais 18% estavam na pré-menopausa, 33% estavam na perimenopausa, 35% estavam na pós-menopausa, e uma pequena porcentagem foi submetida a histerectomia e/ou ooforectomia bilateral. Das mulheres estudadas, cerca de um terço (33%) relatou o uso de cannabis nos últimos 30 dias e 65% indicaram sempre usar cannabis. As taxas atuais de cannabis foram semelhantes entre os diferentes estágios da menopausa.

Leia mais: Busca por cannabis aumenta na pandemia e faz usuárias largarem drogas tarja preta

Das 499 usuárias atuais de maconha, 75% relataram o uso para fins médicos. Os motivos mais comuns para o uso atual incluem: problemas de sono (65%), ansiedade (45%), dores musculares/articulares (33%), irritabilidade (29%) e depressão (25%). Três quartos das usuárias atuais consideram a cannabis útil para seus sintomas.

Além disso, os pesquisadores documentaram que as mulheres que usam cannabis eram mais propensas do que as não usuárias a relatar problemas de sono, problemas de humor (incluindo depressão, alterações de humor, irritabilidade e ansiedade), dificuldade de concentração, dores musculares/articulares e relações sexuais dolorosas. Comestíveis (52%) e óleos (47%) foram as formulações de cannabis mais comumente usadas. As fontes mais comuns de informações sobre cannabis para fins médicos eram pesquisas na internet (46%) e família/amigos (34%).

“Nosso estudo confirmou que uma grande porcentagem de mulheres na meia-idade está usando cannabis para sintomas que coincidem com a menopausa, especialmente aquelas mulheres que relataram mais sintomas”, diz Katherine Babyn, uma estudante de mestrado de ciência da Universidade de Alberta e primeira autora do estudo. “Além disso, muitas dessas mulheres afirmam obter alívio para seus sintomas por meio do uso de cannabis”. O estudo foi financiado por uma bolsa operacional dos Institutos Canadenses de Pesquisa em Saúde (CIHR).

“Enquanto continuamos a aprender que mais mulheres estão usando cannabis para ajudar a controlar os sintomas da menopausa, mais pesquisas são necessárias para avaliar a segurança e eficácia da cannabis para o gerenciamento de sintomas da menopausa”, diz a Dra. Stephanie Faubion, diretora médica da NAMS.

Saiba mais:

O futuro da cannabis é feminino: mulheres são nicho do mercado consumidor de maconha de crescimento mais rápido

#PraTodosVerem: fotografia mostra parte do rosto de uma mulher que segura um bud de maconha próximo à boca e o nariz. Imagem: Unsplash / Elsa Olofsson.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!