Maconha e direção: estudo no Canadá lança dúvidas sobre tolerância zero para THC

Foto Diogo Vieira Maconha e direção: estudo no Canadá lança dúvidas sobre tolerância zero para THC

Pessoas não mostraram sinais de comprometimento, em simulação, um dia depois de fumarem maconha, apesar de ainda terem resultados positivos para o THC. As informações são do Global News, com tradução pela Smoke Buddies

A pesquisa realizada no Canadá tem implicações para leis e regras do local de trabalho que não exigem nenhum traço de THC, que Scott Macdonald, professor aposentado da Universidade de Victoria, chama de “não científico”.

“Considero um dos maiores mitos sobre a cannabis, que existem efeitos mensuráveis pós 24 horas”, disse ele. “Quando as pessoas fumam maconha, elas são prejudicadas apenas por um curto período de tempo. Você poderia ter THC na corrente sanguínea, mas não é um perigo”.

Pesquisadores do Centro para Dependência e Saúde Mental, com sede em Toronto, deram aos participantes 10 minutos para fumar cannabis no nível que eles escolheram, depois testaram em um simulador de direção.

Como eles tiveram permissão para controlar seu próprio consumo, os níveis sanguíneos de THC no grupo variaram. Eles variavam de zero a 42 nanogramas por mililitro, o que seria quase 10 vezes o limite legal para dirigir.

O cenário do simulador de direção envolveu uma movimentação de nove quilômetros em uma faixa de rodovia rural assinalada a 80 km/h, com alguns problemas simples para resolver, como um veículo em movimento lento.

Imediatamente após fumar, o grupo THC mostrou sinais de comprometimento, centralizando mal o carro imaginário em sua faixa e dirigindo de maneira inadequada.

Porém, em testes posteriores, 24 e 48 horas depois, eles ainda tinham níveis detectáveis ​​de THC, mas executavam normalmente no simulador de direção.

“Encontramos evidências significativas de diferenças no comportamento do motorista, na frequência cardíaca e nos efeitos de drogas relatados 30 minutos após o consumo de maconha, mas… encontramos poucas evidências para apoiar os efeitos residuais“, escreveram os autores.

O estudo mostra que, da mesma forma que o álcool, o comprometimento da cannabis desaparece dentro de um dia no máximo, se não muito antes.

No entanto, o THC pode continuar aparecendo nos testes por muito tempo após o término de qualquer comprometimento — ao contrário do álcool, que deixaria de ser detectável quando o comprometimento desaparecesse.

“Os testes biológicos não são úteis para identificar pessoas que representam um risco à segurança”, diz Macdonald. “O que nos resta são sintomas comportamentais. Ainda estamos trabalhando no desenvolvimento de testes para avaliar se um indivíduo que consome maconha é um risco à segurança. Difícil de fazer”.

Várias províncias proíbem jovens ou novos motoristas de terem níveis detectáveis ​​de THC.

Em Ontário, por exemplo, os motoristas que violam uma regra de tolerância zero para o THC enfrentam uma suspensão de licença de três dias, multa de US$ 250 e taxa de reintegração de US$ 281 pela primeira infração. As penalidades aumentam para reincidentes.

A província de Saskatchewan adotou o que pode ser a abordagem mais rigorosa do Canadá: novos condutores na província com qualquer nível de THC enfrentam suspensão de licença de 60 dias, apreensão de veículo por três dias e quatro pontos de demérito.

O Ministério dos Transportes de Ontário defende a política.

“Em outubro de 2018, a Sociedade Canadense de Ciência Forense divulgou um relatório afirmando que o comprometimento da cannabis começa quase imediatamente e pode durar até seis horas ou mais, dependendo de fatores como níveis de THC e como é consumido“, escreveu a porta-voz Kristine Bunker em uma resposta por e-mail. “Como os efeitos da cannabis variam, não há como saber exatamente quanto tempo esperar antes que seja seguro para você dirigir”.

As regras de tolerância zero funcionam como um “meio de proibir o uso de maconha para jovens”, argumenta Jenna Valleriani, diretora executiva da Hope for Health Canada.

“A maioria dos jovens dirige e tem responsabilidades diárias, como escola e trabalho, portanto, quando temos dados demonstrando que os indivíduos testariam acima dos limites 24 e 48 horas após o uso, isso faz pouco para tornar nossas estradas mais seguras de motoristas prejudicados e merece uma reavaliação”, ela escreveu em uma troca de e-mails. “Dirigir é um privilégio, mas, ao mesmo tempo, a maconha é legal agora, e os jovens com mais idade de acesso devem poder consumir no fim de semana e dirigir um dia inteiro depois para o trabalho ou à escola sem arriscar uma multa de DUI (driving under influence, dirigir sob efeito de droga)”.

Leia: THC não está cientificamente ligado à condução prejudicada, diz comissão de Michigan

Em todo o Canadá, algumas forças policiais baniram efetivamente a maconha para seus próprios membros.

A polícia de Montreal pode consumir em seu próprio tempo, desde que apareça no trabalho “apto para o trabalho”.

Mas a polícia de Toronto e o RCMP proíbem os policiais de consumir menos de 28 dias antes de comparecerem ao serviço, enquanto os policiais de Calgary estão proibidos de consumir. (Como o THC pode ser detectado até 28 dias após o consumo, essas políticas são mais ou menos as mesmas).

Os sindicatos policiais de Toronto e Calgary se opuseram à política quando foi anunciada, com Toronto chamando de “mal planejada” e “arbitrária”, e Calgary dizendo que os membros haviam dito que “certamente não estavam realmente felizes com a ideia de meu empregador dizer me o que posso e o que não posso fazer com uma substância legal no meu próprio tempo‘”.

“Eu acho que [as proibições de 28 dias] são excessivas e não têm base científica, agora que a maconha é legal”, diz Macdonald. “Quando a maconha era ilegal, eu podia ver dessa perspectiva”.

A polícia de Toronto está aberta a rever a proibição de 28 dias, afirmou o porta-voz Victor Kwong em um e-mail.

“(A regra) foi feita com ponderação e com base em bons conselhos e evidências, considerando o papel crítico que os membros desempenham para garantir um local de trabalho seguro e uma comunidade segura. Continuaremos a pesquisar e explorar esse procedimento. Se a qualquer momento houver novas ciências ou pesquisas que nos façam reavaliar nossos processos, faremos isso.”

Um árbitro trabalhista decidiu recentemente contra a TransLink, autoridade de trânsito da região de Vancouver, por lidar com o teste positivo de THC de um funcionário.

David Solomon, um comissário de trem, foi forçado a passar por testes de drogas duas vezes por mês durante um ano, apesar da opinião do médico de que seu uso de maconha não era um problema. Salomon teve que ligar para o serviço de testes diariamente para descobrir se ele iria fazer um teste naquele dia ou não, e ir a um laboratório para fazer o teste se a resposta fosse afirmativa.

As forças armadas permitem o uso de maconha em alguns momentos para alguns membros, dependendo de seus empregos. Alguns, como mergulhadores, tripulações aéreas, membros de equipes submarinas e operadores de drones, têm uma proibição de 28 dias semelhante às forças policiais mais restritivas.

“Muitos empregos — normalmente aqueles que são sensíveis à segurança — adotaram uma política de tolerância zero, mas, à medida que a cannabis se torna mais integrada à sociedade, precisamos considerar políticas que reflitam essa mudança e adotar um melhor entendimento da cannabis e seus efeitos”, escreveu Valleriani.

“Alguns empregos exigem testes de drogas e álcool como condição de trabalho, mas isso levanta a questão de como os locais de trabalho podem gerenciar o risco de comprometimento sem uma medida precisa“.

O estudo foi publicado esta semana no Journal of Drug and Alcohol Dependence. Macdonald não estava envolvido com isso.

Durante o estudo, um grupo de placebo recebeu baseados sem THC para fumar, mas os participantes estavam bem conscientes de que consumiram ou não THC, com mais de 90% nos dois grupos dizendo com precisão em que grupo estavam.

Quando lhes perguntaram se estariam à vontade para dirigir um carro de verdade, 80% do grupo placebo disseram que sim, em vez de menos de 30% no grupo THC.

“Ele tem o maior tamanho de amostra que eu já conheço”, disse Macdonald sobre os 91 participantes do estudo.

O CAMH e a Health Canada, onde o principal autor do estudo trabalha, não disponibilizaram ninguém para uma entrevista.

Leia também:

Vape de maconha mata?

#PraCegoVer: fotografia (de capa) em plano fechado que mostra uma mão tatuada segurando um baseado sobre o vidro abaixado do carro, no primeiro plano, e ao fundo o retrovisor refletindo parte do carro que é branco e a estrada de faixa contínua; mais ao fundo, vemos uma paisagem verde desfocada (em movimento). Créditos da foto: Diogo Vieira.

lazy placeholder Maconha e direção: estudo no Canadá lança dúvidas sobre tolerância zero para THC

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!

Deixe seu comentário