Maconha melhora alguns fatores de risco de ataque cardíaco, mas pode ser prejudicial para pacientes cardíacos, dizem estudos

purple buddah kush flores Maconha melhora alguns fatores de risco de ataque cardíaco, mas pode ser prejudicial para pacientes cardíacos, dizem estudos

Descobertas contraditórias mostram que mais pesquisas sobre os efeitos da cannabis no coração são necessárias. Usuários da planta tinham menos probabilidade de sofrer de insuficiência renal súbita. As informações são da NBC News

Há mais evidências de que fumar maconha pode ser perigoso para pessoas com doenças cardíacas, de acordo com dois novos estudos apresentados recentemente nas Sessões Científicas da Associação Americana do Coração. Mas em uma reviravolta inesperada, as pessoas que usaram cannabis eram menos propensas a sofrer de insuficiência renal súbita, descobriram os pesquisadores.

Pacientes que fumaram maconha e passaram por angioplastia para limpar artérias bloqueadas eram mais propensos a sofrer de acidente vascular cerebral (AVC) e sangramento após o procedimento não cirúrgico do que aqueles que não usaram maconha, descobriu um estudo. O segundo estudo concluiu que os pacientes que sobreviveram a um ataque cardíaco e usaram maconha tinham maior probabilidade do que aqueles que não usaram de ter um ataque cardíaco subsequente. Ambos os estudos foram divulgados na segunda-feira (9).

site sb Maconha melhora alguns fatores de risco de ataque cardíaco, mas pode ser prejudicial para pacientes cardíacos, dizem estudos

“A maconha está se tornando mais acessível e os pacientes devem estar cientes do risco aumentado após [a angioplastia]”, disse o principal autor do estudo, Dr. Sang Gune Yoo, um residente de medicina interna da Universidade de Michigan. “Embora esses riscos sejam importantes, eles não devem impedir os pacientes de obterem este procedimento que salva vidas”.

Leia: Uso de maconha após ataque cardíaco ou procedimentos pode estar associado a complicações

Na verdade, mais quatro estados legalizaram a maconha para uso adulto durante as eleições de 2020, elevando o total para 15 mais o Distrito de Colúmbia (DC). Além disso, 34 estados, mais o DC, tornaram a maconha medicinal legal.

As novas descobertas são outro exemplo de por que precisamos de mais estudos sobre os efeitos da cannabis na saúde do coração e no resto do corpo, disse Yoo, observando que sua classificação pelo governo federal como uma droga de Categoria 1 atrapalhou a pesquisa científica.

A pesquisa é especialmente relevante para americanos mais velhos. A doença cardíaca é a causa de morte número 1 nos EUA e os Centros de Controle e Prevenção de Doenças estimam que a cada ano aproximadamente 805.000 americanos têm um ataque cardíaco. A maioria, ou 605.000, são ataques cardíacos pela primeira vez. Todos os anos, centenas de milhares de pacientes nos Estados Unidos fazem angioplastia coronária — um procedimento para artérias bloqueadas que melhora o fluxo sanguíneo para o coração, de acordo com a Associação Americana do Coração. Muitos desses pacientes também recebem stents, um pequeno tubo de tela metálica que ajuda a manter a artéria aberta.

Para dar uma olhada mais de perto no impacto da maconha nos resultados da angioplastia, Yoo e seus colegas examinaram dados de 113.477 pacientes do Michigan, 3.970 dos quais se identificaram como usuários de maconha. Depois de relacionar 3.903 usuários com 3.903 não usuários, os pesquisadores descobriram que mais fumantes de maconha experimentaram sangramento (5,2% contra 3,4%) e AVC (0,3% contra 0,1%).

Uma descoberta intrigante que os autores não puderam explicar foi que os usuários de maconha tinham menos probabilidade de sofrer de insuficiência renal súbita.

Maconha pode ajudar nas doenças do coração?

É o THC ou a fumaça?

No outro estudo, que analisou informações de um banco de dados nacional, os pesquisadores descobriram que entre os pacientes que passaram por um procedimento de desobstrução das artérias após um ataque cardíaco, aqueles que usaram maconha tiveram uma taxa maior de ataques cardíacos subsequentes do que aqueles que não usaram cannabis, ou 7,2% contra 4,5%. Este estudo também fez uma descoberta intrigante: os fatores de risco de ataque cardíaco — incluindo hipertensão, diabetes e colesterol alto — foram significativamente mais baixos em usuários de cannabis.

Os especialistas contatados pela NBC News tiveram reações mistas aos novos relatórios.

“Passei os últimos 25 anos estudando os efeitos da maconha e do THC, e acho que o estudo de Yoo levanta algumas questões importantes, especialmente por que vimos cada vez mais relatos de eventos cardiovasculares ocorrendo no contexto da maconha”, disse o Dr. Deepak Cyril D’Souza, professor de psiquiatria da Escola de Medicina da Universidade Yale. “Este é um artigo interessante”.

Leia mais: Associação Americana do Coração quer mudança de classificação da maconha

Uma questão que o estudo não pode responder é se os riscos aumentados vêm da maconha, do THC na maconha ou da fumaça que vem da queima de um produto vegetal, disse D’Souza.

“Em nossos estudos sobre o THC, encontramos um aumento muito robusto na frequência cardíaca e um efeito sobre a pressão arterial que pode ser bastante profundo”, disse D’Souza, acrescentando que a pressão arterial aumentou em pessoas que estavam deitadas. “Nossos estudos normalmente incluíam pessoas saudáveis ​​e jovens. Extrapolando para alguém que é mais velho e tem problemas cardiovasculares ou outros problemas médicos, poderia ser problemático se eles usassem maconha”.

Olhando para a totalidade dos dois estudos, eles parecem conter algumas descobertas contraditórias, disse o Dr. Peter Grinspoon, um especialista em cannabis, instrutor da Escola de Medicina de Harvard e membro do conselho da Doctors for Cannabis Regulation. Por um lado, disse Grinspoon, os pesquisadores estão relatando aumentos de AVC, sangramento e segundos ataques cardíacos em pessoas que usam cannabis, mas, por outro lado, eles estão relatando melhorias nos fatores de risco cardiovascular, como hipertensão, colesterol alto e diabetes.

Grinspoon ficou particularmente impressionado com a menor taxa de insuficiência renal entre aqueles que usaram maconha no estudo de Yoo.

“Por suas medidas, eles realmente mostraram que a cannabis diminui os danos aos rins, o que deveria ser uma grande manchete por si só”, disse ele.

Leia também:

Estudo revela como o THC pode tratar a inflamação causada por Covid-19

#PraCegoVer: em destaque, fotografia de flores secas da cepa Purple Buddah Kush que transbordam um prato branco e, com suas sépalas em tons de roxo e pistilos alaranjados, contrastam com o fundo amarelo. Imagem: THCamera Cannabis Art.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!