Maconha medicinal: pacientes e profissionais de Lehigh Valley falam sobre equívocos e estigmas

cultivo vegetativo plantas Maconha medicinal: pacientes e profissionais de Lehigh Valley falam sobre equívocos e estigmas

No estado da Pensilvânia, EUA, a maconha medicinal foi legalizada em abril de 2016 e, desde então, vem contribuindo na diminuição do uso de opioides altamente viciantes, contudo o estigma em torno do tema ainda existe. Saiba mais na reportagem do The Morning Call

A mulher do distrito de Tamaqua recorda vividamente a primeira vez em anos que dormiu a noite toda.

Ela sofreu dores crônicas durante a maior parte de sua vida após cirurgias nas costas e no pescoço, na década de 1970. Mais recentemente, ela teve substituições de quadril e foi diagnosticada com fibromialgia – as quais conspiram para mantê-la em constante desconforto. No entanto, ela estava decidida a tomar opioides como oxicodona para dor e sofrera efeitos colaterais, incluindo úlceras, de outros analgésicos.

“Eu simplesmente não sabia para onde ir”, diz ela. “Meu marido e eu nunca usamos drogas, não fumamos, não bebemos. Eu tive problemas terríveis dormindo com a dor. Você nunca dorme profundamente… porque toda vez que você se mexe, a dor faz você acordar.

Depois que o governador Tom Wolf assinou uma legislação em abril de 2016 que legalizava a maconha medicinal na Pensilvânia e os dispensários começaram a surgir na região, ela decidiu que valia a pena tentar. Ela se candidatou para obter uma licença de maconha medicinal no estado, em agosto de 2018, e, no início de outubro, foi ao dispensário de maconha medicinal Mission, no sul de Allentown, e comprou cannabis em gotas. Ela concordou em ser entrevistada para esta história sob a condição de seu nome não ser usado por causa do estigma ainda associado ao uso de maconha.

Ela está entre aqueles, inclusive profissionais da área médica, que afirmam que o estigma e os conceitos errados em torno da maconha medicinal não desapareceram nos dois anos desde que se tornou acessível aos pacientes em dispensários da Pensilvânia. Mas com o entusiasmo de uma recém-conversa, ela ficou feliz em falar sobre como isso mudou sua vida para melhor.

“O primeiro produto que recebi se chamava Dream”, diz ela. “Foi um sonho. É a primeira vez que dormi a noite toda… você acaba de acordar perfeitamente descansada”.

Leia: Mais de 80% das pessoas fumam maconha para dormir ou aliviar dor

Matt Pulcini, farmacêutico e gerente geral do Mission Medical Marijuana Dispensary, diz que ouve muito essas histórias.

Pulcini, que cresceu em Nazaré, trabalha no Mission desde que foi inaugurado em junho de 2018. No último ano, ele viu inúmeras pessoas – especialmente idosos – chegarem ao dispensário cheio de receio em obter e usar uma substância que tinha sido ilegal por tanto tempo. Ele e outros membros da equipe tentam aliviar esses medos e educar os pacientes sobre os tipos de maconha medicinal e como ela pode ser tomada.

“Temos farmacêuticos na equipe e um médico assistente e consultores de pacientes especialmente treinados e familiarizados com os produtos”, diz Pulcini. “Então, basicamente fazemos uma experiência individual com todos os pacientes que chegam”.

A maconha tem sido objeto de piadas sobre drogados fumando, ficando chapados e agindo de forma esquisita, como tipificado por comédias como “Up in Smoke” de Cheech e Chong, Sean Penn em “Fast Times at Ridgemont High” e Jeff Bridges em “The Big Lebowski”. Uma das grandes preocupações que muitas pessoas trazem para o dispensário é se a maconha que estarão usando os deixará chapados. Pulcini garante que eles não precisam ficar chapados para obter os benefícios da cannabis.

“Existem maneiras de adaptar isso para cada pessoa, para que não cause esse efeito colateral”, diz ele.

O canabidiol, geralmente conhecido como CBD, é um composto químico que vem da maconha e funciona bem para a dor da inflamação, diz Pulcini. O THC, ou tetraidrocanabinol, ajuda as pessoas com espasmos musculares e náusea, diz ele.

“Eles são combinados em diferentes proporções para diferentes produtos e, em seguida, usamos esse conhecimento que temos sobre proporções para adaptá-los a uma condição ou paciente diferente”, diz Pulcini.

lazy placeholder Maconha medicinal: pacientes e profissionais de Lehigh Valley falam sobre equívocos e estigmas

#PraCegoVer: fotografia em primeiro plano de Matt Pulcini com parte do corpo atrás da porta de entrada, entreaberta, do dispensário Mission. Foto: Jane Therese | The Morning Call.

Alguns novos pacientes deixam claro que não querem fumar maconha – o que é bom porque o dispensário vende flor de cannabis apenas para vaporização. Um dispositivo vaporizador de flores de cannabis aquece a flor a uma temperatura que evapora o componente medicinal, mas não queima o material da planta. Isso produz um método mais saudável e mais econômico de inalar cannabis.

O dispensário oferece produtos de cannabis medicinal para serem ingeridos de várias maneiras. Tinturas – que são consumidas como um líquido colocado sob a língua e absorvido pelas gengivas. Também pode ser tomado em uma cápsula ou como um vapor que é inalado ou esfregado topicamente na pele, por exemplo, para joelhos artríticos.

A filosofia do dispensário é começar com doses baixas e ver como o paciente responde e depois modular a dose de acordo, diz Pulcini.

Outra grande preocupação para os pacientes é a confidencialidade. Os dispensários de maconha medicinal na Pensilvânia são licenciados pelo estado e devem obedecer à HIPAA – Lei de Portabilidade e Responsabilidade do Seguro de Saúde de 1996 – regras estritas sobre a proteção da privacidade do paciente. Pulcini diz que a equipe incentiva os pacientes a conversar com seus médicos sobre o uso de cannabis, mas o registro dos pacientes que estão certificados para usá-la é protegido pelo estado.

Isso foi muito importante para uma mulher de Bath, no condado de Northampton, que diz em seus círculos sociais que o estigma em torno da maconha não se dissipou, embora agora seja legal para pessoas com certas condições. Ela falou sob a condição de seu nome não ser usado por causa do medo do que os outros pensariam dela.

A mulher nasceu com deficiências que causam inflamação grave, diz ela. Agora com mais de 60 anos, ela usava opioides como Oxycontin e Tramadol devido à dor, mas odiava os efeitos colaterais.

“O maior problema com os opioides é que descobri que, mesmo quando eu tinha um dia sem dor, precisava tomá-los de qualquer maneira, porque começava a desintoxicar”, diz ela. “Sua pele começa a se arrepiar, você começa a se contorcer, fica agitada… então é um círculo vicioso”.

Isso não é um problema para ela com maconha medicinal, diz ela. Ela não usa quando não está com dor.

“Estou sem quase toda a minha medicação para dor”, diz ela.

Quando membros do Legislativo estadual estavam brigando sobre a legalização da maconha medicinal, alguns oponentes argumentaram que a maconha é uma droga de passagem que levaria as pessoas a experimentar substâncias viciantes mais nocivas.

Ironia das ironias, a maconha medicinal está ajudando as pessoas a parar ou diminuir o uso de opioides altamente viciantes, de acordo com Pulcini.

Antes de começar no dispensário, Pulcini trabalhava em uma farmácia e preenchia as prescrições médicas de opioides para pacientes com dor.

“Mas foi apenas prescrito de maneira inadequada e em quantidades muito altas”, diz ele. “E eu estava dispensando aquilo e me sentindo mal com isso.”

Desde que chegou à Mission, ele descobriu que uma das principais razões pelas quais as pessoas dizem que querem maconha medicinal é ajudá-las com a dor, para que possam se livrar dos opioides.

“As histórias de sucesso foram mais do que eu poderia esperar”, diz Pulcini. “Essa é provavelmente uma das maiores recompensas aqui, é ver pacientes que chegam e dizem ‘Ei, eu terminei com esta dose de oxicodona e só tomo uma por semana'”.

Isso era verdade para a mulher de Tamaqua. Após várias cirurgias, ela costumava receber analgésicos, incluindo alguns que tinham efeitos colaterais perturbadores, como alucinações. Agora ela toma uma maconha medicinal conhecida como “Dream” para dormir e “Awake” durante o dia e evita opioides ou outros medicamentos para a dor. Ela diz que não teve efeitos colaterais ruins. Um frasco de Dream custa cerca de US$ 35 com seu desconto para idosos e dura cerca de um mês.

Tanto ela como a mulher de Bath ficaram surpresas com o ambiente profissional do dispensário. Elas esperavam algo decadente. A Mission fica em um antigo prédio de pedra com uma reforma mais recente, em frente à Praça Emmaus Avenue, ao lado do Dollar General. Um paciente deve trazer seu cartão de identificação de maconha medicinal do estado para passar pela porta. Se estiver acompanhado de um cuidador, esse cuidador também deve ter um cartão de identificação de maconha medicinal.

“Relato tudo de volta à minha experiência anterior em farmácia e com os controles rígidos dos remédios para dor, tive muito mais experiências ruins com isso, dizendo aos pacientes que é muito cedo para preencher isso, você não pode ter este ou aquele”, ele diz. “Isso criou circunstâncias realmente difíceis. E isso não tem sido assim”.

Para se tornar certificado para maconha medicinal, um residente da Pensilvânia deve se inscrever on-line no Departamento de Saúde do estado em www.medicalmarijuana.pa.gov. O site lista quais condições constituem as “condições médicas graves” aprovadas para o uso de maconha medicinal. Os interessados ​​devem se inscrever no site, serem aprovados por um médico autorizado pelo Estado, para avaliá-los para esse uso, e pagar US$ 50 pelo cartão de identificação de maconha medicinal. Depois de receberem o cartão, podem visitar um dispensário, onde conversam com representantes sobre que tipo de cannabis pode ajudá-los.

Em julho, a secretária estadual de Saúde, Dra. Rachel Levine, acrescentou distúrbios de ansiedade e síndrome de Tourette à lista de condições que a maconha medicinal pode ser prescrita para tratar.

O Dr. David Gordon, médico do sul de Whitehall licenciado para fazer as avaliações médicas necessárias, disse que a adição de transtornos de ansiedade “apenas aponta para a eficácia desse medicamento, porque trata muitas condições”.

Como Pulcini, Gordon tem pacientes que usam maconha medicinal para dor crônica, em um esforço para eliminar os opioides. Mas ele sabe que ainda existe estigma no público e entre alguns na comunidade médica.

“Ainda há uma certa pressão na comunidade médica”, disse ele.

“Incrementalmente, estamos progredindo”.

A maconha medicinal é legal em 33 estados e Washington, DC.

“Eu acho que essa afirmação sobre as pessoas receberem cartões para ficarem chapadas, acho que faz um enorme desserviço”, disse Gordon. “Uma das coisas que observei, pelo menos no meu grupo de pacientes, é que a restrição e o uso criterioso dessa droga são muito maiores do que nos pacientes que estão usando outros medicamentos”.

“Essa é outra ferramenta em nosso baú de ferramentas que podemos usar para ajudar os pacientes”, disse Gordon. “Cheguei ao ponto em que não consigo imaginar como seria agora se não tivéssemos o programa. Eu acho que é o mais surpreendente”.

Tradução: Joel Rodrigues | Smoke Buddies.

Leia também:

Governador da Pensilvânia, nos EUA, quer legalização do uso adulto da maconha

#PraCegoVer: fotografia (de capa) em plano fechado que mostra pés de maconha em período vegetativo. Foto: Gerald Herbert | AP.

lazy placeholder Maconha medicinal: pacientes e profissionais de Lehigh Valley falam sobre equívocos e estigmas

Sobre Smoke Buddies

O Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!

Deixe seu comentário