Mães de Marília viram símbolo de luta pela maconha medicinal

cultivo maes Mães de Marília viram símbolo de luta pela maconha medicinal

As mães de Marília que obtiveram na Justiça o direito de cultivar maconha estão visitando outras famílias que também conseguiram autorização. Suas esperanças são de que mais pessoas que precisem tenham acesso à cannabis medicinal com menos burocracia. As informações são do Marília Notícia.

A enfermeira Nayara de Fátima Mazini Ferrari, de 36 anos, moradora de Marília, é autora de uma “ideia legislativa” no Senado que defende a legalização de centros de estudos da cannabis (maconha) medicinal no Brasil. A proposta tinha até o último dia 14 de março para receber as adesões necessárias e se transformar em “sugestão legislativa”

Nayara é mãe de Letícia, de 6 anos, a Lelê. Assim como a trabalhadora autônoma Cláudia Marin, 41, mãe do Mateus de 10 anos, também de Marília, ela conseguiu nos últimos dias uma autorização judicial para importação de sementes e plantio de maconha medicinal.

Leia mais: Justiça permite cultivo de maconha para tratamento de epilepsia em Marília

Com a erva, elas mesmas produzirão o medicamento que seus filhos precisam de forma artesanal. O garoto, por exemplo, utiliza até três seringas por mês.

Cada uma custa entre US$ 300 e US$ 350. Com a oscilação do dólar o preço fica instável e pode subir consideravelmente em certos períodos, o que pode acarretar na interrupção do tratamento.

lazy placeholder Mães de Marília viram símbolo de luta pela maconha medicinal

#PraCegoVer: fotografia de Cláudia, usando óculos e camiseta regata cinza, com um grande sorriso aberto, enquanto tira a selfie sentada ao lado do filho Mateus, que está vestindo uma camiseta regata cinza com estampa; ao fundo pode-se ver um gramado verde.

Os filhos delas nasceram com síndromes raras e já chegaram a sofrer dezenas de convulsões por dia.

Depois de conquistarem autorização da Anvisa para importação do medicamentos à base de maconha – em conjunto com outros tipos de terapia – os ataques convulsivos foram controlados.

As crianças passaram a ter muito mais qualidade de vida e apresentaram melhora na capacidade cognitiva, de comunicação e no sistema imunológico, por exemplo.

“Minha filha é outra criança antes e depois da cannabis medicinal. Antes ela estava sempre internada, eu não podia nem trabalhar”, conta Nayara. Com a redução das convulsões, a irritabilidade da menina também diminuiu muito, diz a mãe.

lazy placeholder Mães de Marília viram símbolo de luta pela maconha medicinal

#PraCegoVer: fotografia de Nayara agachada próxima a uma estrutura de madeira colorida (que parece estar na área externa de sua casa), enquanto abraça sua filha Letícia que está sentada em seu colo. Créditos : Leonardo Moreno.

Pesquisa e manejo

A iniciativa da enfermeira de criar a ideia legislativa visa aprofundar as pesquisas para utilização do medicamento.

“No Brasil existe pouquíssima literatura científica sobre o uso da cannabis medicinal. Mas lá fora há vasto material, temos estudado bastante”, conta Nayara.

Junto com Cláudia ela passará a visitar outras famílias que vivem em Campinas e São Paulo e também conseguiram na Justiça Federal autorização para plantio da erva com objetivo de extração dos subprodutos necessários como medicamento.

“Existem várias espécies de cannabis, algumas com maior concentração de canabidiol (CBD) e outras com mais tetrahidrocanabinol (THC). Com o manejo delas, com a cruza de variedades, podemos chegar na planta adequada para cada um”, detalha Nayara.

As pesquisas poderiam ser especialmente úteis no sentido da seleção de espécies e técnicas de produção, fundamentais para chegar na medicação especifica para cada tipo de paciente.

“A forma como é plantada, o modo de se extrair o óleo, tudo isso influência no produto final”, diz a enfermeira.

“Nós queremos o melhor para nossos filhos e fundamentadas cientificamente, não apenas de forma empírica”.

Princípios ativos

O CBD, de acordo com ela, já vem sendo pesquisado em alguns lugares do Brasil, como na Universidade de São Paulo, em Ribeirão Preto.

No entanto, em relação ao THC, que provoca o efeito psicoativo da maconha, ainda existe um tabu muito grande.

“Precisamos desmistificar isso. O THC tem dado resultados incríveis em casos de câncer, doenças autoimunes, depressão”, comenta.

A aplicação do CBD isoladamente nem sempre apresenta o resultado esperado, dizem as mães.

Quando Cláudia passou a dar para seu filho Matheus o óleo à base de cannabis, os resultados avançaram muito. “Alguns sintéticos não têm o THC ou possuem muito pouco. E agente sabe que é o THC que ativa o CBD”, diz Cláudia.

lazy placeholder Mães de Marília viram símbolo de luta pela maconha medicinal

#PraCegoVer: fotografia em primeiro plano de Cláudia que está sorridente junto a Mateus, ambos usando óculos, em um ambiente externo, onde pode-se ver árvores e balanços.

O garoto tem síndrome de West, também conhecida como espasmos infantis. “Ele já chegou a tomar sete anticonvulsionantes e sem resultados”.

A síndrome deixou o garoto 100%. Ele não fala, não anda, mas consegue ficar sentado na cadeira de rodas.

Com o CBD o menino fez tentativas de pronúncia. Após o acesso a um óleo caseiro integral, a chamada “gotinha”, passou até a tentar se comunicar.

A mãe ressalta que junto com a utilização da cannabis medicinal outros tratamentos em conjunto foram essenciais.

“É o que chamamos de medicina integrativa, que combina também uma dieta cetogênica e medicamentos halopáticos. Essa foi a chave”, diz Cláudia.

Para as mães, a esperança é que outras famílias que precisam também tenham acesso ao derivado da cannabis de forma menos burocrática.

A legalização dos centros de pesquisa seria um grande passo nesse sentido, além de produzir melhores plantas e estudos que garantam a eficácia do medicamento que ainda é alvo de tanto tabu.

Leia também:

Mães se unem no cultivo de maconha medicinal para tratamento dos filhos

#PraCegoVer: fotografia (de capa) de duas plantas de maconha no início da floração, com alguns pistilos brancos aparecendo, folhas de outras na parte esquerda foto e ao fundo parcialmente nítido uma das mães (do peito para baixo), vestindo uma roupa branca e preta. Créditos da foto: Renan Lopes – ACidade ON.

lazy placeholder Mães de Marília viram símbolo de luta pela maconha medicinal

Sobre Smoke Buddies

O Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!

Deixe seu comentário